top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

RMS TITANIC: NAUFRÁGIO SOB ENCOMENDA

Atualizado: 1 de nov. de 2023

Antes de ler esse artigo, é importante que leia o artigo publicado anteriormente - SISTEMA FEDERAL RESERVS E A GOVERNANÇA DO MUNDO.


Também leia os artigos sobre o IMPÉRIO BRITANICO, principalmente as partes 3 e 4 !!!!


Nesse artigo, vamos falar sobre o R.M.S. Titanic, navio considerado na época com o maior navio transatlântico do mundo e de propriedade da empresa White Star Line e que naufragou nas águas geladas do Atlântico Norte, quando em sua viagem inaugural entre Southampton - Inglaterra e Nova York.


RMS SIGNIFICA "Royal Mail Steamer" ou "(Vapor ou Navio do Correio Real), que indica que esse navio era utilizado também para o transporte das correspondências do Correio Real Britânico."

Logotipo da White Star Line

A White Star Line foi uma companhia de navegação britânica. Fundada a partir dos restos de uma extinta empresa de pacotes, gradualmente se tornou uma das linhas de navegação mais proeminentes do mundo, fornecendo serviços de passageiros e carga entre o Império Britânico e os Estados Unidos.


Enquanto muitas outras companhias de navegação se concentravam principalmente na velocidade, a White Star marcou seus serviços concentrando-se mais em fornecer passagens confortáveis para viajantes de classe alta e imigrantes.


Hoje, é lembrada pelo inovador navio Oceanic e pelas perdas de alguns de seus melhores navios de passageiros, incluindo o naufrágio do Atlantic em 1873, o naufrágio da Republic em 1909, a perda do Titanic em 1912 e o naufrágio do HMHS Britannic em tempo de guerra. em 1916.

A White Star Line em um projeto ambicioso, projetou uma família de transatlânticos, ainda maiores para suplantar a sua concorrente; a Cunard Line, que havia lançado ao mar os maiores transatlânticos até o momento. Eram eles, o Lusitania e o Mauretania.


Nascia então a classe Olympic, originalmente projetada para ser dois navios, o Olympic e o Titanic, e posteriormente um terceiro, o Gigantic (renomeado para Britannic para evitar comparações com o Titanic após o naufrágio).


Quadro comparativo de tamanho do Titanic com outros veículos marinhos, terrestres e aéreos modernos

Titanic ( a esquerda ) e o Olimpic ( a direita )
As propagandas da época divulgavam através de planfletos que o Titanic era classificado como “inafundável”, devido a tecnologia implementada que eram às câmaras semi-estanques que permitiriam ao navio navegar com segurança mesmo com quatro seções inundadas.

Características do Titanic


O navio possuía 269 metros de comprimento, 28 metros de largura máxima e altura aproximada de 53 metros. A capacidade de carga do RMS Titanic era de 46.328 toneladas, chegando a 52 toneladas quando carregado. Durante a primeira e única viagem realizada pelo navio, somente as bagagens pesavam aproximadamente 900 toneladas. Quanto ao transporte, o Titanic podia comportar mais de 3,3 mil pessoas entre passageiros e membros da tripulação."


"Uma das salas de jantar no interior do RMS Titanic. O navio contava com quatro restaurantes."

Um dos principais aspectos do interior do RMS Titanic era o luxo, e o espaço contava com uma decoração muito rica em ornamentos. O navio era composto por 840 cabines, sendo 416 na primeira classe, 162 na segunda classe e 262 na terceira classe.


Entre as instalações presentes no RMS Titanic, encontravam-se:

  • restaurantes;

  • bibliotecas e salas de leitura;

  • piscinas no convés e reservadas (algumas aquecidas, destinadas à primeira classe);

  • ginásio (ou quadra);

  • salão de jogos;

  • barbearias;

  • elevadores (quatro no total).

Estima-se que o custo da construção do RMS Titanic tenha sido de 7,5 milhões de dólares à época. Considerando que o navio foi finalizado em 1911, o valor nos dias atuais, corrigido de acordo com a inflação, seria de mais de 234 milhões de dólares."

Além disso, o gigante Titanic, expressava a alta tecnologia em engenharia naval da época, e representava a sociedade época. Isso porque as suas instalações eram divididos em três classes de acomodações uma para cada classe social, sendo impossível haver a mistura de uma classe para outra diretamente, não ser por permissão exclusiva pela tripulação pois era necessário acessar as áreas técnicas para ter acesso à outra classe.

Havia também, corredores exclusivos para cada classe com passagens ocultas aos passageiros, pois por essas passagens ocultas circulavam os trabalhadores tripulantes do navio imundos de graxa, carvão e suor.


O Titanic era um projeto de ser um navio de segregação social.

Quando partiu para o oeste pelo Atlântico, estava transportando 892 tripulantes e 1 320 passageiros. Esta era apenas cerca de metade de sua capacidade de passageiros de 2 435, pois era a baixa temporada e o embarque no Reino Unido foi interrompido por uma greve dos mineradores de carvão.


Seus passageiros eram uma mistura da sociedade Eduardiana, de milionários tais como John Jacob Astor e Benjamin Guggenheim, até imigrantes pobres de países tão dispersos como Armênia, Irlanda, Itália, Suécia, Síria e Rússia buscando uma vida nova na América.



CURIOSIDADE FATAL:


As passagens ocultas contribuíram decisivamente para o naufrágio, já que vários destes corredores e passagens corriam por cima das câmaras semi-estanques sem que houvessem comportas estanques que pudessem lacrá-los.

Alguns deles passavam a apenas 3 metros acima da linha d´água, permitindo que a água que havia inundado uma câmara, atingisse outra seca e assim sucessivamente.


Veja a simulação em CGI 3D feita pela National Geographic sobre o processo de naufrágio do RMS TITANIC provocado pelas câmaras semi-estanques, conforme explicado acima.



Vídeo que mostra parte dos destroços RMS TITANIC onde se pode ler "TITANIC"

Entre a noite de 14 de abril e a madrugada de 15 de abril de 1912, naufragava o RMS TITANIC, duas horas e quarenta minutos depois, às 02h20 (05h18 GMT) na segunda-feira, 15 de abril, resultando na morte de 1 496 pessoas, transformando-o em um dos desastres marítimos mais mortais.


Rota da viagem inaugural do Titanic de Southampton até Nova Iorque, e o ponto onde naufragou marcado em amarelo

Mesmo após ter recebido seis avisos de mar com gelo em 14 de abril, o RMS TITANIC perto da velocidade máxima; quando seus vigias avistaram o iceberg, era tarde demais.


O oficial William Murdoch ordenou que virasse o leme todo para estibordo na tentativa de desviar do iceberg mas sem sucesso. O navio colidiu com o iceberg danificando provavelmente seis ou sete compartimentos estanques, indo a pique nas aguas gélidas do Atlântico Norte.


Descobriu-se que o leme do Titanic fora projetado muito pequeno para o tamanho e peso do navio.

Leme do Titanic: peça enorme, porém desproporcionalmente pequena para o porte do navio

Com o navio avançando rápido, caso os hélices estivessem parados, a passagem da água por eles antes de chegar ao leme o tornaram ineficiente para a manobra por causa da turbulência. Caso as máquinas estivessem em reversão total, o leme se situa na zona turbulenta e de baixa pressão entre o fluxo de água no sentido de proa a popa normal do deslocamento do navio, em oposição ao fluxo inverso promovido pelos hélices, e novamente temos uma menor eficiência do leme.


As simulações apontam que se tivessem feito exatamente o contrário da lógica, e comandado toda força à frente, o leme ganharia artificialmente eficiência e tirado o navio do acidente.



A proximidade do leme e dos hélices comprometiam a eficiência de manobra do navio

Outra possibilidade, porém assumindo muitos riscos, seria manter as máquinas em reversão total e deixar o navio colidir de frente com o iceberg. Isto teria afetado apenas a primeira e talvez a segunda seção semi-estanque, e o navio seguiria seu curso avariado, porém seguro.


O Titanic tinha uma grave falha conceitual de segurança. Seu casco simples era como a casca de um ovo separando a água do mar do seu interior seco, tendo de segurar uma pressão muito alta. Caso fosse avariado, o vazamento encheria as câmaras semi-estanques sem opção de reparo, e o casco avariado por um raspão poderia se romper com a pressão, como foi realmente verificado anos depois, com a descoberta dos restos do naufrágio.


Hoje, para evitar os problemas de colisão do Titanic, os projetistas navais usam o recurso de casco duplo, ou literalmente um casco por dentro do outro, de tal sorte que, caso o casco principal seja afetado em uma colisão, o segundo, interno, permaneça incólume e o navio, seguro.


Casco duplo: dupla proteção em caso de colisão

Os destroços do RMS Titanic foram localizados 73 anos após o naufrágio. A descoberta aconteceu em 1º de setembro de 1985, e foi feita pelos oceanógrafos Jean-Louis Michel e Robert Ballard. Os remanescentes do transatlântico se encontram a 3800 metros de profundidade e estão em avançado estado de deterioração causado pelo sal marinho, responsável pelo processo de corrosão das peças, e pelas colônias de bactérias que consomem ferro e que se instalaram nos destroços."


Cerca de uma década após o acidente, alguns engenheiros começaram a lançar suspeitas sobre a qualidade do material empregado na construção do casco do Titanic. Tais suspeitas foram rebatidas pela White Star Line e pelo estaleiro onde o navio fora construído. Como não haviam provas materiais, estas suspeitas não passaram deste ponto.

Assim, quando o Titanic afundou, mais de mil passageiros e a tripulação ainda estavam a bordo. Quase todos aqueles que pularam ou caíram na água, afundaram ou morreram em minutos devido aos efeitos da hipotermia.

O navio de passageiros britânico Carpathia registrou os pedidos de socorro do Titanic, quando navegava a cerca de 93 km de distância. Desviou sua rota e chegou ao local por volta de uma hora e meia depois do naufrágio, resgatando os últimos sobreviventes por volta das 9h15 de 15 de abril, quase nove horas e meia após a colisão.

O desastre causou indignação generalizada pela falta de botes salva-vidas, regulamentos negligentes e o tratamento desigual das três classes de passageiros durante a evacuação. Os inquéritos subsequentes recomendaram alterações radicais nos regulamentos marítimos, levando ao estabelecimento em 1914 da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar (SOLAS em inglês), que ainda hoje regulamenta a segurança marítima.


Durante 14 de abril de 1912, os operadores de rádio do Titanic receberam seis mensagens de outros navios avisando sobre gelo à deriva, os quais os passageiros no Titanic começaram a notar durante a tarde.

A condição do gelo no Atlântico Norte era a pior em qualquer mês de abril nos 50 anos anteriores (razão pela qual os vigias desconheciam que estavam prestes a entrar em uma área de gelo à deriva com vários quilômetros de largura e de comprimento)


Enquanto o Titanic se aproximava de sua colisão fatal, a maioria dos passageiros tinha ido para a cama e o comando da ponte tinha passado do Segundo Oficial, Charles Lightoller para o Primeiro Oficial William Murdoch.

Os vigias Frederick Fleet e Reginald Lee estavam ocupando o cesto da gávea, 29 metros acima do convés.

A temperatura do ar tinha caído quase ao congelamento e o oceano estava completamente calmo.

O Coronel Archibald Gracie, um dos sobreviventes do desastre, posteriormente escreveu que "o mar parecia vidro, tão suave que as estrelas estavam claramente refletidas".


É agora sabido que águas extremamente calmas são um sinal de campo de gelo próximo.


Durante a viagem, o Titanic recebeu muitas mensagens de icebergs de diversos navios pelos quais passavam, via telegrafia luminosa, obrigando o capitão Smith a traçar uma rota mais ao sul, onde acreditava não encontrar icebergs.


O iceberg entortou as chapas, arrebentando rebites e danificando uma seqüência de compartimentos. Ao contrário da suposição generalizada, o iceberg não rasgou o casco

As conclusões do inquérito indicam que o dano se estendeu por cerca de 91 metros e, portanto, muitos escritores subsequentes seguiram esta declaração.

Pesquisas recentes dos destroços com ultrassom descobriram que o dano consistiu de seis estreitas aberturas em uma área do casco cobrindo apenas cerca de 1,1 to 1,2 m² no total. De acordo com Paul K. Matthias, que fez as medições, o dano consistiu em uma "série de deformações no lado de estibordo que começam e param ao longo do casco, cerca de três metros acima do fundo do navio"


Os intervalos, o mais longo com 12 metros de comprimento, parecem ter seguido a linha das chapas do casco. Isso sugere que os rebites de ferro ao longo das costuras da placa pularam ou abriram-se para criar lacunas estreitas através das quais a água entrou.


3 milhões de rebites na estrutura do Titanic

Com a baixa qualidade do material do casco submetido à baixa temperatura do oceano, os danos iniciais e posteriores à colisão do navio com o iceberg foram em muito agravados. Com a colisão e depois, conforme o navio afundava pelo alagamento das primeiras câmaras semi-estanques, a pressão da água sobre as chapas e rebites aumentava nas câmaras ainda secas. Muitos rebites não resistiram e partiram, e chapas se deformaram como folhas de papel diante da pressão da água.



Rebites recuperados do Titanic: deformações e falhas visíveis

Diagrama comentado do RMS Titanic que mostra a disposição das anteparas. As áreas com danos são mostradas em verde. Os compartimentos na área de motores na parte inferior do navio são mostradas em azul. A menor escala de unidade é 3 metros e seu comprimento total é 120 metros

Animação mostrando a sequência de eventos do naufrágio do Titanic

Sem binóculos à mão


Na fatídica noite de 14 de abril, o marinheiro Frederick Fleet estava de vigia. Ele era um marinheiro experiente que velejava desde os 12 anos de idade. Diz-se que estava muito frio na cabine de comando naquela noite, quando Fleet viu uma massa escura na água – o primeiro avistamento do iceberg – e relatou o perigo a seus superiores. O primeiro oficial respondeu prontamente, mas era tarde demais.

Fleet sobreviveu ao desastre e mais tarde declarou que não tinha binóculos. Os binóculos estavam em um armário trancado, e as chaves haviam sido deixadas com um oficial que não estava a bordo do navio. Parte da tripulação havia sido substituída pouco antes da primeira travessia do Atlântico, e esse oficial estava entre os substituídos. Ele deve ter esquecido de deixar a chave no navio.


Houve ainda toda uma série de enganos e complicações que agravaram o acidente, como a posição transmitida pelo radiotelegrafo na mensagem de socorro, errada em 16 quilômetros sobre a posição real.



Se havia algo que tornasse tão grande o orgulho humano em 1912, este algo seria o Titanic. E ele afundou logo em sua primeira viagem, matando 1.500 pessoas, muitas das quais da alta sociedade americana e europeia.

Se o Titanic fosse um navio qualquer e tivesse afundado com 1.500 imigrantes pobres, certamente não teria causado tanta comoção na época, nem teria se tornado a lenda que se tornou.

As pessoas, acreditando em seus pequenos mundos pessoais, seguros, confortáveis, de repente se viram confrontadas com o potencial de morte do mundo real, qualquer que fosse sua classe social.


Pedido de socorro enviado por volta de 01:40 pelo operador de rádio do Titanic, Jack Phillips, ao navio russo SS Birma. Esta foi uma das últimas mensagens inteligíveis do Titanic

A confiança era tanta na segurança do Titanic que a White Star Line decidiu instalar apenas 16 botes no navio, o mínimo exigido para um navio de seu porte. Porém estes botes ofereciam capacidade de salvamento para apenas a terça parte das pessoas previstas a bordo.


🤔


O financista da White Star J. P. Morgan e Milton S. Hershey, fundador da fabricante de chocolates Hershey's, fizeram planos para embarcar na viagem inaugural do navio, mas cancelaram no último minuto.

Alguns dos homens mais ricos do mundo estavam a bordo do Titanic para sua viagem inaugural, vários dos quais, incluindo OS QUE SE OPUNHAM à criação de um banco central dos Estados Unidos .


John Jacob Astor IV (13 de julho de 1864 - 15 de abril de 1912) foi um magnata americano, incorporador imobiliário, investidor, escritor, tenente-coronel na Guerra Hispano-Americana e um membro proeminente da família Astor (A família Astor alcançou destaque nos negócios , na sociedade e na política nos Estados Unidos e no Reino Unido durante os séculos XIX e XX. Com raízes ancestrais nos Alpes italianos e suíços, os Astors se estabeleceram na Alemanha, aparecendo pela primeira vez na América do Norte no século 18 com John Jacob Astor , uma das pessoas mais ricas da história )


BUSSINESS ATUAIS DA FAMILIA ASTOR

  • American Fur Company

  • Apartamento Astor Court

  • Taberna Cabeça de Touro

  • Banco Nacional Gallatin

  • Hotel Nova Holanda

  • John Jacob Astor & Company

  • Ferrovia Mohawk & Hudson

  • Newsweek

  • O observador

  • OKA direto

  • Diário de Pall Mall

  • Parque Hotel

  • Mídia Silvergate

  • South West Company

  • St. Regis Hotel

  • The Times de Londres

  • Waldorf-Astoria (1893–1929)

  • Hotel Waldorf

Ele morreu no naufrágio do RMS Titanic durante as primeiras horas de 15 de abril de 1912.

Astor era o passageiro mais rico a bordo do RMS Titanic e era considerado uma das pessoas mais ricas do mundo na época, com um patrimônio líquido no valor de cerca de US $ 87 milhões quando ele morreu (equivalente a US $ 2,44 bilhões em 2021).


Poucos passageiros, a princípio, estavam animados em embarcar nos botes e os oficiais no comando da evacuação tiveram dificuldades em os convencer.


Enquanto viajava, Madeleine Force Astor engravidou e desejando que a criança nascesse nos Estados Unidos, os Astors embarcaram no Titanic em sua viagem inaugural para Nova York.

Eles embarcaram em Cherbourg , na França, na primeira classe e eram os passageiros mais ricos a bordo.

Acompanhando os Astors estavam:


o valete de Astor, Victor Robbins

a empregada da Sra. Astor, Rosalie Bidois e sua enfermeira, Caroline Louise Endres.


Eles também levaram seu animal de estimação Airedale, Kitty.

Os Astors gostavam muito de seu cachorro e quase a perderam em uma viagem anterior, quando ela desapareceu no Egito.

Kitty não sobreviveu ao naufrágio.

Logo após o Titanic atingir o iceberg, o advogado de Nova York Isaac Frauenthal viu o capitão Edward J. Smith aconselhe Astor a acordar sua esposa, pois eles podem ter que ir para os barcos. Astor informou sua esposa sobre a colisão, mas disse a ela que o dano não parecia ser sério. Algum tempo depois, enquanto os botes salva-vidas do navio para a primeira classe estavam sendo tripulados, Astor permaneceu imperturbável; ele e sua esposa brincavam com os cavalos mecânicos no ginásio.

Em algum momento, acredita-se que Astor cortou o forro de um colete salva-vidas extra com um canivete para mostrar à esposa o conteúdo, seja para provar que não eram úteis ou para tranqüilizá-la de que eram.


Ele até declarou: "Estamos mais seguros aqui do que naquele barquinho"



Astor com sua esposa, Madeleine Force Astor, e seu Airedale, Kitty

Depois que o bote salva-vidas 4 foi baixado às 1h55, Astor teria ficado sozinho enquanto outros tentavam libertar os barcos desmontáveis ​​restantes; ele foi visto pela última vez com vida na asa estibordo da ponte, fumando um cigarro com Jacques Futrelle.


Meia hora depois, o navio desapareceu no fundo do oceano. Madeleine Force Astor, sua enfermeira e sua empregada sobreviveram. O coronel Astor, seu valete, Victor Robbins, Kitty e Futrelle não.

O corpo de Astor foi recuperado em 22 de abril pelo navio a cabo Mackay-Bennett .


Astor foi identificado pelas iniciais costuradas na etiqueta de sua jaqueta. Entre os itens encontrados com ele estava um relógio de bolso de ouro , que seu filho Vincent reivindicou e usou pelo resto de sua vida.

HOMEM – IDADE ESTIMADA 50 – CABELO LISO E BIGODE. ROUPA – Fato de sarja azul; lenço azul com "AV"; cinto com fivela dourada; botas marrons com sola de borracha vermelha; camisa de flanela marrom; "JJA" na parte de trás da gola. EFEITOS – Relógio de ouro; botões de punho em ouro com diamante; anel de diamante com três pedras; £ 225 em notas inglesas; $ 2.440 em notas; £ 5 em ouro; 7s. em prata; 5 peças de dez francos; lápis de ouro; livro de bolso. PRIMEIRA CLASSE. NOME- JJ ASTOR IV


Em suas memórias, Gracie afirmou que ouviu que o corpo de Astor estava em estado de esmagamento. Isso levou à crença popular de que Astor foi morto pelo primeiro funil que caiu do navio.

Outros relatos foram inconsistentes: o capitão Richard Roberts, o comandante do iate de Astor, disse que, exceto por uma leve descoloração causada pela água, as feições de Astor estavam ilesas; no entanto, Gerald Ross, um eletricista do Mackay-Bennett , relatou que o "rosto de Astor estava inchado, uma mandíbula ferida".

O sobrevivente Philip Mock foi citado como alegando ter visto Astor na água agarrado a uma jangada com William Thomas Stead . "Seus pés ficaram congelados", disse Mock, "e eles foram forçados a se soltar.

Astor foi enterrado no Trinity Church Cemetery em Manhattan, Nova York.

Quatro meses após o naufrágio do Titanic , Madeleine Astor deu à luz seu segundo filho, John Jacob "Jakey" Astor VI .


Relógio de bolso Waltham em ouro semelhante ao que Astor usava a bordo do RMS Titanic

Cena de John Jacob Astor (Eric Braeden) em Titanic e sua imagem real / Créditos: Reprodução/Getty Images.


 

Benjamin-guggenheim


Benjamin Guggenheim (26 de outubro de 1865 - 15 de abril de 1912) foi um empresário americano, membro rico da família Guggenheim (família judia Ashkenazi, conhecida por fazer fortuna na indústria de mineração, no início do século 20, especialmente nos Estados Unidos e na América do Sul . Após a Primeira Guerra Mundial, muitos membros da família se retiraram dos negócios e se envolveram em filantropia, especialmente nas artes, aviação, medicina e cultura).


Ele morreu a bordo do RMS Titanic quando o navio afundou no Oceano Atlântico Norte . O corpo dele nunca foi recuperado.


BUSSINESS ATUAIS DA FAMILIA GUGGENHEIM


A Guggenheim Partners (gerenciamento de ativos, banco de investimento e serviços de corretagem, incluindo mercados de capitais), hoje administra mais de US$ 200 bilhões em ativos.

Outro business familiar, a Guggenheim Investment Advisors, administra cerca de US$ 50 bilhões em ativos.


Tiveram enlaces matrimoniais com a familia Rothschild através de Louis F. Rothschild (1869–1957), fundador da LF Rothschild (banco comercial e de investimento com sede nos Estados Unidos e fundada em 1899. A empresa entrou em colapso após a quebra do mercado de ações em 1987)


Guggenheim embarcou no RMS Titanic e estava acompanhado por sua amante, uma cantora francesa chamada Léontine Aubart (1887–1964) seu valete, Victor Giglio (1888–1912); seu motorista, René Pernot (1872–1912); e a empregada de Madame Aubart, Emma Sägesser (1887–1964).


Este artigo no The New York Times relata a descrição de um comissário assistente das últimas horas do Guggenheim, incluindo ajudar outros passageiros a embarcar em botes salva-vidas, vestindo roupas formais em vez de um colete salva-vidas e dizendo que ele e sua secretária estavam "preparados para afundar como cavalheiros"

Guggenheim e Giglio dormiram durante o encontro do Titanic com o iceberg apenas para serem acordados logo após a meia-noite por Aubart e Sägesser, que sentiram a colisão. Sägesser mais tarde citou Giglio como tendo dito: "Não importa, icebergs! O que é um iceberg?"

Guggenheim foi persuadido a acordar e se vestir, e o camareiro James Etches ajudou a colocá-lo com um colete salva-vidas e um suéter pesado antes de enviar Guggenheim, Giglio e as duas mulheres para o convés do barco.

Etches mais tarde testemunhou que Guggenheim e seu valete foram de barco salva-vidas em barco salva-vidas, garantindo que as mulheres e crianças estivessem seguras a bordo e que os dois foram de grande ajuda para os oficiais.

Quando Aubart e Sägesser entraram relutantemente no bote salva-vidas nº 9, Guggenheim falou com a empregada em alemão, dizendo: "Logo nos veremos novamente! É apenas um reparo. Amanhã o Titanic continuará novamente . "

Percebendo que a situação era muito mais séria do que ele havia insinuado e que não seria resgatado, ele voltou para sua cabine com Giglio e os dois vestiram trajes de noite.


"O milionário Benjamin Guggenheim depois de ter ajudado no resgate de mulheres e crianças, vestiu-se e colocou uma rosa na lapela, para morrer."

Etches relatou que "logo depois que os últimos barcos foram baixados e recebi ordens do oficial do convés para manejar um remo, acenei para o Sr. Guggenheim, e essa foi a última vez que o vi e [Giglio ]."


Ambos os homens, assim como o motorista do Guggenheim, Pernot, morreram no naufrágio. Seus corpos, se recuperados, nunca foram identificados.



 

O empresário e político americano nascido na Alemanha Isidor Straus (1845-1912)

Isidor Straus (6 de fevereiro de 1845 - 15 de abril de 1912) foi um empresário judeu americano nascido na Baviera, político e co-proprietário da loja de departamentos Macy's com seu irmão Nathan .


Praça Herald da Macy's

Macy's é uma rede americana de lojas de departamentos de luxo fundada em 1858. Em 2015, a Macy's era a maior loja de departamentos dos Estados Unidos em vendas no varejo.


Ele também serviu por pouco mais de um ano como membro da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.


Ele morreu com sua esposa, Ida , no naufrágio do navio de passageiros RMS Titanic .

Assim que ficou claro que o Titanic estava afundando, Ida se recusou a deixar Isidor e não entraria em um bote salva-vidas sem ele.


De acordo com o amigo e sobrevivente do Titanic , Coronel Archibald Gracie IV, quando se ofereceu para perguntar a um oficial se Isidor poderia entrar em um bote salva-vidas com Ida, Isidor recusou-se a abrir uma exceção enquanto mulheres e crianças ainda estavam a bordo, enquanto Ida teria dito: "Não vou me separar de meu marido .


Assim como vivemos, morreremos juntos." Ida deu à empregada seu casaco de pele e insistiu para que ela entrasse em um bote salva-vidas. Isidor e Ida foram vistos pela última vez no convés de braços dados; testemunhas oculares descreveram a cena como uma "exibição mais notável de amor e devoção".


O corpo de Isidor foi recuperado e levado para Halifax, Nova Escócia , e de lá embarcado para Nova York.


O corpo de Ida nunca foi encontrado.


O casal é retratado no filme Titanic de 1953 , no filme A Night to Remember de 1958 , e no musical Titanic , em cenas que são fiéis aos relatos descritos acima.


No filme Titanic de 1997 , os Strauses são brevemente retratados se beijando e abraçados em sua cama enquanto sua cabine inunda com água, durante uma sequência de eventos emocionais enquanto o quarteto de cordas do navio toca o hino " Nearer My God to Thee " .


Ida e Isidor Straus, interpretados por Elsa Raven e Lew Palter

Cena de Ida (Elsa Raven) e Isidor Straus (Lew Palter) em Titanic e suas imagens reais / Créditos: Reprodução/Getty Images

Uma cena deletada mostra Isidor (interpretado por Lew Palter ) tentando persuadir Ida (interpretada por Elsa Raven ) a entrar em um bote salva-vidas, o que ela se recusa a fazer.


Filme Titanic


A tragédia do RMS Titanic ficou marcada para sempre na história da navegação marinha e no imaginário da sociedade, tendo sido tema principal de inúmeras produções audiovisuais, como documentários, peças de teatro, livros, curtas e longas-metragens."


"Uma das produções mais populares é o filme norte-americano Titanic, dirigido por James Cameron e estrelado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet. Trata-se de um drama fictício que conta a história de amor vivida por Rose Dewitt Bukater e Jack Dawson a bordo do famoso navio, retratando a colisão com o iceberg e o naufrágio do RMS Titanic. O longa estreou no ano de 1997 e arrecadou 2,1 bilhões de dólares internacionalmente, sendo a terceira maior bilheteria da história do cinema até o momento."


BONUS:






 

Maravilhoso Papercraft do Lendario Navio Titanic👇🏼





 

Curiosidades sobre o RMS Titanic

  1. A velocidade máxima do RMS Titanic era de 23 nós, ou 42,5 km/h.

  2. O Titanic despejava cerca de 100 toneladas de cinzas no oceano diariamente, decorrente do carvão queimado para o seu funcionamento.

  3. O custo para dormir na primeira classe do Titanic à época (1912) era de 150 dólares, o equivalente a, aproximadamente, 4500 dólares no presente.

  4. A inglesa Elizabeth Gladys Millvina Dean foi a passageira e a sobrevivente mais jovem do Titanic. Nascida em 2 de fevereiro de 1912, ela embarcou no navio com apenas dois meses de vida. Millvina Dean faleceu aos 97 anos de idade, em 31 de maio de 2009.

  5. O marinheiro Frederick Fleet, que estava de guarda no RMS Titanic na noite de 14 de abril, foi quem primeiro avistou o iceberg e avisou ao capitão Smith. Fleet foi um dos sobreviventes.

  6. A maioria das vítimas do acidente do Titanic foi de passageiros da terceira classe (536 fatalidades) e a tripulação (685 fatalidades)."

Os passageiros do Titanic estavam divididos em três classes separadas, determinado não só pelo preço de seu bilhete, mas pela riqueza e classe social:


Separação das baixas de acordo com o relatório da Câmara de Comércio Britânico

O passageiro não sobreviveu (V)

O passageiro sobreviveu (S)


Os músicos do Titanic, liderados por Wallace Hartley, eram empregados como tripulação, mas foram dadas acomodações da segunda classe.

Michel, à direita e Edmond Navratil, os "Órfãos do Titanic"

Michel Marcel Navratil, Jr. (Nice, 12 de junho de 1908 – Montpellier, 30 de janeiro de 2001) foi um dos últimos sobreviventes do naufrágio do Titanic em 15 de abril de 1912. Ele, junto com seu irmão, Edmond (1910-1953) eram conhecidos como "Órfãos do Titanic", tendo sido os únicos filhos resgatados sem ter um pai ou tutor. Ele tinha três anos no momento do desastre e foi o último sobrevivente do sexo masculino.


Bertram e sua irmã Millvina Dean

O passageiro mais jovem a bordo do navio, Millvina Dean, de dois meses de idade que, com seus pais Bertram Sr. e Eva Dean e o irmão mais velho Bertram, estavam emigrando da Inglaterra para o Kansas.



Ela foi a última sobrevivente do desastre do Titanic a morrer, faleceu em 2009, vitimada por pneumonia.

Dean nunca se casou ou teve filhos


Muitos passageiros do Titanic tinham origens levantina (à Síria, à Jordânia, a Israel, à Palestina, ao Líbano e a Chipre).
Na época, muitos carregavam identificação do Império Otomano que declararam que eles eram da Grande Síria, que incluía o que é hoje a Palestina, Jordânia, Líbano e Síria.
Passageiros do Líbano, por exemplo, tinha aldeias como cidade natal hoje localizadas no Líbano.

PREMONIÇÃO OU CASO PENSADO ?

A companhia de navegação White Star Line deveria ter lido (OU LEU) o livro Futilidade ou o naufrágio do Titan, de Morgan Robertson, publicado em 1898.



O romance conta a história de um grande e luxuoso navio chamado Titan, que se chocou contra um iceberg enquanto navegava entre os Estados Unidos e a Inglaterra – assim como o Titanic na vida real.


Quem poderia imaginar que uma novela do final do século XIX se tornaria célebre por ter praticamente previsto o maior acidente náutico de todos os tempos?


Mais do que o livro que profeticamente previu o naufrágio do Titanic, Futilidade é a história de John Rowland, um ateu convicto que embarca como marinheiro no navio, e Myra Selfridge, uma jovem cristã que foi o grande amor de sua vida.


Os problemas só aumentam quando um capitão trapaceiro tenta colocar tudo a perder. Myra e Rowland encarnam, assim, os conflitos científicos e religiosos da virada do século, quando a ciência, mais do que nunca, se sobrepôs à religião.


Ao leitor, resta a dúvida: teria sido coincidência, providência ou ato premeditado?


Deixa seus comentários lá no Aletheia Ágora !!

 

 







E ai, pessoal? Gostaram desse artigo?


Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora


Adquira de forma avulsa ou assinatura 6 edições bimestrais do ALMANAQUE ARQUEOHISTÓRIA em https://www.arqueohistoria.com.br/shop




FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

















Obrigado pela leitura e até o próximo POST


Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO



Bibliografia, Fontes e Referencias:

  1. "Homens notáveis ​​no Titanic perdido. Coronel Jacob Astor, com sua esposa. Isidor Straus e esposa, e Benj. Guggenheim a bordo" . O New York Times . 16 de abril de 1912 . Acesso em 10 de dezembro de 2013 . A seguir estão os esboços de algumas das pessoas conhecidas entre os 1.300 passageiros do Titanic perdido. O destino da maioria deles neste momento é, obviamente, desconhecido. Coronel John Jacob Astor e Sra. Astor, Isidor Straus e Sra. Straus, J. Bruce Ismay , Diretor Geral da White Star Line: Benjamin Guggenheim , e Frank D. Millet , o artista, são talvez os mais conhecidos dos passageiros. ... .

  2. ^ "O coronel John Jacob Astor deixou uma propriedade no valor de $ 86.966.611" . Spartanburg Herald . Carolina do Sul. Imprensa Associada. 14 de junho de 1913. pág. 1.

  3. ^ a b c d e f g h i jSaltar para: "John Jacob Astor IV" . Enciclopédia Titanica . Acesso em 27 de outubro de 2010 . O coronel John Jacob Astor IV nasceu em Rhinebeck, Nova York, em 13 de julho de 1864, filho de William Astor e bisneto de John Jacob Astor, o comerciante de peles. Astor foi educado na St. Paul's School, Concord e mais tarde foi para Harvard. Após um período de viagens ao exterior (1888–91), ele voltou aos Estados Unidos para administrar a fortuna da família. Ele tinha casas na 840 Fifth Avenue, Nova York e em Ferncliff, Rhinebeck, Nova York. ... .

  4. ^ "An Age of Splendor, e Hotel One-Upmanship" . O New York Times . 18 de junho de 2006. Seu primo mais novo, conhecido como Jack, matriculou-se em Harvard, saiu sem se formar, viajou e ingressou em 'cerca de duas dúzias de clubes'. Ele mexeu em invenções, casou-se imprudentemente e, inspirado por Júlio Verne, escreveu uma obra de ficção científica. Frequentemente ridicularizado pela imprensa, ele carregava o apelido de 'Jack Ass'.

  5. ^ William Alan Morrison, Waldorf Astoria, Arcadia Publishing - 2014, página 29

  6. ^ Foster, John Wilson (2002). The Age of Titanic: Cross-Currents in Anglo-American Culture .

  7. ^ Turkel, Stanley (4 de abril de 2007). "O Original Waldorf/Astoria Hotel" . hotelinteractive. com.

  8. ^ Gilman, CC ; Peck, HT; Colby, FM, editores. (1905). "Astor, John Jacob. Um capitalista, inventor e soldado americano" . Nova Enciclopédia Internacional (1ª ed.). Nova York: Dodd, Mead.

  9. ^ "Coronel John Jacob Astor" . The New York Times (16 de abril de 1912).

  10. ^ "Coronel John Jacob Astor IV" . Site da História do Titanic.

  11. ^ "Histórias de sobreviventes do Titanic - Madeleine Talmage Force Astor" . rmstitanic.net. Arquivado do original em 27 de setembro de 2013 . Acesso em 17 de julho de 2013 .

  12. ^ "Parte II: Vincent, o Astor que deu o dinheiro" . NewYorkSocialDaily. Arquivado do original em 12 de maio de 2013 . Acesso em 6 de agosto de 2013 .

  13. ^ "Col. Astor se casa com Madeleine Force" . Enciclopédia Titanica. 4 de novembro de 2003 . Acesso em 17 de julho de 2013 .

  14. ^ Automobile Club of America (12 de novembro de 1910). "Pequenas viagens para as casas dos membros: Ferncliff" . O Jornal do Clube . nº 2. pág. 1002ss.

  15. ^ Goldberger, Paul (1985). Uma monografia das obras de McKim, Mead & White, 1879–1915 .

  16. ^ "Sobre" . AstorCourts. com . Arquivado do original em 14 de setembro de 2011 . Recuperado em 10 de setembro de 2011 .

  17. ^ "Destino dos animais de estimação que navegaram no Titanic" . Lostandfond.co.uk 2 de outubro de 2010. Arquivado do original em 21 de março de 2012 . Recuperado em 10 de setembro de 2011 .

  18. ^ "John Jacob Astor IV" . titanic-passengers. com. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 . Acesso em 16 de fevereiro de 2012 .

  19. ^ On a Sea of ​​Glass: The Life & Loss of the RMS Titanic por Tad Fitch, J. Kent Layton & Bill Wormstedt. Amberley Books, março de 2012. pp 165-166

  20. ^ Lord 1976 , pp. 73–4.

  21. ^ "Referência on-line" . Inquérito do Senado dos Estados Unidos sobre o Titanic .

  22. ^ "Chicagoans salvos por Astor - Chicago Record Herald" . Enciclopédia Titanica. 22 de abril de 1912 . Recuperado em 1º de março de 2015 .

  23. ^ Belcher, David (28 de novembro de 2013). "Rastreando uma relíquia preciosa do Titanic" . O New York Times . Acesso em 14 de junho de 2016 .

  24. ^ National Geographic , dezembro de 1985, vol. 168, nº 6 página 712

  25. ^ "Stead e Astor se agarram a Raft" . Worcester telegrama . 20 de abril de 1912.

  26. ^ "Filho para a Sra. Astor. Nomeado para o pai. Tanto a mãe quanto o bebê disseram estar muito bem, a criança forte e bem formada" . O New York Times . 15 de agosto de 1912 . Recuperado em 22 de junho de 2008 . Baby é o sexto John Jacob Astor. Sra. Madeleine Force Astor, sobrevivente do Titanic. ... .

  27. ^ "Os legados de Astor foram todos pagos" . O New York Times . setembro de 2004 . Acesso em 20 de abril de 2012 .

  28. ^ "Astor Estate vai para o filho" . As notícias da noite. 7 de maio de 1912.

  29. ^ "Citação de John Jacob Astor Titanic" . Snopes. 18 de julho de 2000.

  30. ^ a bSaltar para: Wade, Wyn Craig (30 de março de 1992). Titanic: Fim de um Sonho . Nova York: Penguin Books. págs. 70–73 . ISBN 978-0140166910.

  31. ^ Hallenbeck, Brent (20 de março de 2012). "Nascido para desempenhar o papel" . A imprensa livre de Burlington . Arquivado do original em 4 de dezembro de 2013.

  32. ^Saltar para:a b Davis,passim

  33. ^ "Guggenheim 'animado' com private equity, gosta de fundos macro" . Bloomberg . 8 de outubro de 2009 . Recuperado 2009-10-13 .

  34. ^Saltar para:a b c "Audrey B. Love, 100, uma patrona das artes". O New York Times. Nº 27 de novembro de 2003. Acesso em 28 de novembro de 2016.

  35. ^ Filler, Martin. "Love Among the Ruins" , Partidas , 30 de março de 2010

  36. ^ "2 herdeiros do Guggenheim morrem em queda de 13 andares: bebê e irmão caem" . O New York Times . Nº 20 de outubro de 1928 . Acesso em 1 de agosto de 2018 .

  37. ^ "William Guggenheim e Miss Amy Lelia Steinberger, filha da Sra. Herman Steinberger" . O New York Times . nº 1904.

  38. ^ Davis, John (1994). Os Guggenheims: um épico americano . Livros SPI. pág. 436. ISBN 9781561713516.

  39. "Biografia de Isidor Straus" . História, Arte e Arquivos . Gabinete do Historiador, Câmara dos Representantes dos Estados Unidos . Acesso em 21 de dezembro de 2016 .

  40. ^ "Reminiscências de Jacob Greenebaum, Sr. - Escrito para seus filhos em 1859 Volume 2 Número 1" (PDF) . Straus Sociedade Histórica . Agosto de 2000. : Johanette GREENEBAUM casou-se com Isaak STRAUS por volta de 1808. Eles tiveram 14 filhos. O mais velho deles, Lazarus STRAUS, casou-se com sua prima, Sara STRAUS. Lázaro e Sara foram pais de Isidor, Hermine, Nathan e Oscar

  41. ^ "Straus" . Biblioteca Virtual Judaica . Recuperado em 21 de maio de 2022 .

  42. ^ Straus, Isidor. Autobiografia de Isidor Straus. Publicado de forma independente pela Straus Historical Society, 2011. p. 117-150

  43. ^ "Straus, Percy Selden, 1876-1944" . A Coleção Frick - Diretório de Arquivos para a História do Colecionismo na América . Acesso em 4 de junho de 2018 .

  44. ^ Harvard College Class of 1897 Fourth Report . Livros Esquecidos. 6 de fevereiro de 2018. pág. 197. ISBN 9781334712180.

  45. ^ Lyons, Richard D. (21 de janeiro de 1994). "Stuart Scheftel, 83; Executivo participou de muitos cargos cívicos" . O New York Times .

  46. ^ Newstead, Al (19 de outubro de 2018). "King Princess sobre a reapropriação de White Stripes e sua história familiar "extra pra caramba" . triplo j . Acesso em 4 de setembro de 2019 .

  47. ^ Rines, George Edwin, ed. (1920). "Straus, Isidor" . Enciclopédia Americana .

  48. ^ "Mutual Alliance Trust Co." , The New York Times , Nova York, p. 35, 23 de janeiro de 2017 , recuperado em 28 de setembro de 2017

  49. ^ "Bisneto do casal de idosos 'Titanic' compartilha sua história real" . TODAY. com . Recuperado em 14 de fevereiro de 2022 .

  50. ^ Bollman, Steve (2016). O Vinho de Escolha. 7 Passos para um Casamento Superabundante . Greenleaf Book Group Press. pág. 48. ISBN 9781626342507.[ atribuição necessária ]

  51. ^ Straus, Isidor. Autobiografia de Isidor Straus. Publicado de forma independente pela Straus Historical Society, 2011. p.168–176

  52. ^ Straus, Isidor. Autobiografia de Isidor Straus. Publicado de forma independente pela Straus Historical Society, 2011. p. 175-176

  53. ^ Thrasher, Steven (23 de fevereiro de 2010). "Dentro de uma escola pública dividida no Upper East Side: brancos na porta da frente, negros na porta dos fundos" . A Voz da Vila . Arquivado do original em 20 de outubro de 2012 . Recuperado em 6 de março de 2010 .

  54. ^ " Harvard Gazette : Este mês na história de Harvard" . Arquivado do original em 13 de abril de 2016 . Acesso em 19 de setembro de 2010 .



Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page