top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

LUPANAR: os Bordéis de Roma e o Reduto das Mulheres Loba

Atualizado: 31 de out. de 2023

INTRODUÇÃO :


37 EC, apenas 42 anos antes da erupção do Vesúvio, Calígula se torna imperador.

VER MEU ARTIGO ANTERIOR>>>>>>>> CLICANDO AQUI.


Ele estabelece um padrão de depravação que poucos alcançariam nos próximos dois mil anos depois de seu império.


Ele é fascinado pela corrupção e pela transgressão sexual, estabelecendo um imposto sobre a prostituição e uma equipe de burocratas para fazer cumprir a lei.


Calígula transforma o sexo pago em um negócio sancionado pelo estado para mostrar como se faz. Ele abre um bordel dentro do palácio imperial. O bordel é formado pelas esposas, filhas e filhos de cidadãos proeminentes e homens de alta classe.


Alguns por vontade própria, e outros não. Calígula é sucedido por Nero e apesar de não ser páreo para seu predecessor na depravação, Nero não é um Santo.


Ele espanca cidadãos por diversão humana, executa a mãe e chuta uma de suas esposas até a morte, e quando não está em bordéis ele organiza orgias elaboradas.


O mau comportamento de Calígula e Nero, influenciam a sociedade em todo o império romano, de Roma até as cidades menores, tais como Pompéia.


Vício e corrupção são a ordem do dia, mas em 69 EC, apenas dez anos antes do Vesúvio engolir Pompeia, um novo imperador sucede Nero, e as coisas começam a mudar.


As termas no interior de Pompéia dão uma importante pista dessa mudança cultural. A datação por carbono revela que as ilustrações, incrivelmente explícitas no vestiário masculino, foram cobertas três anos antes de Pompéia ser destruída. O detalhe nos mostra algo muito mais importante. As ilustrações promiscuas nos bordéis receberam tinta por cima e isso significa que em algum estágio eles acharam que não era aceitável ter essas imagens. E isso nos mostra que faz sentido, pois depois da queda de Nero, quando o novo Imperador Vespasiano assume o império, esse traz uma moralidade.


Essa mudança conservadora que acontece em Roma começava a afetar Pompéia quando Vesúvio congelou a cidade. É um momento crucial, logo depois ao período mais decadente da história romana, se inicia. A atmosfera de Pompéia de serviços e mercados sexuais era normal para aquela época.


Se a cidade sobrevivesse mais 20 anos, encontraríamos - exemplos eróticos antigos, mas o mercado da prostituição ainda estariam intacto. Ele estava profundamente arraigado; não só em Pompeia, mas em toda a sociedade Romana.


E a história mostra que continuaria assim por séculos. Pompéia nos da imagem inigualável de um período crucial em que o sexo pago tinha vários papéis no mundo pragmático romano. Era um negócio pouco honroso, mas bastante lucrativo. Para os ricos é uma grande fonte de arrecadação de impostos e para o estado, uma maneira dos homens terem sexo extra sem terem casos ilegais.


É uma maneira bastante pública de reforçar o sistema de classes permitindo a prostituição como uma humilhação pública dos homens e mulheres forçados a pratica-la.


O comércio de sexo em Pompéia, reflete todas as contradições da sociedade romana. Seu racionalismo, sua brutalidade, sua paixão, que revela o enorme impacto que líderes bons e ruins podem ter nos mais poderosos e diversos impérios.


VAMOS AO ARTIGO !!!


O bairro onde se encontravam as prostitutas que prestavam os serviços mais baratos era o de Subura, um verdadeiro ninho de depravações.


Representação de um bordel romano
A palavra "lupanar" vem de "lupa" que significa "lobo". Na Roma antiga, as prostitutas eram chamadas de “lupas” e o local onde trabalhavam de “lupanar”.

Pompéia tem muitos lugares para visitar e descobrir, mas é impressionante que o lugar mais visitado pelos turistas seja o Lupanar, descoberto no século XIX e fechado ao público até 2006, local onde as prostitutas prestavam seus serviços em Pompéia, que foi enterrado pela violenta erupção do vulcão Vesúvio em 79 EC.


VEJA VIDEO ABAIXO: O LOCAL MAIS VISITADO ATUALMENTE EM POMPEIA.

Os guias e historiadores do século 19 frequentemente se recusavam a examinar ou discutir os bordéis devido a suas próprias agendas morais. Embora os historiadores inicialmente hesitassem em fornecer informações sobre bordéis antigos ao público, o Lupanar é agora uma atração turística amplamente visitada em Pompéia.

O historiador do final do século 19, Wolfgang Helbig, afirmou que "uma análise de pinturas individuais [do bordel] é desnecessária e inadmissível".

Não foi até o século 20 que os estudiosos começaram a levar a sério as escavações de antigos bordéis. A arte erótica antiga tornou-se um modo popular de estudo para oferecer uma visão da sexualidade, parceria e dinâmica de poder greco-romana.

A recepção do bordel por clientes e visitantes exemplificou as disparidades de classe dentro do bordel. Os visitantes da classe alta eram conhecidos por distorcer a representação do bordel decorrente de seu próprio classismo.

Embora muitas vezes descrevam o espaço como imundo ou desagradável, os estudiosos declararam que tais lembranças são tendenciosas e não confiáveis.


O Lupanar em VII, 12, 18–20. Vico del Lupanare está à direita. Vico del Balcone está à esquerda. ---- General Cucombre de Nova York, EUA - Pompei 5234 Carregado por Markos90

Como veremos a seguir, é de particular interesse para as pinturas eróticas em suas paredes. Lupanar é latim para "bordel". O lupanar de Pompéia também é conhecido como Lupanare Grande ou o "Bordel de propósito específico".


O edifício situa-se na zona mais antiga da cidade, muito próximo do local onde existiam banhos, tabernas e hospedarias. De tamanho pequeno, o que nos chamará a atenção ao entrar, serão as cenas eróticas pintadas na parte superior das portas dos quartos, nas quais casais são mostrados em diferentes posições sexuais, essas pinturas não tinham fins decorativos, mas sim uma espécie de de catálogo que o cliente utilizava para escolher a "especialidade" de quem estava dentro daquela sala.


No quarto havia uma cama, presa à parede e construída em tijolo e sobre ela foi colocado um colchão que era a cama dos namorados.



Nas paredes podem ser lidas inscrições deixadas por clientes e pelas mulheres que ali trabalhavam: frases, nomes das prostitutas ou de seus acompanhantes.

O piso superior do bordel destinava-se aos clientes mais abastados e tinha uma entrada separada, acedida por uma escada. Esta abria para uma varanda com diferentes portas pelas quais se entrava nos quartos deste andar. Eram maiores e mais decorados do que os do térreo.


As prostitutas do bordel eram escravas de terras exóticas com as quais o leno (o empresário) obtinha melhores rendimentos. Um serviço normal podia oscilar entre seis ou oito ases, ou seja, dois sestércios (uma taça de vinho custava um) e eram colocados à entrada da sala, com o nome da mulher; Eles usavam muita maquiagem e túnicas de seda de cores vivas. Registravam seu ofício em caderno, na presença de um magistrado, e se resignavam a viver entre as camadas mais baixas da sociedade, ao lado de gladiadores e atores.


Os primeiros escavadores de Pompeia, guiados pelo decoro rigoroso de sua época, rapidamente classificaram qualquer edifício que contivesse pinturas eróticas como bordéis; usando este cálculo, Pompeia tinha 35 lupanares.

Dada a população de dez mil na cidade durante o século I EC., haveria um bordel para cada 286 habitantes, ou 71 adultos do sexo masculino. Utilizando-se um critério mais preciso para a identificação dos bordéis, o número desceu para uma cifra mais realista, que apontou nove estabelecimentos de apenas um aposento, e o Lupanar.

Durante este período casas de prostituição costumavam ser pequenas, com apenas alguns aposentos. O Lupanar foi o maior encontrado em Pompeia, com dez quartos.


Pompeji Penis Sign

Os visitantes eram guiados por setas na forma fálico símbolo, esculpido bem nas pedras da calçada.Os visitantes eram guiados por setas na forma fálico símbolo, esculpido bem nas pedras da calçada.






 

BONUS: SENSACIONAL DOCUMENTÁRIO PORTUGUES

--- Pompeia: À Sombra do Vesúvio - (Dublado) Documentário


 

Depois de se tornar uma colônia romana, Pompéia foi intimamente associada a Vênus, uma divindade do sexo e uma figura mitológica intimamente ligada à prostituição.

Grafite - Inscrições no interior do Lupanar.


Cerca de 134 grafites foram inscritos nas paredes Lupanar. A presença destas inscrições serviu como um dos critérios para a identificação do edifício como um bordel.

Alguns dos exemplos de grafite que indicaram (VII, 12, 18-20) o local como casa de prostituição foram:

  • hic ego puellas multas futui ("aqui eu fodi muitas garotas")

  • Felix bene futuis ("feliz, fodeste bem")

Outros exemplos de inscrições semelhantes foram encontrados em outros locais de Pompeia. Como geralmente pessoas ricas não frequentavam lupanares (pois tinham escravas que serviam como concubinas), os nomes encontrados em meio a estas inscrições não estão ligados a qualquer pessoa de importância. Os grafites contam histórias, no entanto, e diversos autores responderam às inscrições de outros, numa espécie de diálogo.


Inscrição no interior do Lupanar. --- Foto de Fer.filol - Obra do próprio

Resumindo..... A prostituição na Roma antiga assumiu uma escala verdadeiramente colossal. Com rostos embranquecidos, bochechas pintadas com cinábrio e olhos cheios de fuligem, as prostitutas romanas conduziam seu antigo ofício. Eles estavam em todos os lugares - nas paredes do Coliseu, em teatros e templos. Visitar uma prostituta era considerado uma ocorrência muito comum entre os romanos. Sacerdotisas baratas do amor vendiam sexo rápido nos bairros da cidade velha. Prostitutas de alto escalão, apoiadas por atendentes de balneários, operavam nos banhos romanos.


Segundo os cientistas, os afrescos retratam mulheres de virtude fácil!! A julgar pelas roupas ou pela falta delas!!

O comércio de escravos que se tornaram prostitutas trouxe receitas iguais às da exportação e importação de trigo e vinho. Novas mulheres jovens e esbeltas eram constantemente solicitadas.

A maior demanda era por meninas muito jovens, assim como meninos, o que correspondia às inclinações pedófilas dos antigos romanos.

A extensa distribuição da prostituição é comprovada pela riqueza de sinônimos em latim para designar tipo diferente prostitutas, o que faz pensar que elas foram divididas em muitas castas, o que na realidade, porém, não era!


  • "Alicariae", ou padeiros - prostitutas que se mantinham perto dos padeiros e vendiam bolos feitos de farinha granulada sem sal e fermento, designados para oferendas a Vênus, Ísis, Príapo e outros deuses e deusas sexuais. Esses bolos, chamados de "coliphia" e "siligines", tinham a forma usual de órgãos genitais masculinos e femininos.

  • "Bustuariae" - chamavam aquelas prostitutas que vagavam pelos túmulos (busta) e fogueiras à noite e muitas vezes desempenhavam o papel de enlutadas durante os ritos fúnebres.

  • "Copae" ou "Taverniae" - prostitutas que viviam e negociavam em tavernas e hotéis.

  • "Forariae" - chamou as meninas que periodicamente vêm das aldeias para a cidade para se prostituir.

  • "Famosae" são prostitutas patrícias que não se envergonham de se devassar em bordéis para satisfazer sua luxúria insaciável e depois doar o dinheiro que ganham para templos e altares de deuses reverenciados.

  • "Nani" - eram chamadas de meninas que começaram a se prostituir aos seis anos de idade.

  • "Junicae" ou "vitellae" são prostitutas bbw.

  • "Noctuvigines" - prostitutas que perambulavam pelas ruas e se dedicavam ao seu comércio exclusivamente à noite.

  • "Ambulatrices" - prostitutas que se vendiam nas ruas mais movimentadas.

  • "Scorta desvia" - prostitutas que recebiam seus clientes em casa, mas para isso ficavam constantemente nas janelas de suas casas para atrair a atenção dos transeuntes.

  • "Subrurranae" - a classe mais baixa de prostitutas - moradores do subúrbio romano de Suburra habitado exclusivamente por ladrões e prostitutas.

  • "Schaeniculae" - prostitutas que se entregavam a soldados e escravos. Eles usavam cintos de cana ou palha como sinal de seu ofício vergonhoso.

  • "Diobalares" ou "diobalae" é o nome de prostitutas velhas e desgastadas que exigiam apenas dois ases por amor. Plauto diz em seu Pennulus que os serviços desse tipo de prostitutas eram usados ​​exclusivamente por escravos inúteis e pelas pessoas mais baixas.

Era igualmente ofensivo para todas as prostitutas serem chamadas de "scrantiae", "scraptae" ou "scratiae" - muito palavrões, significando aproximadamente um penico ou assento de vaso sanitário.


Uma latrina no Lupanar --- By Camillo Ferrari - Own work, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=72969357

CURIOSIDADE:


Como o bordel não tinha abastecimento de água próprio, a água tinha que ser trazida de fontes comunitárias próximas. Uma fonte, ao sul do bordel, estava localizada perto da seção transversal entre Vicolo del Lupanare e Via dell'Abbondanza. Outra fonte pode ser encontrada no cruzamento da Via Stabiana com a Via della Fortuna. Uma terceira fonte estava localizada a oeste do Lupanar, na interseção de Vicolo della Maschera e Vicolo del Balcone Pensile.

Esperava-se que as prostitutas buscassem água para levar ao bordel para limpeza, barbear e outras práticas de cuidado corporal. Embora sua função principal fosse satisfazer o apetite sexual do cliente, elas também eram responsáveis ​​por manter a limpeza e a ordem do bordel. [6] Após o uso, as prostitutas descartavam a água usada nas ruas ou becos.


$$$$$$


O Lupanar de Pompéia não era apenas um local de prostituição, mas também um local de lazer para os homens locais. Embora indivíduos de classe alta recebessem tratamento elevado dentro dos bordéis, trabalhadores e escravos eram conhecidos por frequentar a instituição para relaxamento, socialização e gratificação sexual.


O bordel era um modelo de negócio altamente lucrativo que envolvia um sistema de investimento especializado que passava por grupos de cafetões e aluguel de escravas. Os cafetões geralmente determinavam os preços, especialmente se a prostituta fosse uma escrava.

Mesmo uma prostituta barata ganhava duas ou três vezes mais do que um trabalhador não qualificado, tornando os lupanars lucrativos para mestres, cafetões e proprietários.

Grande parte dos lucros do bordel foram obtidos em atividades além dos atos sexuais. O Lupanar também funcionava como um bar, pois as prostitutas faziam e vendiam bebidas para visitantes e clientes. Também foi notado que as próprias prostitutas eram conhecidas por beber para resistir à violência que tantas vezes enfrentavam.


Prostitutas também foram registradas por terem oferecido cuidados corporais e pessoais aos clientes. Vasos de bronze de abas largas restantes foram encontrados nas ruínas do bordel. Esses vasos eram mais comumente encontrados ao lado de itens de higiene pessoal ou produtos de higiene pessoal, o que levou os estudiosos a acreditar que esses vasos provavelmente eram usados ​​para banho e limpeza de clientes.


Outra evidência de práticas de cuidado corporal foram os raschiatoio ou "raspadores" encontrados próximos às bacias hidrográficas. Isso também levou os estudiosos a acreditar que as prostitutas raspariam os pelos faciais e corporais dos clientes enquanto estivessem dentro do bordel.


Tais descobertas permitiram que estudiosos e historiadores entendessem melhor o uso da água dentro do bordel e por que era lucrativo que as prostitutas fossem constantemente às fontes próximas para reabastecer e esvaziar os recipientes de água.


A misoginia desenfreada da Roma Antiga era muito prejudicial para todas as mulheres de classe baixa, como exemplificado em seus apelidos de "lobas". Os homens romanos de classe alta identificariam intencionalmente qualquer mulher de classe baixa como prostituta, especialmente se ela trabalhasse fora de casa ou ao lado de homens que não fossem membros diretos da família.

A prostituição e a religião


O Triunfo de Flora (ca. 1743), uma interpretação Barroca italiana com base em Ovídio, por Giovanni Battista Tiepolo

As prostitutas tinham um papel em vários antigas cerimonias religiosas, principalmente no mês de abril.

No dia 1º de abril, as mulheres honravam Fortuna Virilis, no dia da Veneralia, um festival em honra a Vênus.

A deusa Fortuna Virilis era cultuada exclusivamente pelas mulheres, pois estas achavam que a deusa fortuna virilis tinha o poder de esconder os defeitos das mulheres dos olhos dos homens que elas amavam.

De acordo com Ovídio,prostitutas juntavam-se às mulheres casadas (matronae) no ritual de purificação e do culto a estátua da Fortuna Virilis.

Normalmente, a linha que separava entre as respeitáveis mulheres e as infames era cuidadosamente desenhada: quando uma sacerdotisa andava pelas ruas, assistentes removiam prostitutas, juntamente com outras "impurezas" para fora do seu caminho.

No dia 23 de abril, as prostitutas faziam oferendas ao Templo de Vênus Ericina que havia sido dedicado a ela nessa data em 181AEC., como o segundo templo em Roma, a dedicado a Vênus Ericina (Vênus de Érix), uma deusa associada com as prostitutas. A data coincidia com a Vinalia, um festival de vinho.

No dia 27 de abril, a Florália,era realizada em honra da deusa Flora.Introduzido pela primeira vez cerca de 238 AEC., era caracterizado pela realização de dança erótica e striptease por mulheres caracterizadas como prostitutas.

De acordo com o escritor Cristão Lactancios, "além da liberdade de expressão e inesgotavelmente obscenidade, as prostitutas, no da ralé, tiravam a sua roupa e agiam como mímicas, em plena vista do público, e assim elas continuavam até a completa sensação de saciedade dos espectadores, mantendo que mantinham a atenção em suas nádegas".

Juvenal também se refere ao mulheres nuas dançando, e talvez a prostitutas.


O Triunfo de Flora (ca. 1743), uma interpretação Barroca italiana com base em Ovídio, por Giovanni Battista Tiepolo

BONUS FINAL:

Descubra o significado da expressão "Idade da loba"




 

 

Me segue no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora


FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA



Obrigado pela leitura e até o próximo POST

FLAVIO AMATTI FILHO


Bibliografia, Fontes e Referencias:

  1. «Seeing the Past: Sex, Sight, and Societas in the Lupanar, Pompeii». Consultado em 11 de maio de 2007. Arquivado do original em 20 de novembro de 2012

  2. ↑ John R. Clarke (1998). Looking at lovemaking: constructions of sexuality in Roman art, 100 B. C.-A. D. 250. Berkeley: University of California Press. ISBN 0-520-20024-1

  3. ↑ Koninklijke Brill NV, Leiden, 2002ff. BNP 2, 790-791

  4. Ir para:a b CIL IV. 2175

  5. ↑ Franklin, James L. (abril de 1986). «Games and a Lupanar: Prosopography of a Neighborhood in Ancient Pompeii». The Classical Journal. 81 (4): 319–328. Consultado em 18 de maio de 2007

  6. O mundo de Pompeia . John Joseph Dobbins, Pedar William Foss. Londres: Routledge. 2007. ISBN 978-0-415-17324-7. OCLC 74522705 .

  7. ^ Lacroix P História da prostituição entre todos os povos do mundo desde a antiguidade mais remota até os dias atuais Traduzido do francês original por Samuel Putnam Vol 3 1926 .

  8. ^Saltar para:a b c "O bordel de Pompeia". www.pompeii.org.uk. Recuperado 2022-04-27 .

  9. ^ "Vendo o Passado: Sexo, Visão e Societas no Lupanar, Pompeia" . Arquivado do original em 20 de novembro de 2012 . Recuperado 2007-05-11 .

  10. ^ Franklin Jr., James L. (1986). Jogos e um Lupanar: Prosopografia de um Bairro na Antiga Pompéia . O Jornal Clássico.

  11. ^Saltar para:a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Levin-Richardson, Sarah (2019). O Bordel de Pompéia: Sexo, Classe e Gênero à Margem da Sociedade Romana. Cambridge: Cambridge University Press.

  12. ^ Helbig, Wolfgang (1868). Die Wandgemälde der vom Vesuv verschütteten Städte Campaniens . Breitkopf und Härtel: Leipzig.

  13. ^ Gardner, JF (1993). Ser Cidadão Romano . Londres.

  14. ^ Mazzoni, Cristina (2010). Loba: a história de um ícone romano . Cambridge [Inglaterra]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-19456-3.

  15. ^ McGinn, Thomas AJ (2004). A economia da prostituição no mundo romano: um estudo da história social e do bordel ([reimpresso] ed.). Ann Arbor, MI: Univ. da Michigan Press [ua] pp. 7–8 . ISBN 978-0472113620.

  16. ^ John R. Clarke (1998). Olhando para o ato de fazer amor: construções da sexualidade na arte romana, 100 aC-250 dC . Berkeley: University of California Press. ISBN 0-520-20024-1.

  17. ^ Pollini, John (2010). "Fazer amor e voyeurismo na arte e cultura romanas: a Casa do Centenário em Pompéia" (PDF) .

  18. ^ Koninklijke Brill NV, Leiden, 2002ff. BNP 2, 790–791

  19. ^ Sandra R. Joshel, Lauren Hackworth Petersen (2014). A vida material dos escravos romanos (edição de capa dura). Cambridge University Press. pág. 1. ISBN 978-0521191647.

  20. ^Saltar para:a b c d e Levin-Richardson, Sarah (2005). "Sexo, Visão e Societas no Lupanar, Pompeia". Universidade de Stanford..

  21. ^ CIL IV. 2175; observação de JN Adams, The Latin Sexual Vocabulary (Johns Hopkins University Press, 1982, 1990), p. 120 on-line.

  22. ^ Thomas A McGinn, A Economia da Prostituição no Mundo Romano (University of Michigan Press, 2004), p. 162.

  23. ^ Franklin, James L. (1984). "Jogos e um Lupanar: Prosopografia de um Bairro na Antiga Pompéia". O Jornal Clássico . 81 (4): 319–328. JSTOR 3297215 .

  24. ^ Levin-Richardson, Sarah (2019). O Bordel de Pompéia: Sexo, Classe e Gênero à Margem da Sociedade Romana . Cambridge University Press. pág. 243. ISBN 9781108655040.

  25. ^Saltar para:a b Madenholm, Terry (9 de março de 2022). "Uma Breve História da Prostituição na Grécia e Roma Antigas". Haaretz.

  26. ^Saltar para:a b Wellman, Heath (2003). "Sexo e muita arte erótica para provar isso: a arte erótica de Pompéia".

  27. ^ CIL IV. 4.2275.

  28. ^ Rispoli, Paola; Paone, Rosário; de Carolis, Ernesto (2007). Rivista di Studi Pompeiani . pp. 143–146.

  29. ^ Helbig, Wolfgang (1868). Die Wandgemälde der vom Vesuv verschütteten Städte Campaniens . Leipzig: Breitkopf und Härtel.

  30. ^ Guzzo, Pier Giovanni; Ussani, Vincenzo Scarano (2000). Veneris figurae: immagini di prostituzione e sfruttamento a Pompei . Nápoles: Electa Napoli.

  31. ^ Fiorelli, Giuseppe (1862). Giornale degli scavi di Pompei . Nápoles: Stamperia della R. Università.

  32. ^ Levin-Richardson, Sarah (2019). O Bordel de Pompéia: Sexo, Classe e Gênero à Margem da Sociedade Romana . Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 9781108655040.

  33. ^ McGinn, Thomas (1998). Prostituição, Sexualidade e Direito na Roma Antiga . Oxford: Oxford University Press.

  34. ^ Bradley, Keith (1987). Escravos e senhores no Império Romano: um estudo sobre controle social . Oxford: Oxford University Press.

  35. ^ Samosata, Luciano (120). Diálogos das Cortesãs .

  36. ^ Thurmond, David (1994). Ateneu . pp. 459–493.

  37. ^ Trimble, Jennifer (2002). A Antiga Arte da Emulação: Estudos de Originalidade e Tradição Artística do Presente à Antiguidade Clássica . Ann Arbor: Imprensa da Universidade de Michigan. pp. 225–248.

  38. ^ Levin-Richardson, Sarah (2019). O Bordel de Pompéia: Sexo, Classe e Gênero à Margem da Sociedade Romana . Cambridge University Press. ISBN 9781108655040.

  39. ^ McGinn, Thomas AJ (2004). A economia da prostituição no mundo romano: um estudo da história social e do bordel . Ann Arbor: Imprensa da Universidade de Michigan.

  40. ^Saltar para:a b Joshel, Sandra R. (2006). McGinn, TAJ (ed.). "Prostituição no mundo romano". A Revisão Clássica. 56(1): 183–185. doi:10.1017/S0009840X05000958. ISSN0009-840X. JSTOR3873582. S2CID162533310.

  41. ^ Berg, Ria (2010). "Lo speccio di Venere. Riflessioni sul mundus muliebris nella pittura pompeiana." . Nápoles: Atti del X Congresso Internazionale Association Internationale pour la peinture murale antique.

1 comentario


Exs
Exs
17 jul 2023

Maravilhoso artigo .


Formou-se na mente um filme, sobre essa questão da prostituição em Rima,.porem ,.o caso das prostitutas nanis foi o que mais me assustou .

Me gusta
30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page