top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

1816 EC - O ano em que não houve verão e o monstro de Mary Shelley

Atualizado: 1 de nov. de 2023

O chamado "Ano Sem Verão" – 1816 – pertence a um período de três anos de severa deterioração climática de alcance global causada pela erupção do Monte Tambora na Indonésia em abril de 1815.


Com a queda das temperaturas e a interrupção dos principais sistemas climáticos, as comunidades humanas em todo o mundo enfrentaram falhas nas colheitas, doenças epidêmicas e distúrbios civis em uma escala catastrófica.


Em termos culturais, o verão sombrio de 1816 é mais conhecido como o cenário para a escritora de Frankenstein por Mary Shelley.


Um romance cuja icônica Criatura oferece uma figura para os milhões de famintos e despossuídos da Europa durante a prolongada emergência climática que se seguiu à erupção do vulcão Tambora.


É o que vamos entender nesse artigo repleto de história e curiosidades.

Preparados ? Então, vamos lá !!


ENTENDENDO O CONTEXTO:


1816 foi uma época em que a esmagadora maioria da população mundial dependia da agricultura de subsistência, vivendo precariamente de colheita em colheita.

Quando as colheitas falharam naquele ano, e novamente no ano seguinte, o caos estava instaurado.

Legiões de pessoas que viviam nas regiões rurais, eram famintas; desde a China até a Irlanda, pessoas saiam dos campos para comercializar nas cidades, pedir esmolas ou até mesmo, vender seus filhos em troca de comida.

Nesse cenário, doenças advindas da fome, cólera e tifo, perseguiram o globo terrestre, da Índia até a Itália, enquanto o preço do pão e do arroz, os alimentos básicos do mundo, disparava de forma galopante.

Tudo isso, adicionado a um continente europeu que se encontrava devastado pelas guerras napoleônicas, com dezenas de milhares de veteranos desempregados que se viram incapazes de alimentar suas famílias.

Eles deram vazão ao seu desespero em tumultos nas praças da cidade e campanhas de incêndio criminoso de estilo militar, enquanto os governos em todos os lugares temiam a revolução.

Tanto que a Nova Inglaterra, em 1816, foi apelidada de "Oitocentos e Congelados até a Morte", enquanto os alemães chamavam 1817 de "O Ano do Mendigo".

Em termos de sua presença duradoura no folclore, bem como seu status na literatura científica, o verão frio de 1816 foi o evento meteorológico mais significativo do século XIX.

O período de emergência climática global de 1816-18, como um todo, nos oferece uma janela clara para um mundo convulsionado por anomalias climáticas, com comunidades humanas em todos os lugares lutando para se adaptar a mudanças repentinas e radicais nos padrões climáticos e a um consequente tsunami de fome, doença, deslocamento e agitação. O verdadeiro significado de CAOS !!!


Nesse sentido, estar vivo nos anos 1816-18, em quase qualquer lugar do mundo, significava estar com fome.
Em todo o mundo, durante o chamado "Ano Sem Verão" – que foi, de fato, uma crise climática de três anos – as colheitas pereceram em geadas e secas ou foram levadas pelas chuvas de inundação.

Aldeões em Vermont (Vermont é um estado da região da Nova Inglaterra, nos Estados Unidos) sobreviviam comendo ouriços e urtigas cozidas, enquanto os camponeses de Yunnan (província no sudoeste da China), bebiam argila branca.

Turistas de verão que viajam para a França confundiam mendigos, que se aglomeravam nas estradas com exércitos em marcha.

Um desses grupos de turistas ingleses, em sua vila à beira do lago perto Genebra, passaram longos e longos dias, de enorme frio e de muitas colheitas queimadas pelo fogo, escrevendo histórias de fantasmas.

Apesar da fama do romance Frankenstein de Mary Shelley – a produção literária de assinatura do "Ano Sem Verão" – o escopo global da emergência climática no pós-acidente imediato ao período de Waterloo permanece pouco conhecido.


O VULCÃO TAMBORA


A caldeira do cume do vulcão do Monte Tambora, na Indonésia - Foto pública tirada pela NASA.

Mas porque o clima global se deteriorou tão abruptamente em 1815-18 antes de retornar, de repente, ao seu equilíbrio relativo anterior?


A resposta está em um grande evento geológico que ocorreu a praticamente meio mundo de distância da Europa e da América do Norte.


A erupção maciça do Monte Tambora na ilha de Sumbawa nas Índias Orientais Holandesas (agora Indonésia) em 10 de abril de 1815.


Simplesmente, esse foi o evento vulcânico mais explosivo do registro histórico, e entre as maiores erupções dos últimos 10.000 anos na Terra.

😳


A explosão do Monte Tambora lançou plumas de gás e cinzas a cerca de 43 km da estratosfera - com precipitação distribuída de até 1300 km de distância - e mergulhou toda a região das Índias Orientais na escuridão.


A enorme carga de gases sulfatos que Tambora injetada na estratosfera produziu uma nuvem de poeira aérea composta por até 100 quilômetros cúbicos de detritos.


Esta grande pluma obscureceu o sol em torno da Terra na linha do equador em questão de semanas antes de derivar para os polos, causando estragos nos principais sistemas climáticos do mundo por quase três anos.


A erupção em si teve um impacto imediato devastador na região das Índias Orientais: suas 90.000 mortes são a maior mortalidade de qualquer evento vulcânico conhecido.


Mas a interrupção de três anos de Tambora do sistema climático global – incluindo uma queda nas temperaturas médias entre 3 ° F ( -16,11° C) e 6 ° F (-14,11° C) e graves interrupções na precipitação sazonal – significaram um desastre em escalas muito maiores para as comunidades humanas pré-industriais em todo o mundo, incluindo as economias relativamente avançadas da região transatlântica.



Um breve resumo dos impactos históricos do Tambora


Panorama da caldeira do Monte Tambora, julho de 2017


- Ao enfraquecer a administração colonial europeia e criar uma crise alimentar de anos para a população local, o desastre de Tambora alterou o equilíbrio político de poder no Sudeste Asiático, fortalecendo os sistemas indígenas de pirataria e escravidão contra influências ocidentalizantes.


- O véu de poeira de sulfato de Tambora interrompeu as monções do sul da Ásia por três anos consecutivos, provocando uma crise climática sustentada, que criou condições para o nascimento da cólera moderna e epidêmica em Bengala em 1817, e que gradualmente se espalhou por todo o mundo no século XIX, matando milhões de pessoas.


- Do outro lado das montanhas no sudoeste da China, o controle imperial enfraqueceu durante as fomes do período Tambora, gerando rebelião étnica contra a dinastia Qing e permitindo que o comércio de ópio florescesse no narcoestado de Yunnan, que mais tarde se tornou o centro global de produção de papoula.


- Enquanto isso, do outro lado da divisão hemisférica na Europa Ocidental, algumas centenas de milhares de pessoas morreram de fome e doenças, enquanto grandes ondas de refugiados ambientais rurais, expulsos de suas casas pelo clima do Tambora, invadiram as cidades ou se dirigiram para o leste da Rússia e oeste para a América.


- Mais ao norte, o aquecimento do inverno vulcânico entre 1815 e 1818 derreteu o bloco de gelo do Ártico, levando a primeira corrida de nações para o Polo Norte.


- As façanhas de Kotzebue, Parry e Franklin lançaram a exploração ártica como uma fantasia cultural definidora do século XIX.


- Finalmente, nos Estados Unidos, em 1816 produziu o único exemplo registrado de crescimento zero de árvores, dedutível do anel ausente nos carvalhos do Nordeste.


Os agricultores de lá sofreram sua estação de crescimento mais curta de todos os tempos, interrompida por geadas brutais de verão, e deixaram a Nova Inglaterra em massa para as terras prometidas de Ohio e Pensilvânia, enquanto a criança, fronteira Centro-Oeste aproveitou o momento para garantir uma posição como um grande produtor agrícola para a nação e o mundo atlântico.


Como o esboço acima sugere, uma história global do evento de Tambora é vertiginosa em escala e difícil de articular em termos historiográficos convencionais. De fato, as dimensões ecológicas completas de Tambora só se tornaram aparentes a partir da década de 1980, devido aos avanços nas técnicas de coleta de dados dos paleoclimatologistas.


Desde então, as reivindicações da importância geo-histórica de Tambora tornaram-se mais convincentes com a publicação de cada trabalho de pesquisa detalhando o sinal climático excepcionalmente alto de 1816, registrado em todos os lugares das plataformas de gelo do Antártica para as florestas da Nova Inglaterra.


Em 1816-17, a escala do sofrimento humano em Genebra, na Suíça estava entre as piores da Europa.


Já eram 130 dias de chuva entre abril e setembro de 1816 que encheram as águas do Lago de Genebra, inundando a cidade, enquanto nas montanhas a neve se recusou a derreter (Posto 21).


Quando as colheitas mingaram, e milhares morreram de fome durante a última fome da Europa continental, e enquanto o número de desabrigados indigentes chegou a centenas de milhares de pessoas, a mortalidade em 1817 foi mais de 50% maior do que sua taxa já elevada no ano de guerra de 1815.


Em todos os lugares, aldeões desesperados recorriam a uma dieta de fome lamentável dos "alimentos mais repugnantes e antinaturais – carcaças de animais mortos, forragem de gado, folhas de urtigas, comida suína..." (Posto 128).


O estresse generalizado sobre o fornecimento de alimentos provocou ondas de protestos sociais violentos em todo o continente. Tumultos eclodiram nos condados da Ânglia Oriental, na Inglaterra, lar do pintor John Constable, já em maio de 1816.


Trabalhadores armados carregando bandeiras com o slogan "Pão ou Sangue" marcharam sobre a cidade catedral de Ely, manteve seus magistrados reféns e travou uma batalha campal contra a milícia.


Constable, um pintor, ficou escandalizado, e suas visões idealizadas do clima rural e do trabalho rural em suas pinturas de 1816 "The Wheatfield" e "Flatford Mill, " quando visto através de uma lente de Tambora, aparece como o manifesto pictórico de um conservador em apuros.



Pintura - The Wheatfield - 1816

Em março de 1817, mais de 10.000 pessoas se manifestaram em Manchester, enquanto em junho, a chamada "Revolução Pentrich" envolveu planos para invadir e ocupar a cidade de Pentrich. Nottingham.


O exército foi chamado para reprimir distúrbios semelhantes em Escócia ePaís de Gales. Diante dessa onda de crime e insurreição, as prisões provinciais se encheram de transbordamento por todo o reino. Dezenas de manifestantes foram posteriormente enforcados ou transportados.


Na França, as autoridades concentraram-se em manter a acessibilidade do pão na capital. Paris, a sede da revolução apenas algumas décadas antes. A agitação foi correspondentemente séria nas províncias negligenciadas, com tumultos crônicos nas cidades mercantis e regiões inteiras no ponto de inflexão da anarquia.


De acordo com John Post, historiador econômico do período Tambora, a experiência de escassez sustentada de alimentos e subsequente instabilidade social estimulou os governos à mudança autoritária e para a direita que associamos à paisagem política da Europa pós-napoleônica (165). O medo do déficit agrícola também motivou os líderes políticos a adotarem políticas protecionistas. É no período de Tambora que as tarifas e os muros comerciais surgiram pela primeira vez como características padrão do sistema econômico europeu e transatlântico.


Mas as transformações políticas moldadas pela emergência de Tambora não eram todas de caráter reacionário. Por exemplo, os governantes britânicos da Irlanda, embora parcimoniosos em termos de ajuda humanitária, foram levados a conceituar e começar a criar uma burocracia moderna de saúde pública, tanto para lidar com emergências em escala nacional quanto para desenvolver políticas que respondessem aos chamados, em resposta à grande epidemia de tifo de 1817-18, por um novo, sistema preventivo de gestão em saúde pública. Em 1817, o Parlamento Britânico aprovou a histórica Lei de Emprego Pobre, enquanto o secretário-chefe irlandês, Robert Peel, criou um comitê nacional de febre que evoluiu para se tornar o primeiro Conselho de Saúde nos domínios britânicos.


A mesma tendência geralmente positiva foi detectável em toda a Europa Ocidental. Vitalmente, para a subsequente história de longo prazo da Europa, a grande escala do trauma de 1816-18 iniciou a reeducação das elites políticas no período pós-napoleônico quanto às suas responsabilidades humanitárias para com seus cidadãos. No processo, enfraqueceu o domínio da ideologia laissez-faire extrema que caracterizou a primeira fase da modernização industrial europeia. Da tragédia global de Tambora, pode-se argumentar, surgiram os rudimentos do Estado liberal moderno. Ao mesmo tempo, porém, seria errado sobrestimar o ritmo dos progressos.


Em muitos casos, as leis e estatutos progressistas que emergiram da crise de 1816-18 não foram aplicados, e a retórica humanitária em evolução do início do século XIX permaneceu apenas isso.

E nesse contexto, o evento global provocado pela erupção do vulcão Tambora, oferece um pano de fundo convincente para as histórias bem conhecidas da produção literária romântica no período pós-Waterloo imediato, especialmente o do círculo de Mary Shelley.

A mente doentia de Mary Shelley e o seu monstro FRANKSTEIN


O mau tempo e a situação caótica dos meses de verão em 1816 é um toque especial da imaginação tenebrosa de Mary Shelley - autora, dramaturga, ensaísta, biógrafa e escritora de literatura de viagens, mais conhecida por seu romance gótico, Frankenstein: ou O Moderno Prometeu (1818).


Mary Wollstonecraft Shelley, batizada Mary Wollstonecraft Godwin (Somers Town, Londres, 30 de agosto de 1797 – Chester Square, Londres, 1 de fevereiro de 1851), mais conhecida por Mary Shelley, foi uma escritora britânica, filha do filósofo William Godwin e da feminista e escritora Mary Wollstonecraft.

Mary Shelley.

Ela também editou e promoveu os trabalhos de seu marido, o poeta romântico e filósofo Percy Bysshe Shelley, com quem se casou em 1816, após o suicídio de sua primeira esposa.


De mente doentia e perturbada, em uma carta para sua meia-irmã Fanny Imlay, em sua chegada a Genebra, Mary descreve – em linguagem arrepiante que logo encontraria seu caminho para Frankenstein – sua ascensão do Alpes «no meio de uma violenta tempestade de vento e de chuva» (Cartas 1, 17).



Franckstein - ator Bela Lugosa

Robert de Niro em O Frankenstein de Mary Shelley


Acima, trailler do filme, lançado em 1994 - Frankenstein de Mary Shelley (apenas mais um na longa fila de centenas de obras que adaptaram a obra).


ATORES:

Kenneth Branagh como o cientista louco Victor Frankenstein, e Robert De Niro como a Criatura (também chamado de Criação, ou Monstro), além de Tom Hulce, Helena Bonham Carter, Aidan Quinn, Ian Holm, Eric Idle e outros.



 

continuando .....


O frio era "excessivo" e os aldeões que lá estavam queixavam-se do atraso do sol nascente. Em sua descida alpina dias depois, uma tempestade de neve fora de época arruinou sua vista de Genebra e seu famoso lago.


E em sua resposta, Fanny expressa sua simpatia pela má sorte de Mary, relatando que era "terrivelmente triste e chuvoso" na Inglaterra, também, e muito frio. (Kingston Stocking1:48)


A famosa segunda carta de Mary para Fanny é um dos documentos mais vívidos que temos do clima vulcânico enlouquecido durante o verão de 1816:


"Uma chuva quase perpétua nos confina principalmente à casa", escreveu Mary no dia primeiro de junho das margens do Lago de Genebra.


"Uma noite, desfrutamos de uma tempestade mais fina do que eu jamais tinha visto. O lago foi iluminado — os pinheiros de Jura tornaram-se visíveis, e toda a cena iluminou-se por um instante, quando uma escuridão em pleno breu sucedeu, e o trovão veio em rajadas assustadoras sobre as nossas cabeças no meio da escuridão" (Cartas 1:20).


Na mesma linha, é importante lembrar que a miséria do período Tambora na Europa – anos de fome, doenças e falta de moradia – foi suportada esmagadoramente pelos pobres, que deixaram escassos registros de seus sofrimentos.


Para a maioria daqueles pertencentes às classes média e alta – incluindo os Shelleys e seu círculo – a agitação social e econômica daqueles anos apresentou apenas pequenos inconvenientes.

Em contraste com a subclasse analfabeta, esses europeus ricos deixaram relatos volumosos de suas vidas. Olhar apenas para o seu registro documental, portanto, pode deixar a impressão enganosa de que os anos Tambora não foram excepcionais na história do início do século XIX.

É necessário examinar cuidadosamente o que eles escreveram em busca de pistas para a experiência dos milhões silenciosos que sofreram deslocamento, fome, doença e morte naquele momento.

A partir da bolha de privilégio dentro da qual pessoas educadas, como os Shelleys e seus amigos, compunham seus brilhantes versos e letras, é possível captar brilhos desse outro mundo ignorante pelo qual eles passavam em sua maioria alheios.

Em seu relato da noite tempestuosa em Genebra, quando concebeu seu famoso romance, Shelley imagina Frankenstein acordando de um pesadelo para encontrar sua criação hedionda ao lado de sua cama, "olhando para ele com olhos amarelos, lacrimejantes, mas especulativos" (196).



Projeto de Frankenstein ("Foi numa noite triste de novembro que eu contemplei meu homem completo...")

A descrição é uma reminiscência de numerosas impressões de mendigos europeus neste período. Um turista inglês, viajando de Roma para Nápoles, em 1817, comentou sobre "o aspecto lívido dos miseráveis habitantes desta região".

Quando perguntados como eles viviam, esses "espectros animados" responderam simplesmente: "Nós morremos" (Matthews 192-3).


Desde o início, então, a conjuração imaginativa de Shelley de sua famosa criatura carrega a marca da população europeia faminta e doente pela qual ela foi cercada em 1816-18.

Como as hordas de refugiados famintos espalhando tifo por todo o continente durante a escrita do romance por Shelley, a Criatura em Frankenstein é um andarilho e uma ameaça percebida para a sociedade civilizada.

No romance, essa capacidade assassina é atribuída à força sobrenatural do monstro, mas a atmosfera aterrorizante de sua fúria, e sua capacidade de atacar à vontade através de milhares de quilômetros, parece mais com a propagação de uma fome ou contágio.


Em suma, uma vez que o elemento sobrenatural da criação do monstro é deixado de lado, a experiência da criatura de Mary Shelley incorpora mais de perto a degradação e o sofrimento dos pobres europeus sem-teto no período Tambora, enquanto a violenta repulsa de Frankenstein e todos os outros em relação a ele espelha a total falta de simpatia mostrada pelos europeus mais ricos em relação aos milhões de Tambora.

A fim de cumprir os desejos de Mary Shelley, Percy Florence e sua esposa Jane exumaram os caixões dos pais de Mary Shelley e enterraram-nos com ela em Bournemouth - Inglaterra -- Foto por LordHarris em pt.wikipedia

As vítimas do inóspito clima sofrem de fome, doenças e a perda de suas casas e meios de subsistência. Como a próprio criatura se coloca, ele sofreu primeiro "da inclemência da estação", mas "ainda mais da barbárie do homem".


CURIOSIDADE: Baseado em fatos reais?! Os experimentos que inspiraram a história de Frankenstein






BONUS: O VULCÃO DO MONTE TAMBORA


A explosão foi ouvida na ilha de Sumatra (mais de 2 000 km distante).


Uma enorme queda de cinza vulcânica foi observada em locais distantes como nas ilhas de Bornéu, Celebes, Java e arquipélago das Molucas.


A atividade começou três anos antes, de uma forma moderada, seguindo-se a enorme explosão que lançou material a uma altura de 33 km, que, no entanto, ainda não foi o ponto culminante da atividade.


Cinco dias depois, houve material eruptivo lançado a 44 km de altura, escurecendo o céu num raio de 500 km durante três dias e matando cerca de 60 000 pessoas, havendo ainda estimativas de 71 000 mortos, das quais de 11 a 12 mil mortas diretamente pela erupção; a frequentemente citada estimativa de 92 000 mortos é considerada superestimada.


A erupção criou anomalias climáticas globais, pois não houve verão no hemisfério norte em consequência desta erupção, o que provocou a morte de milhares de pessoas devido a falta de alimento com registros estatísticos confiáveis especialmente na Europa, passando o ano de 1816 a ser conhecido como o ano sem Verão.


Culturas agrícolas colapsaram e gado morreu, resultando na pior carestia do século XIX. Durante uma escavação em 2004, uma equipe de arqueólogos descobriu artefatos que permaneceram enterrados pela erupção de 1815.


Eles mantinham-se intactos sob três metros de depósitos piroclásticos. Neste sítio arqueológico, apelidado "a Pompeia do Oriente", os artefatos foram preservados nas posições que ocupavam em 1815.


Depois da erupção, a montanha do vulcão ficou com metade da altura anterior e formou-se uma enorme caldeira, hoje contendo um lago.







ALERTA !!!!

Erupção de vulcão e terremoto: Havaí encara "combo" de fenômenos naturais


O Mauna Loa, maior vulcão do mundo, entrou em erupção em Dezembro 1922, e junto com ele, o Havaí também tem passado por dezenas de tremores de terra. Saiba como esses dois fenômenos se conectam.




 







E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like e

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora




FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO














Bibliografia, Fontes e Referencias:




Byron, Senhor. "Escuridão." Obras Poéticas Completas. Ed. Jerome J. McGann. Vol 4. Oxford: Clarendon Press, 1986. 40-43. Impressão.

—. Cartas e Diários. Vol. 5. Ed. Leslie A. Marchand. Cambridge: Harvard UP, 1976. Imprimir.

Kingston Stocking, Marion, ed. The Clairmont Correspondence: Cartas de Claire Clairmont, Charles Clairmont e Fanny Imlay Godwin. Vol 1. Baltimore: Johns Hopkins UP, 1995. Imprimir.

Lovell, Ernest J. Seu próprio eu e voz: conversas coletadas de Lord Byron. Nova Iorque: Macmillan, 1954. Imprimir.

Mateus, Henrique. Diário de um Inválido. 2ª ed. Londres, J. Murray, 1820. Imprimir.

Post, John D. A Última Grande Crise de Subsistência no Mundo Ocidental. Baltimore: Johns Hopkins UP, 1977. Imprimir.

Shelley, Maria. Frankenstein [O Texto de 1818]. Ed. Marilyn Butler. Oxford, 1994. Imprimir.

—. As Cartas de Mary Wollstonecraft Shelley. Vol. 1. Ed. Betty T. Bennett. Baltimore: Johns Hopkins UP, 1980. Imprimir.


  1. Stothers, Richard B. (1984). "A grande erupção Tambora em 1815 e suas consequências". Ciência . 224 (4654): 1191–1198. Código Bib : 1984Sci ...224.1191S . doi : 10.1126/science.224.4654.1191 . PMID 17819476 . S2CID 23649251 .

  2. ^ Schurer, Andrew P; Hegerl, Gabriele C; Luterbacher, Jurg; Brönnimann, Stefan; Cowan, Tim; Tett, Simon FB; Zanchettin, Davide; Timmreck, Claudia (17 de setembro de 2019). "Desenredando as causas do ano europeu de 1816 sem verão" . Cartas de Pesquisa Ambiental . 14 (9): 094019. Bibcode : 2019ERL....14i4019S . doi : 10.1088/1748-9326/ab3a10 . ISSN 1748-9326 .

  3. ^ "Saint John New Brunswick Time Date" . Newbrunswick.net . Recuperado em 5 de março de 2012 .

  4. ^ Post, John D. (1977). A última grande crise de subsistência no mundo ocidental . Baltimore: Johns Hopkins University Press. ISBN 978-0801818509.

  5. ^Saltar para:a b Evans, RobertBlast do passado,Smithsonian Magazine. julho de 2002, p. 2

  6. Serious Famine in Yunnan (1815–1817) and the Eruption of Tambola Volcano Fudan Journal (Social Sciences) No. 1 2005, arquivado em 26 de março de 2009 do original

  7. ^Saltar para:a b Facts – Year Without Summer Extreme Earth, Discovery Channel

  8. ^ "夏のない年 de turn-point.info" . Arquivado do original em 11 de setembro de 2019 . Acesso em 28 de setembro de 2017 .

  9. ^ Dai, Jihong; Mosley-Thompson, Ellen; Thompson, Lonnie G. (1991). "Evidência do núcleo de gelo para uma erupção vulcânica tropical explosiva seis anos antes de Tambora" . Journal of Geophysical Research: Atmosferas . 96 (D9): 17, 361–17, 366. Bibcode : 1991JGR....9617361D . doi : 10.1029/91jd01634 . S2CID 8384563 .

  10. ^ "O ano sem verão" Bellrock.org.uk

  11. ^ Sir Thomas Stamford Raffles: Uma História de Java ; Black, Parbury e Allen para o Exmo. Companhia das Índias Orientais 1817; reimpresso na Cambridge Library Collection, 2010.

  12. ^ Ljungqvist, FC; Krusic, PJ; Sundqvist, HS; Zorita, E.; Brattström, G.; Frank, D. (2016). " Por que a estratosfera esfria quando a troposfera esquenta ? " _ _ _ _ _ _ 4405189. Recuperado em 21 de abril de 2016 .

  13. Berkeley Earth lança nova análise arquivada em 21 de outubro de 2012, no Wayback Machine , 29 de julho de 2012

  14. ^ "Recursos de História Ambiental - A Pequena Idade do Gelo, Ca. 1300–1870" . eh-resources.org . Recursos de História Ambiental . Acesso em 17 de abril de 2015 .

  15. ^ "Mínimo de Dalton | fenômeno solar [1790-1830] | Britannica" . www.britannica.com . Recuperado em 4 de setembro de 2022 .

  16. ^Saltar para:a b c d e f Fagan, Brian M. (2000). A Pequena Idade do Gelo: como o clima fez história, 1300-1850 . Biblioteca Oliver Wendell Holmes Academia Phillips. Nova York,:Livros Básicos.

  17. ^Saltar para:a b c Stommel, Henry (1983). Clima vulcânico: a história de 1816, o ano sem verão. Imprensa Sete Mares. ISBN 0915160714.

  18. ^ Warde, Paul; Fagan, Brian (janeiro de 2002). "A Pequena Idade do Gelo. Como o Clima Fez História 1300-1850". História Ambiental . 7 (1): 133. doi : 10.2307/3985463 . ISSN 1084-5453 . JSTOR 3985463 .

  19. ^Saltar para:a b Oppenheimer 2003

  20. "O 'ano sem verão' em 1816 produziu grandes fomes e ajudou a estimular o surgimento do estado administrativo", observa Albert Gore , Earth in the Balance: Ecology and the human spirit , 2000:79

  21. O dilúvio é totalmente descrito em Jean M. Grove, Little Ice Ages, Ancient and Modern (como The Little Ice Age 1988) rev. ed. 2004:161.

  22. ^ último1 = Oppenheimer | primeiro1 = Clive | ano = 2003 | title = Consequências climáticas, ambientais e humanas da maior erupção histórica conhecida: vulcão Tambora (Indonésia) 1815

  23. ^ American Beacon (Norfolk, VA), vol. II, Edição 124 (4 de julho de 1816), 3.

  24. Diário de Sarah Snell Bryant, 1816 Observações, original da Harvard University, Cambridge, Massachusetts; Samuel Griswold Goodrich, Recollections of a Lifetime (Nova York: Auburn, Miller, Orton e Mulligan, 1857), 2:78–79, citado em Glendyne R. Wergland, One Shaker Life: Isaac Newton Youngs, 1793–1865 (Amherst : University of Massachusetts Press, 2006), capítulo 2.

  25. Nicholas Bennet, Domestic Journal, maio-setembro de 1816, Western Reserve Historical Society ms. V:B-68, citado em Wergland, One Shaker Life: Isaac Newton Youngs, 1793–1865, capítulo 2.

  26. ^ William G. Atkins, História de Hawley (West Cummington, Massachusetts (1887), 86.

  27. American Beacon (Norfolk, VA), 9 de setembro de 1816, 3.

  28. ^ "Crops", American Beacon (Norfolk, VA), 13 de setembro de 1816, 3

  29. ^ Columbian Register (New Haven, CT), 27 de julho de 1816, 2.

  30. John Luther Ringwalt, Development of Transportation Systems in the United States , "Início da Turnpike and Bridge Era", 1888:27 observa que a primeira estrada artificial foi a Philadelphia and Lancaster Turnpike , 1792–95, uma rota única de 62 milhas; "parece impossível atribuir ao movimento de pedágio nos anos anteriores a 1810 qualquer melhoria significativa nos métodos de transporte terrestre no sul da Nova Inglaterra, ou qualquer redução considerável no custo do transporte terrestre" (Percy Wells Bidwell, " Rural Economy in New England ", em Transactions of the Connecticut Academy of Arts and Sciences , 20 [1916:317]).

  31. ^Saltar para:a b c Hubbard, Zachary (30 de abril de 2019). "Pinturas no ano sem verão". Filologia. 11(1): 17.doi: 10.21061/ph.173 . ISSN2372-1952.

  32. ^Saltar para:a b c Zerefos, CS; Gerogiannis, VT; Balis, D.; Zerefos, SC; Kazantzidis, A. (16 de abril de 2007). "Efeitos atmosféricos de erupções vulcânicas vistos por artistas famosos e retratados em suas pinturas"(PDF). Discussões de Química Atmosférica e Física. 7(2): 5145–5172. doi: 10.5194/acpd-7-5145-2007 . ISSN1680-7375. Arquivado(PDF)do original em 13 de março de 2020.

  33. ^ "Enxofre e bicicletas" New Scientist, 29 de janeiro de 2005

  34. ^ Nettels, Curtis (1977). A emergência de uma economia nacional . White Plains, NY: ME Sharpe. ISBN 0-87332-096-4.

  35. ^Saltar para:a b c "BBC Radio 4 - Em nosso tempo, 1816, o ano sem verão". BBC. 21 de abril de 2016. Acesso em 21 de abril de 2016.

  36. ^ "Joseph Smith Jr. - Eventos significativos" . Lds.org. Arquivado do original em 28 de agosto de 2004 . Recuperado em 5 de março de 2012 .

  37. ^ Marshall, Alan (2020) Uma erupção vulcânica na Indonésia realmente levou à criação de Frankenstein? The Conversation , edição de 24 de janeiro.

  38. ^Saltar para:a b c d e f Shelley, Mary(1993). Frankenstein. Casa aleatória. pp. xv–xvi. ISBN 0-679-60059-0.

  39. ^ Por que os vampiros nunca morrem por Chuck Hogan e Guillermo del Toro The New York Times 30 de julho de 2009. Recuperado 27 de abril de 2015

  40. ^ John William Polidori. "O Diário do Dr. John William Polidori" . www.gutenberg.org . Acesso em 31 de maio de 2020 .

  41. Byron, George Gordon Noel Byron, sexto Bar (5 de dezembro de 1816), McGann, Jerome J (ed.), "301 Darkness", Lord Byron: The Complete Poetical Works, vol. 4 , Oxford University Press, pp. 41–460, doi : 10.1093/oseo/instance.00072952 , ISBN 978-0-19-812756-7

  42. ^ Wood, CA (1992) Os efeitos climáticos da erupção Laki de 1783 , pp. 58–77 em CR Harrington (Ed.), O ano sem verão? . Museu Canadense da Natureza, Ottawa.

  43. ^ "American Murder Song Treks on With" III. The Reckoning" - Nós somos terror indie" . Nós somos terror indie . 7 de setembro de 2016 . Acesso em 20 de outubro de 2017 .

  44. ^ Gillette, Steve. "Sobre a música: mil e oitocentos e congelado até a morte" . Recuperado em 12 de janeiro de 2021 .

  45. ^ Longo, Chris. "Revisão de Rasputina - Oh Perilous World" . BBC Music . Acesso em 1º de janeiro de 2019 .



Komentarze


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page