top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

A Dinastia Paleóloga - A última Dinastia do Império Bizantino - parte 2

Atualizado: 1 de nov. de 2023

A Casa dos Paleólogos é última e mais longa dinastia governante na história do Império Bizantino . Seu governo como imperadores e autocratas dos romanos durou quase duzentos anos, de 1259 até a Queda de Constantinopla em 1453.


Os Paleólogos eram, originalmente, pequenos membros da nobreza oriundos da Macedónia. O primeiro Paleólogo a figurar nos registos históricos é Jorge Paleólogo, um amigo de Aleixo I Comneno, mas desconhecem-se os seus antepassados.

Acredita-se que a etimologia de seu nome de família seja "trapos" pelo bizantinista soviético-americano Alexander Kazhdan, possivelmente referindo-se a origens humildes, enquanto o bizantino francês Jean-François Vannier acredita que a etimologia correta seja "colecionador de antiguidades".


Depois da Quarta Cruzada, membros da família fugiram para Niceia, e vieram a controlar o império que se reestruturou com base nessa cidade. Miguel VIII Paleólogo tornou-se imperador em 1259 e retomou Constantinopla em 1261.


Para entender melhor esse artigo leia primeiro a parte 1. clicando na imagem abaixo:


É mais provável que eles tenham se originado significativamente mais tarde na Anatólia desde o mais antigo membro conhecido da família, possivelmente seu fundador, Nicéforo Paleólogo, serviu como comandante lá na segunda metade do século XI.

Quando Constantinopla caiu para a Quarta Cruzada em 1204, os paleólogos fugiram para o Império de Niceia , um estado sucessor bizantino governado pela família Laskaris , onde continuaram a desempenhar um papel ativo e ocuparam muitos cargos de alto escalão.

Os seus descendentes governaram o império até à queda de Constantinopla em 1453, tornando-se na mais duradoura das dinastias bizantinas.

Em 1259, Miguel VIII Paleólogo tornou-se co-imperador do jovem João IV Laskaris por meio de um golpe e em 1261, após a reconquista de Constantinopla do Império Latino , João IV foi deposto e cegado. Os sucessores de Miguel governaram o Império Bizantino em seu ponto mais fraco da história, e grande parte do período Paleólogo foi uma época de declínio político e econômico, em parte devido a inimigos externos como os búlgaros , sérvios e turcos otomanos, e em parte devido às frequentes guerras civis entre membros da família Paleólogo.


O lema da família era "Βασιλεὺς Βασιλέων Βασιλεύων Βασιλευόντων" (Basileus Basileon, Basileuon Basileuonton) ("Rei de reis, governando os governantes").


A bandeira da marinha Paleologi, que foi usada desde o século XIV até a queda do Império Bizantino .

Devido às suas alianças matrimoniais com famílias do Ocidente, os Paleólogo foram a primeira família imperial a ter brasões e divisas no sentido ocidental; utilizavam quer a águia bicéfala negra em campo de ouro, quer esquartelado, em campo de gules (vermelho), quatro ""BB" de ouro, vide imagem acima.


Imperadores da dinastia paleóloga

  1. Miguel VIII Paleólogo

  2. Andrónico III Paleólogo, filho de Miguel VIII

  3. Miguel IX Paleólogo, coimperador, filho de Andrónico II

  4. Andrónico III Paleólogo, filho de Miguel IX

  5. João V Paleólogo, filho de Andrónico III (contestado por João VI Cantacuzeno), parente, pelo lado materno, dos Paleólogos

  6. Andrónico IV Paleólogo, filho mais velho de João V

  7. João VII Paleólogo, filho de Andrónico IV

  8. Andrónico V Paleólogo, co-imperador, filho de João VII

  9. Manuel II Paleólogo, filho mais novo de João V

  10. João VIII Paleólogo, filho mais velho de Manuel II

  11. Constantino XI Paleólogo, outro filho de Manuel II

Seu domínio do império continuou até 1453, quando o sultão otomano Mehmed, o Conquistador , conquistou Constantinopla e o último imperador paleólogo, Constantino XI Paleólogo, morreu na defesa da cidade


Durante seu governo como imperadores, os paleólogos não eram muito queridos por seus súditos, principalmente por causa de sua política religiosa.


As repetidas tentativas dos imperadores de reunir a Igreja Ortodoxa Grega com a Igreja Católica Romana, e assim colocar a igreja bizantina em submissão ao papado , foi visto como heresia e traição. Embora Constantino XI tenha morrido em comunhão com Roma (e, portanto, como um "herege"), sua morte na batalha contra os otomanos, defendendo Constantinopla, fez com que os gregos e a Igreja Ortodoxa se lembrassem dele como um herói, redimindo a opinião popular da dinastia como um inteira.


O papel dos paleólogos como a última dinastia cristã a governar as terras gregas também concedeu a eles uma lembrança mais positiva entre os gregos durante o período do domínio otomano.


Relações dinásticas

Igreja grega na atualidade, com a bandeira deste país e a bandeira com a águia bicéfala em fundo amarelo, hoje usada pela Igreja Ortodoxa.


O Império Bizantino restaurado pelos Paleólogos era muito débil quando comparado com o império pré-1204, pelo que os imperadores desta dinastia não se puderam dar ao luxo do "isolamento dourado" em que o império se mantivera anteriormente.


Os paleólogos governaram Bizâncio em seu ponto mais fraco da história, e o império passou por um declínio econômico e político significativo. Mesmo neste estado, o império, famoso por suas frequentes guerras civis, não conseguiu se manter unido.


O futuro Miguel VIII Paleólogo casou-se com os Ducas Vatatzes, parentes da família Vatatzes Láscaris, de modo a consolidar a sua posição no Império de Niceia.


Irene Paleóloga, irmã de Miguel VIII e filha de Andrónico Ducas Comneno Paleólogo e de Teodora, foi mãe de Maria Cantacuzena, que se casou com Constantino Tico da Bulgária e, depois, com Lacanas da Bulgária.


Miguel VIII também foi o pai de Constantino, que, por sua vez, foi pai de João, que seria o sogro de Estêvão Uresis III da Sérvia.


Irene, filha de Miguel, casou-se com João Asen III da Bulgária; outra filha, Eudóxia Paleóloga, casou-se com João II da Trebizonda


Andrónico II Paleólogo casou-se com Ana da Hungria e foi o pai de Miguel Paleólogo, que faleceu antes do seu pai mas foi designado co-imperador. Este Miguel casou-se com uma princesa do Reino Arménio da Cilícia (Arménia Menor), Rita da Armênia.


O filho de Miguel IX e neto de Andrônico II tornou-se Andrónico III Paleólogo. Teodora, uma filha de Miguel IX, casou-se com líderes búlgaros, primeiro com Teodoro Esvetoslau e, posteriormente, com Miguel Sismanes.


Com a sua segunda mulher, Irene de Monferrato, Andrônico II teve Simonida Paleóloga, que viria a ser a esposa de Estêvão Milutin da Sérvia.


Andrónico III Paleólogo casou-se primeiro com uma princesa de Brunsvique, Irene de Brunsvique, que morreu sem descendência, e, em segundas núpcias, com Ana de Saboia, que descendia de Balduíno I de Constantinopla.


Foram os pais de João V Paleólogo, que foi obrigado a casar-se com Helena, filha de João VI Cantacuzeno.


De forma a obter apoio para derrubar João VI, João V deu a sua irmã, Maria, em casamento aos Gattilusio e recebeu o Ducado de Lesbos em contrapartida.


Para entender mais sobre a ilha de Lesbos e a incrível historia de Safo de Metilene.

Ver artigo clicando na imagem abaixo :


Este casal fundou a família nobre que foi continuada na aristocracia genovesa, sendo antepassados dos príncipes do Mônaco.


Andrónico IV desposou Ceratza da Bulgária. Manuel II casou-se com uma filha de uma régulo do então desmembrado Império Sérvio, Helena Dragasa. Sofia Paleóloga, filha de Tomás Paleólogo, casou-se com Ivã III da Rússia.


Em 1446, Helena, irmã mais velha de Sofia, casou-se com Lázaro II Branković, um príncipe sérvio.


Os últimos membros da linha imperial dos Paleólogos morreram no século 16, mas os descendentes da linha feminina sobrevivem até os dias atuais.

Um ramo cadete na Itália, o Paleólogo-Montferrat , governou a Marcha de Montferrat até 1536 e morreu em 1566.


Como a família era extensa antes de produzir imperadores, o nome Paleólogo foi legitimamente mantido não apenas por nobres que faziam parte da real dinastia imperial.


Como resultado, muitos refugiados bizantinos que fugiram para a Europa Ocidental após a queda de Constantinopla possuíam o nome e, para ganhar prestígio, alguns forjaram laços mais estreitos com a família imperial. as genealogiasde muitos ramos supostamente sobreviventes da dinastia imperial foram prontamente descartados como fantasia por pesquisadores modernos.


Várias linhagens de Palaialogoi não imperiais, cuja relação com os Palaiologoi medievais e entre si não são claras, sobreviveram até o período moderno e milhares de pessoas, particularmente na Grécia, ainda têm o sobrenome Paleólogo, ou suas variantes, hoje.



História política


Sob o governo dos Paleólogos, o Império Bizantino em fragmentação ainda se reclamava o herdeiro do Império Romano, embora estivesse centrado na tradição e cultura gregas.


A expressão "Helenos" tornou a ser utilizada para os Bizantinos se identificarem a si próprios, depois de ter sido um sinónimo de "pagãos" durante séculos.


A dinastia foi mecenas da literatura e das artes; Jorge Gemistos Pléton, entre outros, destaca-se. A controvérsia do Hesicasmo teve lugar durante o governo dos Paleólogos.


Nestes dias finais do império, o Peloponeso tornou-se na maior e mais rica região sob o controlo imperial, e era governado como um despotado por membros da família imperial, normalmente dois ou três dos irmãos mais novos conjuntamente.


Apesar das frequentes disputas entre déspotas, estes revelaram-se caninamente fiéis ao imperador de Constantinopla (excepto quando um ou mais deles tentavam guindar-se ao trono imperial), enquanto as suas terras estavam cercadas pelos Venezianos e pelos Otomanos hostis.


A capital do Despotado da Moreia era Mistra, uma grande fortaleza construída pelos Paleólogos perto de Esparta.


Os Paleólogos tentaram frequentemente acabar com o cisma entre as igrejas Católica e Ortodoxa, na esperança de que tal fato levaria os reinos ocidentais a apoiar os Bizantinos contra os Turcos. No entanto, todas as tentativas de reconciliação chocaram contra a feroz oposição da população.


A família tinha conexões em toda a Europa.


Eles casaram-se com famílias reais da Bulgária, da Geórgia e da Sérvia, bem como famílias nobres de Trebizonda, do Epiro, da República de Génova, Monferrato, e Moscóvia.


Alguns membros da dinastia permaneceram (e prosperaram, até certo ponto) em Constantinopla muito tempo depois da conquista otomana.
Documentos otomanos dos séculos XV e XVI identificaram fazendeiros e comerciantes chamados Comnenus bin Paleólogo, Yorgi bin Paleólogo, e Manuel Paleólogo.

Os muitos casamentos dos paleólogos com famílias bizantinas proeminentes se refletiram em sua escolha de sobrenomes, com membros anteriores da dinastia imperial usando os sobrenomes de várias das dinastias governantes anteriores para reforçar sua legitimidade.


Por exemplo, o nome completo de Miguel VIII Paleólogo era Miguel Comneno Ducas Ângelo Paleólogo.


No século 15, os imperadores bizantinos haviam perdido qualquer poder real, com os sultões otomanos se tornando cada vez mais os verdadeiros reguladores dos assuntos políticos dentro do império.

Apesar de sua submissão de fato aos otomanos, os bizantinos continuaram a agir com hostilidade contra eles.


Houve paz entre os paleólogos e os otomanos até 1421, quando Mehmed I morreu e Manuel se aposentou dos assuntos de estado, para perseguir interesses acadêmicos e religiosos.


O filho de Manuel, João VIII Paleólogo , co-imperador desde antes de 1416, ignorou a frágil paz com os otomanos e apoiou Mustafa Çelebi , um pretendente ao trono otomano, em uma rebelião contra o sucessor de Mehmed I, Murad II .


Murad derrotou a rebelião de Mustafa e sitiou Constantinopla em 1422 , embora os bizantinos o repelissem com sucesso.


Mesmo durante as últimas décadas do Império Bizantino, os paleólogos muitas vezes achavam difícil cooperar uns com os outros. Durante o reinado de Manuel II, João VIII e o filho mais novo Constantino parece ter se dado bem, mas as relações entre Constantino e os irmãos mais novos Demetrios e Thomas não eram tão amigáveis.



Selo de Andreas Paleólogo , filho de Thomas e titular 'Imperador de Constantinopla' desde a década de 1480 até sua morte em 1502


Após a morte de João VIII em junho de 1448, os candidatos ao trono eram os irmãos Constantino, Demétrio e Tomás.

Para evitar brigas internas, sua mãe Helena Dragaš, decidiu que Constantino seria o próximo imperador.

A ascensão de Constantino XI Paleólogo ao trono também foi aceita por Murad II, que agora tinha que ser consultado para qualquer nomeação.


O reinado de Constantino XI seria breve. O jovem filho e sucessor de Murad II, Mehmed II , que se tornou sultão em 1451, estava obcecado com a ideia de conquistar Constantinopla

Em um esforço para extorquir dinheiro de Mehmed, Constantino implicitamente ameaçou libertar Orhan Çelebi, primo de Mehmed e o único outro membro vivo conhecido da dinastia otomana (e, como tal, um potencial rival de Mehed), que foi mantido prisioneiro em Constantinopla.

A ameaça imprudente deu a Mehmed um casus belli e, no final de 1451, os preparativos já estavam em andamento para um novo cerco otomano a Constantinopla.


Para evitar que a ajuda chegasse de Morea, agora governada por Thomas e Demetrios, Mehmed II enviou um de seus generais,Turahan Bey (que havia invadido Morea duas vezes antes) para devastar a península.


Constantino também enviou apelos desesperados por ajuda à Europa Ocidental, embora pouca ajuda chegasse.


Após um cerco de 53 dias, a cidade finalmente caiu nas mãos dos otomanos em 29 de maio de 1453. Constantino XI morreu lutando em sua defesa.



Constantino XI Paleólogo ( r. 1449–1453), o último imperador bizantino

Após a queda de Constantinopla e a conexão com Veneza (Nobreza Negra Veneziana).


Após a queda de Constantinopla, uma das ameaças mais prementes ao novo regime otomano era a possibilidade de um dos parentes de Constantino XI obter apoio e retornar para recuperar o império. No entanto, logo ficou claro que os parentes mais próximos de Constantino, seus irmãos na Morea, representavam pouco mais do que um incômodo para Mehmed II e, portanto, foram autorizados a manter seus títulos e terras como vassalos otomanos.



Thomas Paleólogo , irmão mais novo de Constantino XI e Déspota da Moreia 1428-1460
Sob seu governo, a Moreia foi transformada em uma espécie de governo bizantino no exílio, com refugiados bizantinos de Constantinopla e outros lugares fugindo para seus tribunais, alguns até mesmo desejando proclamar Demétrio, o irmão mais velho, como o sucessor de Constantino e o novo imperador e autocrata dos romanos.

Os irmãos estavam divididos em suas políticas. Thomas manteve a esperança de que o papado ainda pudesse convocar uma cruzada para restaurar o Império Bizantino, enquanto Demetrios, provavelmente o mais realista dos dois, havia mais ou menos perdido a esperança de ajuda cristã do Ocidente e acreditava que seria melhor aplacar o conflito. Turcos.

Em janeiro de 1459, a rivalidade entre os irmãos eclodiu em uma guerra civil quando Thomas, com a ajuda de alguns dos senhores albaneses na Morea, conquistou uma série de fortalezas mantidas por Demetrios.

A guerra civil em andamento e a possibilidade de Thomas receber ajuda do Ocidente, já que ele havia proclamado a guerra contra seu irmão como uma guerra santa contra os muçulmanos, fizeram com que Mehmed invadisse Morea em 1460.

Mehmed foi vitorioso e anexou a região diretamente ao Império Otomano, acabando com o domínio paleólogo na Grécia. Demetrios se rendeu aos otomanos sem lutar e Thomas escapou para o exílio.

Demetrios viveu no Império Otomano pelo resto de sua vida, morrendo em 1470. Sua única filha, sua filha Helena, nunca se casou com o sultão nem entrou no harém do sultão , possivelmente porque o sultão temia que ela o envenenasse. Ela faleceu antes de seu pai, morrendo em 1469.


Como Veneza era a única grande potência não muçulmana no Mediterrâneo oriental, ela representava um destino atraente para os refugiados bizantinos quando o império caiu.


Numerosas pessoas com o sobrenome Paleologus são registradas em Veneza nos séculos 15 e 16, muitas servindo como stratioti (cavaleiros de armas leves mercenários de origem grega ou albanesa).

Documentos venezianos freqüentemente se referem a suas proezas "extenuantes" a serviço da República Veneziana.


Veneza se interessou pela primeira vez em contratar stratioti depois de testemunhar as proezas dos soldados gregos e albaneses na Primeira Guerra Otomano-Veneziana de 1463-1479.


Os paleólogos venezianos não eram parentes da família imperial, mas poderiam ser primos distantes. Uma das primeiras referências a Paleólogo em Veneza é uma decisão do Senado de 1479 a respeito de Teodoro Paleólogo , que recentemente provou seu valor em uma campanha no Friuli.


Theodore teve uma carreira bem documentada como estratiota .


Nascido em 1452, e provavelmente originalmente de Mystras na Morea, Teodoro era originalmente um cobrador de dívidas dos otomanos na Morea.


Em 1478, Theodore viajou para Veneza com seu pai, Paul, e tornou-se um estratiote , por seus méritos a serviço de Veneza, Theodore recebeu a ilha Cranae , embora mais tarde a tenha cedido a outra família.

Em 1495, Theodore participou de um cerco de Novara e também participou de batalhas posteriores em Savona e Cefalônia.


Devido ao seu conhecimento da língua turca, Theodore também acompanhou embaixadores venezianos em missões diplomáticas no Império Otomano, visitando Constantinopla várias vezes.


Ele morreu em 1532, sendo enterrado na igreja ortodoxa de San Giorgio dei Greci. Theodore casou-se com Maria, filha de um homem chamado Demetrios Cantacuzeno.


O fato de ele poder se casar com um membro genuíno da nobre família Cantacuzeno indica que ele possuía um certo status nobre.


Theodore foi um dos principais atores da comunidade grega em Veneza , tendo ajudado os refugiados gregos a obter permissão para construir a igreja San Giorgio dei Greci em primeiro lugar, e sua família era altamente considerada pelos habitantes locais.


Os descendentes e parentes de Teodoro viveram em Veneza e seus territórios muito depois de sua morte. Seu sobrinho, Zuanne Paleologo, e dois dos filhos de Zuanne, morreram em Chipre, lutando contra os otomanos durante o Cerco de Nicósia em 1570 naQuarta Guerra Otomano-Veneziana .


O testamento de 1570 de Demetri Paleologo, filho de Teodoro, começa com "Io Demetri Palleollogo, da Constantinopoli ...". Mais de um século se passou desde que Constantinopla, uma cidade que Demetri nunca tinha visto, caiu e ainda assim ele manteve sonhos remanescentes da cidade.


Um homem chamado Andrea Paleologo Graitzas, atestado em Veneza em 1460, supostamente tem descendentes vivos, com várias pessoas com o sobrenome Paleólogo (ou variações dele) vivendo em Atenas hoje alegando descender dele.


Alguns nobres com o sobrenome Paleólogo permaneceram na Constantinopla otomana e até prosperaram no período pós-conquista imediato. Nas décadas posteriores a 1453, os registros fiscais otomanos mostram um consórcio de nobres gregos cooperando para licitar o lucrativo distrito agrícola de impostos , incluindo Constantinopla e os portos do oeste da Anatólia.
Este grupo incluía nomes como "Palologoz de Kassandros" e "Manuel Palologoz".
Este grupo manteve contato próximo com dois vizires poderosos, Mesih Pasha e Hass Murad Pasha , ambos supostamente sobrinhos de Constantino XI Paleólogo e foram forçados a se converter ao Islã após a queda de Constantinopla,bem como com outros descendentes convertidos de famílias aristocráticas bizantinas e balcânicas como Mahmud Pasha Angelović , formando o que o otomano Halil İnalcık chamou de "facção grega" na corte de Mehmed II.


Assinatura de Hass Murad Pasha , um estadista otomano e possivelmente filho ilegítimo de um dos irmãos de Constantino XI


Paleólogos na atualidade.


Maurice Paléologue (falecido em 1944), um diplomata francês de origem romena que alegou descender da dinastia Paleólogo

Numerosas pessoas com o sobrenome Paleólogo, que vivem na ilha de Siros , na Grécia, reivindicaram historicamente a descendência de um suposto filho de Andrônico Paleólogo , um dos filhos do imperador Manuel II e déspota de Tessalônica.

Sua descendência é questionável, já que não há nenhuma evidência contemporânea sobrevivente de que Andrônico teve filhos. O fato de Andronikos sofrer de elefantíase e epilepsia e de ter morrido jovem torna improvável que ele tenha se casado e tido um filho.

Outra família que afirma descender da antiga dinastia imperial são os paleólogos da Romênia, alegando serem descendentes de um filho não atestado de Teodoro II Paleólogo, déspota de Morea, chamado Emanuel Petrus (Manuel Petros em grego). Os Paleologu também vivem em Malta e na França, sendo um dos membros mais famosos da família o diplomata francês Maurice Paléologue , que em vida afirmou repetidamente sua descendência imperial.

A ascendência do Paleologu pode ser atribuída aos gregos com o nome de Paleólogos, mas não à família imperial. No século 18, vários fanariotas (membros de famílias gregas proeminentes no Fenerquarteirão de Constantinopla) receberam cargos de governo nos principados da Valáquia e da Moldávia (antecessores da Romênia) pelos otomanos. Os fanariotas enviados para a Valáquia e a Moldávia incluíam pessoas com o sobrenome Palaiologos, ancestrais da família Paleologu.

Algumas genealogias italianas do século 17 em diante atribuem outros filhos a Thomas Paleólogo, além de Andreas, Manuel e o não verificado John. Notavelmente, estes incluem um suposto filho mais velho chamado Rogerio ou Ruggerio, supostamente nascido por volta de 1430 e enviado como refém para Alfonso, o Magnânimo de Aragão e Nápoles. Supostamente, Rogério foi o responsável por erguer a igreja do Espírito Santo , que ainda existe, em Casalsottano , um povoado da comuna italiana de San Mauro Cilento.

Rogério supostamente deixou seus dois filhos, John (Giovanni) e Angela. Giovanni supostamente recebeu Perito e Ostiglianoem Salerno e seus descendentes adotaram o nome Paleologo Mastrogiovanni (ou apenas Mastrogiovanni ) em sua homenagem.

A família Paleologo Mastrogiovanni é uma família existente na Itália, mas sua alegada história familiar deriva principalmente da tradição oral, com poucos documentos que a suportam. Nenhum dos documentos foi autenticado e há vários problemas com a reconstrução geral dos eventos e descidas.

Os pesquisadores modernos descartam a existência de Rogério como uma fantasia, dado seu primeiro nome claramente italiano, a improbabilidade de um potencial herdeiro imperial ser mantido como refém na Itália e que não há menções a tal figura nos registros bizantinos. O historiador contemporâneo George Sphrantzes , que descreveu a vida de Thomas Paleólogo em detalhes, escreveu sobre o nascimento de Andreas Paleólogo em 17 de janeiro de 1453 que o menino era "um continuador e herdeiro" da linhagem Paleóloga, uma frase que faz pouco sentido se Andreas não era o filho primogênito de Thomas.


NOTA:

Além do martírio de Constantino, a dinastia Paleólogo teve um impacto duradouro sobre os gregos ao longo dos séculos de domínio otomano, tendo sido a última família a governar terras gregas independentes.


Ainda no século 19, depois que a Guerra da Independência Grega resultou na criação de um novo estado grego independente , o governo provisório da Grécia libertada enviou uma delegação à Europa Ocidental em busca de possíveis descendentes daqueles Paleólogos imperiais que haviam escapado para exílio.


A delegação visitou lugares na Itália onde se sabia que Palaiologoi residia e chegou até a Cornualha , onde Theodore Paleologus viveu no século XVII.


A tradição local de Barbados diz que a delegação também enviou uma carta às autoridades de Barbados , perguntando se descendentes de Ferdinand Paleologus ainda viviam na ilha.


A carta supostamente pedia que, se fosse esse o caso, o chefe da família deveria ter meios de retornar à Grécia, com a viagem paga pelo governo grego.


No final das contas, a busca da delegação foi em vão e eles não encontraram encarnações vivas de seu império perdido.


BONUS: Constantino XI Tributo (Legendado PT-BR)


You'll come as a lightning, musica de Stamatis Spanoudakis.


A canção retrata a lenda de Constantino XI Paleólogo, a lenda diz que quando os Otomanos invadiram Constantinopla, um anjo o transformou em uma estátua de mármore e colocou embaixo do portão dourado, em Istambul, onde ele espera sua ressurreição para restabelecer a Constantinopla Cristã.





E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like e

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora




FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO














Bibliografia, Fontes e Referencias:


  • GIBBON, Edward. Declínio e queda do Império Romano. Edição abreviada. São Paulo: Companhia da Letras: Círculo do Livro, 1989.

  • Alföldy, Géza. Urban life, inscriptions,and mentality in late antique Rome. In Urban Centers and Rural Contexts in Late Antiquity, Thomas S. Burns and John W. Eadie (eds.). Michigan State University Press 2001. ISBN 0-87013-585-6.

  • Bowersock, Glen, Peter Brown, Oleg Grabar. Interpreting Late Antiquity: essays on the postclassical world. Belknap Press of Harvard University Press, 2001. ISBN 0-674-00598-8.

  • Brown, Peter. The Making of Late Antiquity, Harvard University Press, 1978.

  • Burns, Thomas S. Barbarians Within the Gates of Rome : A Study of Roman Military Policy and the Barbarians, ca. 375–425 A. D. Indiana University Press 1995. ISBN 978-0-253-31288-4.

  • Börm, Henning. Westrom. Von Honorius bis Justinian. Kohlhammer 2013. ISBN 978-3-17-023276-1 (Review in English).

  • Cameron, Averil. The Mediterranean World in Late Antiquity. AD 395–700. Routledge 2011, ISBN 978-0415579612.

  • Connolly, Peter. Greece and Rome at War. Revised edition, Greenhill Books, 1998. ISBN 978-1-85367-303-0.

  • Gaddis, Michael. There Is No Crime for Those Who Have Christ. Religious violence in the Christian Roman Empire. University of California Press, 2005. ISBN 978-0-520-24104-6.

  • Galinsky, Karl. Classical and Modern Interactions (1992) 53–73.

  • Gibbon, Edward. History of the Decline and Fall of the Roman Empire. With notes by the Rev. H. H. Milman. 1782 (Written), 1845 (Revised) https://www.gutenberg.org/files/25717/25717-h/25717-h.htm

  • Goldsworthy, Adrian. The complete Roman Army. ISBN 978-0-500-05124-5. Thames & Hudson, 2003.

  • Goldsworthy, Adrian. The Fall of the West: The Slow Death of the Roman Superpower. ISBN 978-0-7538-2692-8. Phoenix, an imprint of Orion Books Ltd, 2010.

  • Heather, Peter. The fall of the Roman Empire. A new history. Pan Books, 2006. ISBN 978-0-330-49136-5.

  • Halsall, Guy. Barbarian Migrations and the Roman West, 376–568 (Cambridge Medieval Textbooks)

  • Harper, Kyle. Slavery in the late Roman world AD 275–425. ISBN (hardback) 978-0-521-19861-5. Cambridge University Press 2011.

  • Hunt, Lynn, Thomas R. Martin, Barbara H. Rosenwein, R. Po-chia Hsia, Bonnie G. Smith. The Making of the West, Peoples and Cultures, Volume A: To 1500. Bedford / St. Martins 2001. ISBN 0-312-18365-8.

  • Hodges, Richard, Whitehouse, David. Mohammed, Charlemagne and the Origins of Europe: archaeology and the Pirenne thesis. Cornell University Press, 1983.

  • Jones, A. H. M. The Later Roman Empire, 284–602: A Social, Economic, and Administrative Survey [Paperback, vol. 1] ISBN 0-8018-3353-1 Basil Blackwell Ltd. 1964.

  • Letki Piotr. The cavalry of Diocletian. Origin, organization, tactics, and weapons. Translated by Pawel Grysztar and Trystan Skupniewicz. Wydawnictwo NapoleonV ISBN 978-83-61324-93-5. Oświęcim 2012.

  • Macgeorge, Penny. Late Roman Warlords. Oxford University Press 2002.

  • MacMullen, Ramsay. Corruption and the decline of Rome. Yale University Press, 1988. ISBN 0-300-04799-1.

  • Martindale, J.R. The Prosopography of the Later Roman Empire volume II, A.D. 395–527. Cambridge University Press 1980.

  • Matthews, John. The Roman empire of Ammianus. Michigan Classical Press, 2007. ISBN 978-0-9799713-2-7.

  • Matthews, John. Western aristocracies and Imperial court AD 364–425. Oxford University Press 1975. ISBN 0-19-814817-8.

  • Momigliano, Arnaldo. 1973. "La caduta senza rumore di un impero nel 476 d.C." ("The noiseless fall of an empire in 476 AD"). Rivista storica italiana, 85 (1973), 5–21.

  • Nicasie, M. J. Twilight of Empire. The Roman Army from the reign of Diocletian to the Battle of Adrianople. J. C. Gieben, 1998. ISBN 90-5063-448-6.

  • Randsborg, Klavs. The First Millennium AD in Europe and the Mediterranean: an archaeological essay. Cambridge University Press 1991. ISBN 0 521 38401 X.

  • Rathbone, Dominic. "Earnings and Costs. Part IV, chapter 15", pages 299–326. In: Quantifying the Roman Economy. Methods and Problems. Alan Bowman and Andrew Wilson eds. Oxford University Press 2009, paperback edition 2013, ISBN 978-0-19-967929-4.

  • Ward-Perkins Bryan. The fall of Rome and the end of civilization. Oxford University Press 2005 (hardback edition). ISBN 978-0-19-280728-1



Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page