top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

536 EC - O pior ano para ser vivido na face da Terra

Atualizado: 1 de nov. de 2023

Os eventos climáticos extremos de 535-536 foram episódios de resfriamento de curto prazo mais severos e prolongados no Hemisfério Norte dos últimos 2.000 anos.

Acredita-se que o evento tenha sido causado por um extenso véu de poeira na atmosfera, possivelmente causado por uma grande erupção vulcânica nos trópicos ou na Islândia. Seus efeitos foram extremamente extensos, causando clima fora de época e quebras de safra e fome em todo o mundo.

546 EC -- O Império Bizantino, ou Romano do Oriente, estava a pleno vapor no reinado de Justiniano I, O Grande.


Nessa época, o historiador Bizantino Procópio ou Procópio de Cesareia, (Cesareia é um cidade na região da Palestina, construída por Herodes, o Grande), registrou em 536 EC em seu relatório sobre as guerras com os Vândalos "durante este ano ocorreu um terrível presságio, pois o sol emitia sua luz sem brilho ... e lembrava excessivamente com o sol no eclipse, pois os raios que ele emitia não eram claros".


E não foi somente Procópio quem relatou esse evento catastrófico; em 538 EC, o estadista romano Cassiodoro também afirmou que a luz do sol era fraca e que as colheitas haviam falhado.


Anos mais tarde, com o Império Bizantino, já sob o comando da Dinastia dos Paleólogos, Miguel, o Sírio (1126–1199), um patriarca da Igreja Ortodoxa Siríaca, registrou que durante 536–537 o sol brilhou fraco por um ano e meio.


Nas Crônicas Irlandeses Gaélicos, os monges registraram o seguinte:

  • Uma interrupção na produção de pão no ano 536 DC" - as Crônicas de Ulster

  • "Uma interrupção na produção de pão dos anos 536-539 DC" - as Crônicas de Inisfallen

A história irlandesa registra que " não havia mais pão para comer por volta de 536-539 "


Outros fenômenos que foram relatados por uma série de fontes contemporâneas independentes:

  • Baixas temperaturas, neve até durante o verão (a neve supostamente caiu em agosto na China, o que atrasou a colheita) As temperaturas de verão caíram de 1,5 para 2,5 graus Celsius, contribuindo para a década mais fria em 2.300 anos. Naquele verão, a neve caiu em solo chinês, as colheitas falharam e as pessoas lutaram contra a fome.

  • Interrupções generalizadas de safra

  • "Uma névoa densa e seca" no Oriente Médio, China e Europa

  • Seca no Peru, que afetou a cultura Moche

  • Em 541, a praga atingiu o porto de Pelúsio, às margens do Nilo, no Egito


Mas não fica somente nas evidencias históricas !


Como evidencia cientifica, temos a análise dos anéis das árvores pelo dendrocronologista (método científico de datar os anéis das árvores no ano exato em que foram formados), Mike Baillie, da Queen's University de Belfast, mostra um crescimento anormalmente pequeno dos carvalho irlandês em 536 e outra queda acentuada em 542, após uma recuperação parcial.


Desde que estudamos o anel de idade localizado dentro do tronco da árvore, descobrindo que 540 era excepcionalmente frio, os pesquisadores têm buscado constantemente por respostas.


Três anos atrás, núcleos de gelo da Groenlândia e da Antártida nos deram algumas evidências: quando o vulcão entrou em erupção, expeliu enxofre, bismuto e outras matérias na atmosfera, criando uma camada de luz solar. É por isso que a Terra esfria.


Os núcleos de gelo da Groenlândia e da Antártica mostram evidências de depósitos substâncias sulfato em torno de 534 ± 2, o que é evidência de um extenso véu de poeira ácida.



O evento de 536 e a fome que se seguiu, foram sugeridos como uma explicação para o depósito de reservas de ouro pelas elites Escandinavas no final do Período de Migração, já que o ouro era possivelmente usado como um sacrifício para apaziguar os deuses e recuperar a luz do sol.
Eventos mitológicos como o Fimbulwinter e o Ragnarök são teorizados como baseados na memória cultural do evento.

Como consequencias relatadas em outras partes do mundo, tivemos:


  1. O declínio de Teotihuacán, uma grande cidade da Mesoamérica, também está associado às secas relacionadas às mudanças climáticas, com sinais de agitação civil e as fomes.

  2. Um livro escrito por David Keys especula que as mudanças climáticas contribuíram para vários eventos, como o surgimento da Peste de Justiniano (541–549 EC). Conhecida como Pandemia Justiniana, ela se espalhou rapidamente, destruindo de um terço a metade da população do Império Romano do Oriente.

  3. O declínio dos Ávaros, (povo nômade da Eurásia que migrou para a Europa Central e Oriental no século VI EC)

  4. A migração das tribos Mongóis para o Ocidente

  5. O fim do o Império Sassânida (Império Persa)

  6. O colapso do Império Gupta

  7. A ascensão do Islã

  8. A expansão das tribos Turcas e a queda de Teotihuacán.

Quando você pergunta ao historiador medieval Michael McCormick sobre o pior ano que o homem teve, você obtém "536".


Surpreendentemente, figuras memoráveis ​​da história da humanidade não são mencionadas: como 1349, a Peste Negra – A Peste que destruiu metade da Europa ou em 1918, a gripe que matou entre 50 e 100 milhões de pessoas.


Michael McCormick é historiador, arqueólogo e atualmente presidente do Leading Group for Science in Human Past, na Universidade de Harvard, certamente sua opinião tem peso.


Na Europa, " foi o início do período mais difícil da história da humanidade, senão o pior ano ", disse McCormick. É um fato histórico importante, talvez servindo como um aviso para futuros viajantes do tempo.

A névoa ainda cobre a verdade, literalmente: os cientistas ainda não sabem o que era a névoa que cobria todo o céu em 536. Por causa da natureza sombria de um longo período histórico, muitas vezes nos referimos a esse período de meados do século VI como a Idade das Trevas.


ENCONTRANDO O CULPADO:


Ainda estamos tentando resolver os mistérios daquele período, a fim de nos prepararmos para o que o futuro pode trazer.

O próprio professor McCormick liderou um projeto para encontrar a resposta. Trabalhando com o glaciologista Paul Mayewski, do Instituto de Mudanças Climáticas da Universidade do Maine, eles analisaram com precisão o núcleo de gelo de 72 metros de diâmetro, retirado da geleira Colle Gnifetti, na Suíça, e encontraram o culpado.


Em uma feira de ciências que aconteceu no campus de Harvard no início de novembro, a equipe anunciou o que havia encontrado: descobriram uma erupção vulcânica muito grande na Islândia que ocorreu no início de 536, expelindo fumaça e poeira cobrindo uma área de o céu do Hemisfério Norte.



No ano de 536, o sol perdeu o brilho durante 18 meses e as temperaturas cairam na Europa, Oriente Médio e partes da Ásia (foto: Getty Images)

DESGRAÇA POUCA É BOBAGEM


Duas outras grandes erupções que ocorreram em 540 e 547 combinaram a fumaça e a poeira com a erupção anterior e, quando combinadas com a peste furiosa, a Europa caiu.

Nas palavras de Kyle Harper, presidente da Universidade de Oklahoma e também historiador romano e medieval, a evidência histórica registrada na fita "deu à humanidade um novo tipo de material, permitindo-nos entender e encadear cadeias de eventos para encontrar a causa da queda do poderoso Império Romano ".


E quando há 3 grandes erupções vulcânicas ocorrendo muito próximas umas das outras, o tempo depois de 536 é difícil de viver.


Felizmente quase tudo se resolve com o tempo, tudo voltou ao normal para a humanidade continuar vivendo.


Vulcanologia da Islândia


A Islândia tem uma forte concentração de vulcões devido a estar situada na zona de encontro da placa Eurasiática com a placa norte-americana, mais exatamente na Dorsal Mesoatlântica, uma cordilheira submarina que se estende sob o Oceano Atlântico e o Oceano Ártico, cujos pontos mais elevados emergem em vários locais, formando ilhas.

Existem cerca de 130 montanhas vulcânicas, tendo 18 delas tido erupções desde que a ilha foi descoberta e colonizada por volta do ano 900.

Os vulcões da Zona Este têm sido os mais ativos, com especial preponderância para Grímsvötn, Laki e Eyjafjallajökull.

Zonas e sistemas vulcânicos da Islândia. *Zona Norte *Zona Este *Zona Oeste *Zona de Öræfajökull *Zona das Ilhas Vestmann *Zona das Snæfellsnes



Mapa mostrando a localização da Dorsal Mesoatlântica

Os vulcões mais importantes são:

  • Zona Norte - Askja, Herðubreið, Kolbeinsey, Krafla, Kverkfjöll

  • Zona Este - Bárðarbunga, Eyjafjallajökull, Grímsvötn, Hekla, Katla, Laki, Vatnajökull

  • Zona Oeste – Ok, Skjaldbreiður

  • Zona de Öræfajökull - Öræfajökull

  • Zona das Ilhas Vestmann - Eldfell, Surtsey

  • Zona das Snæfellsnes - Snæfellsjökull


BONUS: TSUNAMI PROVOCADO POR ERUPÇÃO VULCANICA -- SIMULAÇÃO.



Um documentário sobre o risco vulcânico na ilha de La Palma, nas Canárias, e a forma como a erupção do Vulcão Cumbre Vieja veio colocar a olho nu, a falta de Ordenamento do Território nas ilhas vulcânicas.

Desde as plantações intensivas de bananeiras, até à ocupação de escoadas lávicas recentes e cones vulcânicos, esta é uma viagem ao centro do problema e não ao centro da Terra.



O vulcão da Ilha Branca, na Nova Zelândia, também conhecido como Whaakari, é o mais ativo do país. Quando ele entrou em erupção, cerca de cinquenta turistas estavam na ilha, entre eles o casal de brasileiros Alessandro e Aline.

A equipe do Domingo Espetacular visitou o vulcão e mostrou imagens exclusivas do local



A equipe do Domingo Espetacular viajou até Cabo Verde para conhecer a história dos moradores que tiveram suas vidas transformadas por causa da erupção do Pico do Fogo. Mesmo com as casas destruídas, as centenas de famílias que perderam tudo, não querem sair de perto do vulcão. Acompanhe na Grande Reportagem.



O Monte Fagradalsfjall não via uma erupção desde o século 12, e ela chegou após milhares de pequenos terremotos. Desde a semana passada, cientistas, equipes de resgate, fotógrafos e curiosos visitam a área. Para capturar essas imagens espetaculares o operador do drone pedalou 7 km na neve. Confira.

 

DAVID KEYS' 536 EC - TEORIA DA MEGA-ERUPÇÃO VULCÂNICA



Li com interesse a especulação sobre o evento que ocorreu em cerca de 540 EC, que causou uma sociedade significativa agitação. Recentemente li um livro fascinante que dava uma explicação razoável. pelo que aconteceu:


Catástrofe: Uma investigação sobre as Origens do Mundo Moderno, de David Keys (Ballantine Books; 1 de Fevereiro de 2000)


Aqui está a descrição do livro da editora:


Foi uma catástrofe sem precedente na história registrada: por meses a fio, a partir de 535 EC., um uma névoa estranha e escura roubou grande parte da terra da luz solar normal. Colheitas falharam na Ásia e no Oriente Médio como clima global padrões radicalmente alterados. Peste bubônica, explodindo para fora da África, exterminada populações inteiras na Europa. Inundação e a seca levou as culturas antigas à beira do colapso. Em uma questão de décadas, a velha ordem morreu e um novo mundo - essencialmente o mundo moderno como nós sabemos disso hoje - começou a surgir.


Neste fascinante e inovador, livro totalmente acessível, o jornalista arqueológico David Keys dramaticamente reconstrói a cadeia global de revoluções que começou na catástrofe de 535 EC., então oferece uma explicação definitiva de como e por que esse cataclismo ocorreu naquele dia importante séculos atrás.


O Império Romano, a maior potência na Europa e no Médio Oriente durante séculos, perdeu metade do seu território no século seguinte à catástrofe. Durante o exatamente no mesmo período, o antigo estado do sul da China, enfraquecido pela economia turbulência, sucumbiu aos invasores do norte, e uma única China unificada nasceu. Enquanto isso, enquanto tribos inquietas varriam as estepes da Ásia Central, um novo A religião conhecida como Islã se espalhou pelo Oriente Médio. Como Keys demonstra com originalidade convincente e pesquisa autoritária, não se tratava de convulsões isoladas, mas de eventos ligados decorrentes da mesma causa. e ondulando ao redor do mundo como um enorme maremoto.


A narrativa de Keys circunda o globo como ele identifica as consequências misteriosas dos meses de escuridão: sem precedentes seca na América Central, uma estranha poeira amarela flutuando como neve sobre Ásia Oriental, fome prolongada e horrível pandemia da peste bubônica. Com um comando soberbo de antigos literaturas e registros históricos, Keys faz até então não reconhecido conexões entre o "deserto" que se espalhou pelos britânicos o campo e a queda da grande civilização Teotihuacan construtora de pirâmides no México, entre um "império judaico" pouco conhecido na Europa Oriental e a ascensão do Estado-nação japonês, entre tempestades na França e pestilência na Irlanda.


Nos capítulos finais do livro, Keys mergulha no mistério no coração desta catástrofe global:


Por que isso aconteceu?


A resposta, ao mesmo tempo surpreendente e definitiva, tem implicações assustadoras. para o nosso futuro geopolítico precário. Ampla em sua erudição, escrito com talento e paixão, cheio de insights originais, Catastrophe é a soberba síntese da história, da ciência e da interpretação cultural.

------------

Altamente recomendado!



 











E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like e

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora




FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO














Bibliografia, Fontes e Referencias:

  1. Abbott, D. H.; Biscaye, P.; Cole-Dai, J.; Breger, D. (dezembro de 2008). «Magnetite and Silicate Spherules from the GISP2 Core at the 536 A.D. Horizon». AGU Fall Meeting Abstracts. 41: 41B–1454. Bibcode:2008AGUFMPP41B1454A. Abstract #PP41B-1454

  2. Ir para:a b c Larsen, L. B.; Vinther, B. M.; Briffa, K. R.; Melvin, T. M.; Clausen, H. B.; Jones, P. D.; Siggaard-Andersen, M.-L.; Hammer, C. U.; et al. (2008). «New ice core evidence for a volcanic cause of the A.D. 536 dust veil». Geophys. Res. Lett. 35: L04708. Bibcode:2008GeoRL..3504708L. doi:10.1029/2007GL032450

  3. Ir para:a b Gibbons, Ann (15 de novembro de 2018). «Why 536 was 'the worst year to be alive'». Science | AAAS (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2018

  4. Than, Ker (3 de janeiro de 2009). «Slam dunks from space led to hazy shade of winter». New Scientist. 201. 9 páginas. Bibcode:2009NewSc.201....9P. doi:10.1016/S0262-4079(09)60069-5

  5. Procopius; Dewing, Henry Bronson, trans. (1916). Procopius. vol. 2: History of the [Vandalic] Wars, Books III and IV. London, England: William Heinemann. ISBN 978-0-674-99054-8

  6. Ochoa, George; Jennifer Hoffman; Tina Tin (2005). Climate: the force that shapes our world and the future of life on earth. Emmaus, PA: Rodale. ISBN 978-1-59486-288-5, gives this quote as "The Sun gave forth its light without brightness, like the moon during this whole year, and it seemed exceedingly like the Sun in eclipse".

  7. Cassiodorus; Hodgkin, Thomas, trans. (1886). The Letters of Cassiodorus. London, England: Henry Frowde. pp. 518–520 See: "25. Senator, Praetorian Praefect, to his deputy Ambrosius, an Illustris."

  8. Michel le Syrien; Chabot, J.-B., trans. (1901). Chronique de Michel le Syrien, Patriarche Jacobite d'Antoche (em francês). 2nd vol. Paris, France: Leroux. pp. 220–221 From pp. 220–221: "Or, un peu auparavant, en l'an 848, il y eut un signe dans le soleil. …, et le vin avait le goût de celui qui provient de raisins acides." (However, a little earlier, in the year 848 [according to the Greek calendar; 536/537 AD according to the Christian calendar], there was a sign in the sun. One had never seen it [before] and nowhere is it written that such [an event] had happened [previously] in the world. If it were not [true] that we found it recorded in most proven and credible writings, and confirmed by men worthy of belief, we would not have written it [here]; for it's difficult to conceive. So it is said that the sun was darkened, and that its eclipse lasted a year and a half, that is, eighteen months. Every day it shone for about four hours and yet this light was only a feeble shadow. Everyone declared that it would not return to the state of its original light. Fruits didn't ripen, and wine had the taste of what comes from sour grapes.)

  9. Gaelic Irish Annals translations

  10. Documents of Ireland

  11. The Annals of the Four Masters

  12. Ochoa, George; Jennifer Hoffman; Tina Tin (2005). Climate: the force that shapes our world and the future of life on earth. Emmaus, Pennsylvania: Rodale. ISBN 978-1-59486-288-5

  13. Rosen, William (2007). Justinian's flea: Plague, Empire and the Birth of Europe. London: Jonathan Cape. ISBN 978-0-224-07369-1

  14. Ir para:a b c Keys, David Patrick (2000). Catastrophe: an investigation into the origins of the modern world. New York: Ballantine Pub. ISBN 978-0-345-40876-1

  15. Stothers, R.B.; Rampino, M.R. (1983). «Volcanic eruptions in the Mediterranean before AD 630 from written and archaeological sources». Journal of Geophysical Research. 88: 6357–6471. doi:10.1029/JB088iB08p06357

  16. Stothers, R.B. (16 de janeiro de 1984). «Mystery cloud of AD 536». Nature. 307: 344–345. doi:10.1038/307344a0

  17. Rampino, M.R.; Self, S.; Stothers, R.B. (1988). «Volcanic winters». Annual Review of Earth and Planetary Sciences. 16: 73–99. doi:10.1146/annurev.ea.16.050188.000445

  18. Arjava, Antti (2005). «The mystery cloud of 536 CE in the Mediterranean sources». Dumbarton Oaks Papers. 59: 73–94. JSTOR 4128751. doi:10.2307/4128751

  19. Baillie, M.G.L. (1994). "Dendrochronology Raises Questions About the Nature of the AD 536 Dust-Veil Event." The Holocene fig. 3 p. 215.

  20. Baillie, M. G. L. (1999). Exodus to Arthur: Catastrophic Encounters with Comets. London: B.T. Batsford. ISBN 978-0-7134-8352-9

  21. Rigby, Emma; Symonds, Melissa; Ward-Thompson, Derek (fevereiro de 2004). «A comet impact in AD536?». Astronomy and Geophysics. 45: 1.23–1.26. Bibcode:2004A&G....45a..23R. doi:10.1046/j.1468-4004.2003.45123.x

  22. Stothers R.B. (26 de janeiro de 1984). «Mystery cloud of AD 536». Nature. 307: 344–345. Bibcode:1984Natur.307..344S. doi:10.1038/307344a0

  23. Wohletz, Ken, Were the Dark Ages Triggered by Volcano-Related Climate Changes in the 6th Century? Arquivado em 2003-06-18 no Wayback Machine

  24. «Comet smashes triggered ancient famine». New Scientist. 7 de janeiro de 2009

  25. Dull, R.; J.R. Southon; S. Kutterolf; A. Freundt; D. Wahl; P. Sheets (13–17 de dezembro de 2010). «Did the TBJ Ilopango eruption cause the AD 536 event?». AGU Fall Meeting Abstracts. 13: V13C–2370. Bibcode:2010AGUFM.V13C2370D

  26. Dull, R. A.; Southon, J. R.; Sheets, P. (2001). «Volcanism, ecology and culture: a reassessment of the Volcán Ilopango TBJ eruption in the southern Maya realm». Latin American Antiquity. 12: 25–44. JSTOR 971755. doi:10.2307/971755

  27. Kutterolf, S. A. Freundt; W. Peréz (2008). «Pacific offshore record of plinian arc volcanism in Central America: 2. Tephra volumes and erupted masses». Geochemistry Geophysics Geosystems. 9, Q02S02: n/a. Bibcode:2008GGG.....902S02K. doi:10.1029/2007GC001791

  28. Victoria C. Smith; et al. (2020). «The magnitude and impact of the 431 CE Tierra Blanca Joven eruption of Ilopango, El Salvador». PNAS. doi:10.1073/pnas.2003008117

  29. Sigl, M.; Winstrup, M.; McConnell, J. R.; Welten, K. C.; Plunkett, G.; Ludlow, F.; Büntgen, U.; Caffee, M.; Chellman, N. (2015). «Timing and climate forcing of volcanic eruptions for the past 2,500 years». Nature. 523: 543–549. Bibcode:2015Natur.523..543S. PMID 26153860. doi:10.1038/nature14565. Archived copy

  30. Morten Axboe (2001). «Året 536». Skalk: 28–32

  31. Morten Axboe (1999). «The year 536 and the Scandinavian gold hoards» (PDF). Medieval Archaeology. 43: 186–188

  32. Gunn, Joel D. (2000). The Years Without Summer: Tracing A.D. 536 and its Aftermath. Col: British Archaeological Reports (BAR) International. Oxford, England: Archaeopress. ISBN 978-1-84171-074-7

  33. Dark, Ken (novembro de 1999). «Jumbling old events with modern myths». British Archaeology. Consultado em 14 de julho de 2020. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2006

  34. Gao, Chaochao; Robock, Alan; Self, Stephen; Witter, Jeffrey B.; Steffenson, J. P.; Clausen, Henrik Brink; Siggaard-Andersen, Marie-Louise; Johnsen, Sigfus; Mayewski, Paul A. (2006). «The 1452 or 1453 A.D. Kuwae Eruption Signal Derived from Multiple Ice Core Records: Greatest Volcanic Sulfate Event of the Past 700 Years» (PDF). Journal of Geophysical Research. 111: 11. Bibcode:2006JGRD..11112107G. doi:10.1029/2005JD006710

  35. Thorvaldur Thordarson e Ármann Höskuldsson. «Postglacial volcanism in Iceland» (PDF) (em inglês). Consultado em 2 de setembro de 2014

  36. «Íslensk eldfjöll (Vulcões da Islândia (em islandês). The Icelandic Web Archive. Consultado em 19 de setembro de 2016

Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page