top of page
  • Foto do escritorEdson Almeida

Ameríndios e a Proposital Alteração da Floresta Amazônica há 3.500 Anos.


Uma equipe de pesquisadores da Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) revelou os resultados de um novo estudo esclarecedor sobre as práticas de uso da terra de pessoas que viveram na floresta amazônica mais de 3.500 anos atrás. Suas conclusões contradiziam a teoria anterior de que os antigos amazônicos haviam influenciado pouco a geologia do local.

De acordo com o UCF Today , os pesquisadores da University of Central Florida, nos Estados Unidos, e da Northumbria University, no Reino Unido, descobriram dados fascinantes sobre como os amazônicos durante a era pré-colombiana alteraram sua paisagem. Suas pesquisas demonstraram que os antigos amazônicos usavam e manejavam diversas ferramentas, além de tomar medidas para aumentar a produtividade de suas atividades agrícolas e pesqueiras.

Para saber mais sobre o uso antigo da terra, os cientistas analisaram amostras de solo retiradas da região de Llanos de Mojos, no nordeste da Bolívia. Eles cavaram 1,5 m de profundidade na terra, para extrair essas amostras que os levaram de volta vários milhares de anos no tempo.

Durante a análise, eles detectaram mudanças no conteúdo e nas características do solo que não puderam ser atribuídas apenas a processos naturais. Isso significa que os povos antigos da Amazônia alteraram intencional e significativamente sua paisagem, de maneiras que são mais comumente associadas a práticas modernas de manejo integrado da terra.


Pesquisadores que trabalham em Llanos de Mojos, na Bolívia, extraíram dois núcleos de terra de um metro e meio de dois locais diferentes para entender o antigo uso da terra pelos amazônicos.

A equipe concluiu que os amazonenses realizaram essas atividades em um momento em que o clima estava mudando e se tornando mais quente e úmido. Essas estratégias, em alguns casos, foram projetadas para tirar proveito das mudanças climáticas e, em outros casos, para compensar seus efeitos problemáticos.

"É muito raro conseguir evidências de como no passado as pessoas administravam suas terras e recursos hídricos em um sistema organizado", explicou Bronwen Whitney, professor associado de geografia e ciências ambientais da Universidade de Northumbria, que liderou o Reino Unido equipe de pesquisa baseada. A intensificação do manejo da planta, do fogo e da água ocorreu ao mesmo tempo, o que enfatiza como a agricultura ou a pesca eram igualmente importantes para os povos da região.

Estudos anteriores já haviam encontrado evidências de alteração das terras na Amazônia, mas até agora acreditava-se que essas atividades teriam ocorrido muito mais perto dos tempos modernos, começando não antes do ano 300 e.c., apenas 1.700 anos atrás, e como vimos, não foi bem assim.

Este novo projeto de pesquisa foi mais aprofundado e intensivo do que os estudos anteriores e provou que a linha do tempo anterior não era nem de longe precisa. A nova evidência sugere que as pessoas no sudoeste da Amazônia começaram a modificar seu ambiente natural há pelo menos 3.500 anos, e provavelmente antes disso.

Em uma amostra central, vestígios de carvão foram encontrados em uma camada de terra com mais de 6.000 anos. A datação por c.14 foi realizada no carvão e o resultado foi aproximadamente aproximadamente 4.100 a.e.c. Depósitos de carvão mais concentrados foram encontrados em uma camada que data de cerca de 1.500 a.e.c., e os pesquisadores acreditam que esta última pode estar mais definitivamente ligada à atividade humana.

Uma vez que análises posteriores mostraram que o clima estava ficando mais úmido ao mesmo tempo em que os depósitos de carvão estavam ficando mais espessos, os incêndios naturais são uma explicação improvável neste caso. Os sinais mais definitivos da prática agrícola são os restos de 14.000 "campos elevados" que foram encontrados espalhados pela região de Llanos de Mojos. Nos tempos antigos, os campos elevados eram necessários para evitar inundações, que se tornaram cada vez mais comuns à medida que os níveis de chuva aumentavam e as zonas húmidas se expandiam.

O paleobotânico e principal autor, Neil Duncan (à esquerda) e o coautor do estudo John Walker (à direita), concluíram que há 3.500 anos os amazônicos estavam de fato modificando sua paisagem circundante.

As amostras do núcleo revelaram vestígios de partículas microscópicas de sílica produzidas por plantas de milho e abóbora, algumas das quais datadas de 1.380 a.e.c.

Essas são as culturas que teriam sido cultivadas nos campos elevados, começando pelo menos 2.000 anos antes de os europeus chegarem às Américas.

As práticas de gestão de água das pessoas também foram parcialmente uma resposta às mudanças climáticas. As condições húmidas encorajaram o crescimento das culturas, criando assim um ambiente favorável para a agricultura.

Mas a água também teve que ser drenada dos campos que estavam inundados após fortes chuvas ou enchentes. A água precisava ser desviada das áreas onde as pessoas viviam, para garantir que suas casas fossem mantidas seguras e secas, e foi o que eles fizeram.

Uma das descobertas mais fascinantes na área foram os restos de muitos açudes de peixes. Essas armadilhas subaquáticas eram comumente distribuídas nas margens dos pântanos de Llanos de Mojos, onde os peixes nadando podiam ser agrupados em áreas cercadas para facilitar a colheita. Este avançado sistema de aquicultura destaca o quão inovador e inventivo era o povo da antiga Amazônica.

Apesar das novas revelações, os pesquisadores ainda têm muito a aprender sobre os povos que ocuparam o sudoeste da Amazônia na antiguidade. Esta região tem uma das maiores diversidades de idiomas do mundo, o que reflete modos de vida distintos e herança cultural. Sabemos algo sobre os últimos 3.000 - 4.000 anos, digamos, da Europa ou do Mediterrâneo, mas não temos tantas dessas mesmas informações para as pessoas daqui.

No futuro, os pesquisadores planejam investigar completamente a função e a história dos açudes de peixes da região. Eles também querem aplicar as mais recentes técnicas de datação aos campos elevados e outras obras de terraplenagem, para ajudar a revelar mais detalhes sobre a antiga história agrícola da área. Embora a influência europeia na América Central e do Sul fosse profunda, muito antes de estrangeiros chegarem à Amazônia , os amazônicos desenvolveram suas próprias culturas únicas com base em adaptações aos ambientes (em constante evolução) em que viviam.

Graças a este estudo arqueológico da Amazônia , os pesquisadores concluíram que os amazônicos criaram seus próprios sistemas de manejo da natureza que incluíam elementos ativos e passivos. Embora seus sistemas fossem mais sustentáveis ​​e menos exploradores do que o modelo europeu, eles ainda encorajavam uma significativa manipulação humana da paisagem para promover maior segurança alimentar e melhorar as chances de sobrevivência.

Como vimos, não precisamos de extraterrestres, gigantes ou tecnologias desconhecidas para reescrever a história, ela está sendo reescrita diariamente, a cada nova descoberta, evidência e comprovação apresentada.

Fonte:

Proceedings of the National Academy of Sciences - Pre-Columbian Management and Control of Climate-driven Floodwaters Over 3,500 years in Southwestern Amazonia.


A História e a arqueologia são cheias de hipóteses alternativas e mirabolantes.


Quer saber quais mais já foram desmistificadas? Que tal aprender o que realmente era a tão famosa "Bolsa Anunnaki"?


Para saber mais, adquira meu e-book em:


Conheça minha página @Contextologia no Instagram, onde compartilho minhas pesquisas e artigos na área da História, Arqueologia, Filologia Desmistificação e outros.




Comentários


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page