top of page
  • Foto do escritorEdson Almeida

Decodificação de Línguas Mortas

Atualizado: 1 de nov. de 2023


Uma língua morta é uma língua que já não é mais falada como língua principal em uma região, ou que não é mais falada em nenhuma parte do mundo. Exemplos de línguas mortas incluem o latim, o sumério e o egípcio antigo. Apesar de não serem mais faladas, essas línguas ainda possuem valor histórico e cultural, e são estudadas e decodificadas por linguistas e historiadores em todo o mundo.

Isso é importante para entender a história e a cultura de civilizações passadas, além de ajudar na compreensão de como as línguas evoluem e mudam ao longo do tempo. Então, como essas línguas mortas são decodificadas? Existem várias maneiras de se fazer isso, dependendo da língua em questão e dos recursos disponíveis.

A decodificação de uma língua morta começa com o estudo da língua em si. Em muitos casos, a única fonte de informação sobre uma língua morta são os textos que foram escritos na época em que ela era falada, e isso também envolve inscrições em monumentos ou objetos antigos. Com base nesses registros, os linguistas começam a estudar a estrutura da língua, incluindo sua gramática, vocabulário e sintaxe.

Outra abordagem para decodificar uma língua morta é compará-la com outras línguas que ainda são faladas, ou até que também são línguas mortas, mas já foram decodificadas. Muitas línguas mortas têm parentesco com línguas modernas, o que significa que elas compartilham algumas características em comum. Ao comparar a língua morta com outras línguas relacionadas, os estudiosos podem identificar semelhanças e diferenças na gramática, vocabulário e estrutura da língua, como é o casado do Árabe, que ajudou a decifrar a língua assíria.

Mural Assírio do Palácio sem Rivais - Cuneiforme Assírio.

Um dos principais desafios na decodificação de uma língua morta é que não há falantes nativos para ajudar a esclarecer o significado das palavras ou a pronúncia correta. Para superar isso, os linguistas usam uma variedade de técnicas, como a comparação entre a análise de contextos históricos e culturais para determinar o significado de algumas palavras mais "raras".

Outra técnica comum usada na decodificação de línguas mortas é a reconstrução de palavras. Isso envolve a análise de sílabas já identificadas e padrões reconhecidos entre estas sílabas, então, cria-se um panorama de repetição e comparação com sílabas semelhantes tanto na mesma, quanto em outras línguas relacionadas (se houver). A partir disso, os linguistas podem determinar a pronúncia correta e o significado das palavras, bem como reconstruir frases e até mesmo histórias inteiras.

Um dos exemplos mais conhecidos de uma língua morta decodificada é o latim. Embora o latim tenha sido substituído pelo italiano, espanhol, francês e outras línguas românicas modernas, ainda é estudado e ensinado em muitos países ao redor do mundo. A decodificação do latim foi possível graças a uma variedade de fontes, incluindo textos escritos, inscrições em pedra, comparação com outras línguas românicas e outras disciplinas.

Texto em Laltim Antigo - Oração de São Miguel

Outro exemplo de língua morta que foi decodificada com sucesso é o egípcio antigo. Grande parte dos hieróglifos, a escrita usada pelos antigos egípcios, foram decifrados no século XIX pelo linguista francês Jean-François Champollion. Ele usou a Pedra de Roseta, um antigo texto egípcio que apresentava a mesma mensagem em três línguas diferentes, incluindo o grego antigo, que era conhecido na época. Isso permitiu que Champollion comparasse as palavras e frases nas diferentes línguas e decodificasse os hieróglifos.

Pedra de Roseta Egípcia

Todas a línguas mortas que temos decodificadas e traduzidas atualmente passaram por processos de decodificação que envolviam estes métodos citados, bem como outros. O Sumério e o Acadiano por exemplo, tem sua escrita bem registrada e decodificada hoje em dia, por conta de uma "pedra roseta mesopotâmica, a chamada Pedra de Behistun, que ajudou a identificar tais línguas, bem como o persa e o elamita.

As línguas mortas são importantes para a compreensão da história e da cultura de uma região. Elas podem revelar informações sobre práticas religiosas, políticas e sociais de civilizações antigas, bem como sobre a evolução da linguagem ao longo do tempo.

Em resumo, a decodificação de uma língua morta envolve uma variedade de ferramentas e técnicas de estudo de textos e registros antigos, a comparação com outras línguas conhecidas e a análise de contextos históricos e culturais. Apesar dos desafios que a falta de falantes nativos pode trazer, os linguistas tem conseguido decifrar e traduzir línguas mortas há séculos, e com o avanço da tecnologia, isso ficará cada vez mais fácil.

Bibliografia

Coulter H. George - How Dead Languages Work


Caso você tenha interesse em aprender mais detalhes sobre este tema, indico o meu último e-book: A verdadeira "Bolsa" Anunnaki, onde explico e comprovo com imagens de achados arqueológicos e historiografia o que realmente era esse item e o que ele representava, bem como a descrição bem mais completar destes seres e seus mitos.

Siga minha página: @Contextologia no Instagram, onde publico pesquisas e curiosidades históricas.


Comentários


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page