top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

Wahhabismo - Programados para destruir a história

Atualizado: 1 de nov. de 2023

-Wahhabismo é um movimento Islâmico Sunita, criado no século XVIII e geralmente é descrito como ortodoxo, ultraconservador, extremista, austero, fundamentalista

e puritano.


Propõe-se a restaurar aquilo que, na sua visão, seria o culto monoteísta puro e por isso seus seus seguidores muitas vezes opõem-se ao termo wahhabismo, por considerá-lo pejorativo, preferindo ser chamados de salafitas ou muwahhid.


Mas, de onde veio esse termo ?


Essa denominação do movimento veio através de um líder religioso e teólogo chamado Muḥammad ibnʿAbd al-Wahhāb (1703 -1792).


Ele foi o criador de um movimento revivalista na região remota e pouco povoada de Négede - a região central da península Arábica, no centro da Arábia Saudita.


A cidade mais importante da região do Négede é Riade, capital da Arábia Saudita.



Emirado de Negéde - Arábia Saudita -- Por TUBS, Don-kun, David First - Este desenho vetorial inclui elementos que foram usados ou adaptados de:, CC BY-SA 3.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=100970390
Al-Wahhāb defendia a purificação do islamismo para devolvê-lo às suas raízes do século VII, por meio de uma purga de práticas tais como, o culto popular dos santos, de santuários e a visitação de túmulos de entes queridos, que eram generalizadas entre os muçulmanos, mas que Wahhab considerava como idolatria ou inovações incompatíveis com os preceitos islâmicos.

Ver os meus artigos abaixo para entender melhor o contexto do Sec. VII em diante:


Hassan-i Sabbah - O velho da montanha de Alamut-A Ordem do Assassinos e a conexão com os Cruzados #1



Hassan-i Sabbah - O velho da montanha de Alamut-A Ordem do Assassinos e a conexão com os Cruzados #2



Posteriormente, Wahhab estabeleceu um pacto com um líder local chamado de Muhammad bin Saud, oferecendo-lhe obediência política e garantindo que a defesa e a propagação do movimento wahhabita significariam poder e glória e o domínio de terras e homens.


Foi a partir daí que se deu o nome Saud ITA -- a partir da fundação da Casa de Saud (em árabe آل سعود‎; romanizado como Āl Suʿūd) ou seja a casa real no poder na Arábia Saudita desde a criação do país em 1932.


A história dos Al Saud foi marcada por um desejo de unificar a península arábica e para espalhar a sua versão particular do islã, ´pois a família tinha governado a região de Négede, entrando em conflito em várias ocasiões com o Império Otomano.


A Casa de Saud defende a metodologia salafi do islã, e está ligada com a família do xeque Muhammad bin Abdul-Wahhab através do casamento de Muhammad bin Saud com a filha de Muhammad Abd al Wahhab, em 1744.


A Arábia Saudita foi criada em 1932 quando Ibn Saud, que desde 1927 era rei de Hejaz e Négede, unificou a região.


Atualmente, o chefe da Casa de Saud é o Rei da Arábia Saudita, que serve como Chefe de Estado e monarca do Reino da Arábia Saudita.


O rei detém o poder político quase absoluto, nomeia ministros para seu gabinete que supervisionam seus respectivos ministérios em seu nome e os principais ministérios da Defesa, do Interior e das Relações Exteriores são geralmente ocupados por membros da família Saud, assim como todos os treze governos regionais.


NOTA:


Em junho de 2015, a Forbes listou o empresário Príncipe Al-Waleed bin Talal, neto de Abdulaziz, o primeiro rei da Arábia Saudita, como o 34º homem mais rico do mundo, com patrimônio líquido estimado em US$ 22,6 bilhões.


Em 2020, o patrimônio líquido combinado de toda a família real foi estimado em cerca de US$ 100 bilhões, o que os torna a família real mais rica entre todos os monarcas, bem como uma das famílias mais ricas do mundo.

Embora algumas estimativas da riqueza da família real coloquem o valor em até US$ 1,4 trilhão, o que inclui participações na Saudi Aramco.



As estimativas do número de adeptos ao wahhabismo variam, com uma fonte que dá um valor de cinco milhões de wahhabitas na região do Conselho de Cooperação do Golfo.

De acordo com a Universidade de Columbia, a maioria dos wahhabitas do Conselho do Golfo estão no Catar, nos Emirados Árabes Unidos (EAU) e na Arábia Saudita.


No Catar, a família Al-Thani, que governa o país desde 1878, ascendeu graças ao wahhabismo, tendo também sido ajudada pela presença do Império Otomano. Deu-se a instauração da Xaria segundo interpretação wahhabita e o poder foi centralizado.

Catar 🇶🇦 Copa do mundo 2022 - modelo de Totalitarismo. Come Soon 👇🏼😕😳🙈





De acordo com estimativas, 46,87% da população do Catar e 44,8% dos habitantes dos EAU são wahhabitas, enquanto que 5,7% da população do Bahrein e 2,17% dos kuwaitianos também são parte do movimento.



Os wahhabitas são a minoria dominante da Arábia Saudita.


Há 4 milhões de wahhabita sauditas, ou 22,9% da população do país, concentrados em Négede

Com a ajuda de financiamento das exportações de petróleo (e outros fatores), o movimento sofreu um crescimento explosivo partir da década de 1970 e agora tem influência em todo o mundo.


Assim sendo, o wahhabismo é acusado de ser uma fonte de terrorismo global, e por causar desunião na comunidade muçulmana, rotulando os muçulmanos não-wahhabitas como apóstatas.


Os limites que determinam o wahhabismo têm sido classificados como difíceis de identificar, mas no uso contemporâneo, os termos 'wahhabitas' e 'salafitas' são muitas vezes usados como sinônimos e considerados movimentos com diferentes raízes que se fundiram a partir dos anos 1960.


Além de espalhar o medo e o terror nas cidades que conquistaram, os extremistas do grupo Estado Islâmico também se preocupam em destruir a cultura daqueles que consideram inimigos. Os alvos dos jihadistas são museus com obras de arte milenares.





Entendendo o Salafismo e os jihadistas


Salafismo (em árabe: سلفي; salafī, "predecessores" ou "primeiras gerações") ou movimento salafista é um movimento ortodoxo, internacionalista e ultraconservador dentro do islamismo sunita.


A doutrina pode ser resumida por ter "uma abordagem fundamentalista do Islã, emulando o profeta Maomé e seus primeiros seguidores".


Eles apoiam a aplicação da Xaria (lei islâmica) e o movimento é frequentemente dividido em três categorias: o maior grupo são os puristas, que evitam a política; o segundo maior grupo são os ativistas, que se envolvem na política; o menor grupo é o dos jihadistas.


O movimento salafista é muitas vezes descrito como sendo sinônimo de wahhabismo, mas salafistas consideram o termo "wahhabi" depreciativo, mas o mais aceito é que o salafismo também é como um híbrido do wahhabismo e de outros movimentos pós-1960.

Já, os jihadistas salafistas defendem a jihad (habitualmente entendida como "guerra santa" travada contra os inimigos da religião muçulmana) como uma expressão legítima do islamismo contra aqueles que consideram inimigos de sua religião


Alguns defendem que foi Muhammad ibn Abd-al-Wahhab quem na generalidade divulgou na Arábia Saudita um islamismo que visava recuperar os princípios basilares do Islão desde a sua fundação, embora este reformismo aparente do wahhabismo fosse mais um voltar ao rigorismo interpretativo do Alcorão e não tanto a um reformismo ideológico consensual, como defendiam os salafistas.


O wahhabismo também tem sido considerado como uma orientação particular dentro salafismo, ou um braço saudita ultra-conservador do salafismo.


No entanto, pesa o fato de que estes também gostam de se denominar de salafistas (ou mais propriamente de salafis), mas esta designação é mais etimológica (um caso de coincidência do significado de palavras) do que doutrinária e tem pouco a ver com as ideias e ideais dos primeiros intelectuais e precursores ideológicos do salafismo.


O salafismo começou a crescer na Turquia Otomana na Primeira Guerra Mundial.


Com o pretexto de evitar a estratégia secular de dividir para conquistar os islâmicos depois da guerra, algo que foi neutralizado parcialmente com Mustafa Kemal Atatürk - Primeiro Presidente da Turquia - Nação atual, criada em 1922 - Falaremos desse episodio em outro artigo.


A influência wahhabita na Arábia Saudita, no entanto, permanece materializada nas roupas, no comportamento público e na oração pública, podendo ser percebidas até hoje.


Dreyfuss acusa o salafismo de ser um movimento totalitário que emergiu do apoio ocidental.


A divulgação e crescimento do Islã no início do século XX em grande parte foi a responsável pelo sucesso do movimento wahhabita ao inspirar os ideais do movimento Irmandade Muçulmana (Ikhwan), a Al-Qaeda e o Estado Islâmico do Iraque e do Levante.


Após a unificação saudita, o pacto entre os saudis e os wahabis, o wahabismo se tornou a seita dominante da Arábia Saudita, que com a descoberta do petróleo na década de 1920 se tornou um dos mais poderosos países árabes, exportando além do petróleo, o wahabismo para o mundo todo. Influenciado pelo wahabismo e outras doutrinas, no século XX surgiu o movimento conhecido como ‘Jihadismo’, ou seja, matar todos aqueles que não são muçulmanos ou que se apostataram do islam para trazer de volta o califado. É nesse contexto que surge o grupo Estado Islâmico.

O vídeo abaixo mostra a destruição da Citadela de Alepo, na Síria. Este vídeo da CNN mostra a destruição da tumba do profeta Jonas, no Iraque, local sagrado para as três religiões monoteístas



Os dois vídeos abaixo mostram fumaça sobre a mesquita Khaled Ibn Walid, na Síria e a destruição dentro do templo.



Budha em 1963 e em 2008, após ser destruído pelo Taleban (Afeganistão)

O que é o Estado Islâmico? - Folha Explica #7

Estado Islâmico e o extermínio étnico no Iraque


Único morador que ficou em cidade tomada pelo Estado Islâmico conta como foi encontro com jihadistas


Yazidis contam como enfrentaram Estado Islâmico antes de fugir para montanhas


Porque são perseguidos os yazidis?


A história do novo líder do Estado Islâmico









E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like e

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora




FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO














Bibliografia, Fontes e Referencias:

  • KHADDURI, Majid. War and peace in the law of Islam. Baltimore: Johns Hopkins University, 1958.

  • MORABIA, Alfred. Le gihad dans l’Islam médiéval. Paris: Albin Michel, 1993.

  • MELIS, Nicola. Trattato sulla guerra. "Il Kitab al-gihad di Molla Hüsrev". Cagliari: Aipsa, 2002.

  • MELIS, Nicola. Il concetto di ğihād, in P. Manduchi (a cura di), Dalla penna al mouse: Gli strumenti di diffusione del concetto di gihad. Milão: Franco Angeli, 2006, pp. 23–54.

  • MELIS, Nicola. A Hanafi treatise on rebellion and ğihād in the Ottoman age (XVII c.), in Eurasian Studies, Istituto per l’Oriente/Newnham College, Roma-Cambridge, Volume II; Number 2 (dezembro 2003), pp. 215–226.

  • PETERS, Rudolph. Islam and colonialism: The doctrine of Jihad in modern history. "Religion and Society", Mouton, Haia, 1979.


  1. Dicionário Houaiss: 'wahhabismo'

  2. Ir para:a b Commins, David (2009). The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. [S.l.]: I.B.Tauris. p. ix

  3. «Sunni Islam». globalsecurity.org. Consultado em 18 de agosto de 2014

  4. Ir para:a b «Wahhabi». GlobalSecurity.org. 27 de abril de 2005. Consultado em 10 de maio de 2008. Cópia arquivada em 7 de maio de 2005

  5. Alguns sunitas contestam que o wahhabism seja realmente sunita. Ver http://www.sunnah.org, Wahhabism: Understanding the Roots and Role Models of Islamic Extremism, por Zubair Qamar.

  6. Our good name: a company's fight to defend its honor J. Phillip London, C.A.C.I., Inc – 2008, "wahhabism is considered in particular an ultra-conservative orientation".

  7. Ir para:a b c «Analysis Wahhabism». PBS Frontline. Consultado em 13 de maio de 2014

  8. Schwartz, Steven. «Saudi Arabia and the Rise of the Wahhabi Threat». meforum. Consultado em 24 de junho de 2014

  9. Kampeas, Ron. «Fundamentalist Wahhabism Comes to U.S.». Belief.net, Associate Press. Consultado em 27 de fevereiro de 2014

  10. Commins, David. The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. [S.l.]: I.B. Tauris. p. vi

  11. Wiktorowicz, Quintan. "Anatomy of the Salafi Movement" in Studies in Conflict & Terrorism, Vol. 29 (2006): p. 235, footnote.

  12. Mahdi, Wael (18 de março de 2010). «There is no such thing as Wahabism, Saudi prince says». The National. Abu Dhabi Media. Consultado em 12 de junho de 2014

  13. Commins, David (2006). The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. [S.l.]: I.B.Tauris. p. 7. The Wahhabi religious reform movement arose in Najd, the vast, thinly populated heart of Central Arabia.

  14. U.S. Eyes Money Trails of Saudi-Backed Charities, em inglês, acesso em 15 de setembro de 2014.

  15. Lacey, Robert (2009). Inside the Kingdom : Kings, Clerics, Modernists, Terrorists, and the Struggle for Saudi Arabia. [S.l.]: Viking. pp. 10–11

  16. see also: Glasse, Cyril, The New Encyclopedia of Islam, Rowman & Littlefield, (2001), pp.469–472

  17. «Wahhabi». Encyclopædia Britannica Online. Consultado em 12 de dezembro de 2010

  18. Ir para:a b John L. Esposito, What Everyone Needs to Know About Islam, p.50

  19. Glasse, Cyril (2001). The New Encyclopedia of Islam. [S.l.]: AltaMira Press. p. 469. A sect dominant in Saudi Arabia and Qatar, at the beginning of the 19th century it gained footholds in India, Africa, and elsewhere.

  20. Kepel, Gilles (2002). Jihad: The Trail of Political Islam. [S.l.]: I.B.Tauris. 61 páginas

  21. Abou El Fadl, Khaled, The Great Theft: Wrestling Islam from the Extremists, Harper San Francisco, 2005, p.70-72.

  22. Haider, Murtaza (22 de julho de 2013). «European Parliament identifies Wahabi and Salafi roots of global terrorism». Dawn.com. Consultado em 3 de agosto de 2014

  23. Commins, David (2009). The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. [S.l.]: I.B.Tauris. p. xix, x

  24. Blanchard, Christopher M. «The Islamic Traditions of Wahhabism and Salafiyya» (PDF). 24 de janeiro de 2008. Congressional Research Service. Consultado em 12 de março de 2014

  25. Glasse, Cyril (2001). The New Encyclopedia of Islam. [S.l.]: AltaMira Press. p. 470

  26. Mouzahem, Haytham (20 de abril de 2013). «Saudi Wahhabi Sheikh Calls on Iraq's Jihadists to Kill Shiites». Al-Monitor. al-monitor. Consultado em 18 de agosto de 2014. Arquivado do original em 24 de agosto de 2014

  27. Rabasa, Angel; Benard, Cheryl (2004). «The Middle East: Cradle of the Muslim World». The Muslim World After 9/11. [S.l.]: Rand Corporation. p. 103, nota 60. ISBN 0-8330-3712-9

  28. Howden, Daniel (6 de agosto de 2005). «The destruction of Mecca: Saudi hardliners are wiping out their own heritage». The Independent. Consultado em 21 de dezembro de 2009

  29. Finn, Helena Kane (8 de outubro de 2002). «Cultural Terrorism and Wahhabi Islam». Council on Foreign Relations. Consultado em 5 de agosto de 2014. Arquivado do original em 4 de setembro de 2014

  30. Ibrahim, Youssef Michel (11 de agosto de 2002). «The Mideast Threat That's Hard to Define». The Washington Post. Consultado em 21 de agosto de 2014

  31. Dillon, Michael R. (Setembro de 2009). Wahhabism: Is it a Factor in the Spread of Global Terrorism? (PDF). [S.l.]: Naval Postgraduate School

  32. Stephane Lacroix, Al-Albani's Revolutionary Approach to Hadith. Leiden University's ISIM Review, Spring 2008, #21.

  33. (Salafism has been termed a hybridation between the teachings of Ibn Abdul-Wahhab and others which have taken place since the 1960s) Stephane Lacroix, Al-Albani's Revolutionary Approach to Hadith. Leiden University's ISIM Review, Spring 2008, #21.

  34. GlobalSecurity.org Salafi Islam

  35. The Real Muslim Extremists, em inglês, acesso em 1º de outubro de 2014.

  36. Ir para:a b c Governo da Arábia Saudita, The Kingdom - History of Saudi Arabia [1]Arquivado em 19 de dezembro de 2012, no Wayback Machine. [em linha]

  37. Ir para:a b c d Britannica Wahhabi

  38. Ir para:a b Allen, Charles (2007). "The Wahhabi Cult and the Hidden Roots of Modern Jihad" (em inglês). Londres: Abacus. p. 61. ISBN 978-0-349-11879-6

  39. Robert Dreyfuss, Devil’s Game: How the United States Helped Unleash Fundamentalist Islam. Owl Books, 2005: page 332-333

  40. Governo da Arábia Saudita, The Kingdom - History of Saudi Arabia [em linha]

  41. «english.aljazeera.net». Al Jazeera. Consultado em 19 de junho de 2007

  42. Ver por exemplo: [1] [2] [3] [4]

  43. Tom Pettifor (6 de outubro de 2010). «Gay Saudi Prince killed man servant in sexual fury». The Daily Mirror. Consultado em 6 de outubro de 2010

  44. Madawi Al-Rasheed . A History of Saudi Arabia. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-64412-9.

  45. Ir para:a b "HRH Princess Basma bint Saud bin Abdulaziz Al Saud". Hardtalk. BBC. 28 July 2011. Archived from the original on 17 October 2019. Retrieved 7 April 2013. Milmo Cahal (3 January 2012). "The Acton princess leading the fight for Saudi freedom". The Independent. Archived from the original on 22 April 2013. Retrieved 3 January 2012. Ruth Umoh (18 August 2018). "This royal family's wealth could be more than $1 trillion". CNBC. Archived from the original on 23 May 2021. Retrieved 23 May 2021.

  46. «Saudi king ousts nephew to name son as first in line to throne». the Guardian (em inglês). 21 de junho de 2017. Consultado em 22 de janeiro de 2023

  47. Griffiths, Nicole Chavez,Tamara Qiblawi,James (21 de junho de 2017). «Saudi Arabia's king replaces nephew with son as heir to throne». CNN (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2023

  48. James Wynbrandt; Gerges Fawaz A. (2010). A Brief History of Saudi Arabia. p. xvii. ISBN 978-0816078769. Wahbi Hariri-Rifai; Mokhless Hariri-Rifai (1990). The heritage of the Kingdom of Saudi Arabia. p. 26. ISBN 978-0962448300.

  49. Ir para:a b Deborah Amos (1991). "Sheikh to Chic". Mother Jones. p. 28. Retrieved 12 July 2016. "Saudi Arabia: HRH or HH? – American Bedu". 7 August 2016. Archived from the original on 7 August 2016.

  50. Ir para:a b Stig Stenslie (2012). Regime Stability in Saudi Arabia: The Challenge of Succession. Routledge. p. 53. ISBN 978-1136511578 Counter-Narratives: History, Contemporary Society, and Politics in Saudi Arabia and Yemen by Madawi Al-Rasheed and Robert Vitalis (Eds.) p. 64. "History of the Kingdom". Ministry of Foreign Affairs. Archived from the original on 10 November 2014. Retrieved 20 March 2015. "Al Saud Family Saudi Arabia History". Arab Royal Family. Archived from the original on 5 July 2015. Retrieved 20 March 2015. H. St. John Philby (1955). Saudi Arabia. London: Ernest Benn. p. 8. Archived from the original on 19 December 2020. Retrieved 29 February 2016.John Pike. "King Abdul Aziz Bin Abdul Rahman Al-Saud". Global Security. Archived from the original on 25 December 2018. Retrieved 20 March 2015.

  51. Ir para:a b c Mark Weston (2008). Prophets and princes: Saudi Arabia from Muhammad to the present. Hoboken, N.J.: Wiley. p. 101. ISBN 978-0470182574. Archived from the original on 17 January 2023. Retrieved 19 October 2020. Wayne H. Bowen (2008). The history of Saudi Arabia (1 ed.). Westport, Conn.: Greenwood Press. p. 73. ISBN 978-0313340123. Archived from the original on 17 January 2023. Retrieved 19 October 2020.

  52. Ir para:a b Lacey, Robert (1982). The Kingdom. New York: Harcourt Brace Jovanovich. ISBN 0-15-147260-2.

  53. Ir para:a b c d e Almana, Mohammed (1982). Arabia Unified: A Portrait of Ibn Saud. London: Hutchinson Benham. ISBN 978-0-09-147290-0.

  54. Abdullah Mohammad Sindi (16 January 2004). "Britain and the Rise of Islam and the House of Saud". Kana'an Bulletin. IV (361): 7–8.

  55. Ir para:a b c Commins, David (2006). The Wahhabi Mission and Saudi Arabia. London, New York: I.B. Tauris. ISBN 978-1-84511-080-2.

  56. «Saudi Arabia names Prince Nayef as heir to throne». BBC News (em inglês). 27 de outubro de 2011. Consultado em 22 de janeiro de 2023

  57. «Saudi princes, ministers and tycoons arrested in sweeping purge». SBS News (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2023

  58. Ir para:a b c d "King Salman meets governors of Saudi regions". 30 May 2018. Archived from the original on 20 February 2022. Retrieved 20 February 2022. Millichronicle (2 December 2019). "OPINION: Why Saudi Citizens love Al-Saud family?". The Milli Chronicle. Archived from the original on 5 September 2021. Retrieved 5 September 2021.

  59. «Prince Alwaleed Bin Talal Alsaud». Forbes (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2023

  60. «Top 10 Wealthiest Families in the World». Investopedia (em inglês). Consultado em 22 de janeiro de 2023

  61. McHale, T. R. (outono de 1980). «A Prospect of Saudi Arabia». International Affairs. 56 (4). Consultado em 30 de julho de 2012

  62. Correia, Paulo (Primavera de 2015). «Designações de entidades ligadas à Alcaida» (PDF). a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. ISSN 1830-7809

  63. «Jihad». Oxford Islamic Studies OnLine. Data não indicada Verifique data em: |data= (ajuda)

  64. «Jihad». Priberam Dictionário

  65. «Jihad». Dicio - Dictinário OnLine de Português

  66. «Jihad». Cambridge Dictionary

  67. Naqib al-Misri, Ahmad ibn (1991). Reliance of the Traveler (Umdat al-Salik). [S.l.]: Amana Publications. pp. 599–600

  68. Team, Almaany. «Translation and Meaning of جهاد In English, English Arabic Dictionary of terms Page 1». www.almaany.com (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2020

  69. «BBC - Religions - Islam: Jihad». www.bbc.co.uk (em inglês). Consultado em 4 de janeiro de 2020

  70. Al-Dawoody, Ahmed (2011). The Islamic Law of War: Justifications and Regulations. [S.l.]: Palgrave Macmillan. 56 páginas. Dezessete derivados de jihad ocorrem quarenta e uma vezes em onze textos de Meca e trinta de Medina, com os seguintes cinco significados: esforço por causa da crença religiosa (21), guerra (12), pais não-muçulmanos exercendo pressão, ou seja, jihad, para fazer seus filhos abandonar o Islã (2), juramentos solenes (5) e força física (1).


Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page