top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

Além de Jerusalém: Do Politeísmo ao Monoteísmo - parte 1

Atualizado: 31 de out. de 2023

Conhecida atualmente como uma cidade sagrada, e berço das três religiões abraâmicas (pois derivam da narrativa da peregrinação do Caldeu Abraão e sua família; e que são nesse ordem de surgimento/criação ao longo da história - Judaísmo, Cristianismo e Islamismo), a sua origem é encarada como um fato que não se tem registros verídicos de quando realmente foi fundada, e nem deverá de haver essa tal fundação a partir do zero visto que sabe-se que essa cidade teve três nomes ao longo da história, sendo que o primeiro nome veio de uma outra cidade de origem Cananéia, conforme iremos entender nesse artigo. Boa leitura e aprendizado a todos.


Símbolos das três principais religiões abraâmicas: cristianismo (Cruz cristã), islamismo (crescente) e judaísmo (Estrela de Davi).

Jerusalém destruída pelo Imperador Tito Flavio em 70 EC.

Destruída pelo menos 2 vezes, sitiada 23 vezes, atacada 52 vezes e capturada e recapturada outras 44 vezes, o que se sabe realmente é que a cidade de Jerusalém remonta a época de um povo de religião politeísta que eram os Cananeus. Aliás, .......


O objeto mais antigo encontrado na cidade, foram cerâmicas datados de 3200 a.e.c., período pelo qual coincide com o ano em que as cidades de Canaã surgiram.

Assim sendo, a cidade cananéia, onde hoje se localiza Jerusalém, era primordialmente a cidade de nome “Rushalimum”, que significa “Shalem fundou”.

E porque Shalem ?

É porque Shalem, na mitologia Cananéia, representava a figura de um dos seus principais deuses. Vamos entender melhor.


PANTEÃO DE DEUSES CANANEUS


Então, Shalem , Salem ou Salim, é um deus da religião Cananéia , mencionado em inscrições encontradas na cidade vizinha litorânea de Ugarit (Ras Shamra) na Síria.


Ruínas escavadas da cidade de Ugarite. Foto por Loris Romito

E além disso, Shalim, pela religião Cananéia, é irmão de Shahar, sendo Shalim, o deus do crepúsculo e Shahar, o deus do amanhecer. Mais uma vez, temos aqui a deificação de deuses a partir de eventos climáticos e cosmológicos.


Um mito ugarítico conhecido como "Os Deuses Graciosos e Mais Belos" , descreve Shalim e seu irmão Shahar como descendentes de El, por meio de duas mulheres que ele conhece à beira-mar, e pela narrativa da religião Cananéia, são amamentados por "A Senhora", conhecida como a deusa, Asherah ( Athirat ou Anat ), e têm apetites tão grandes quanto "(um) lábio para a terra e (um) lábio para o céu".
Em outros textos ugaríticos, os dois deuses são associados à deusa do sol.

SENSACIONAL CURSO PARA ENTENDER A CRIAÇÃO DO JUDAISMO, COM A MESTRE ANGELA NATEL.



CLIQUE NO LINK ABAIXO E SAIBA MAIS.....


QUEM É ANGELA NATEL?




Prosseguindo então.......... muitos estudiosos acreditam que o nome Shalim é preservado no nome da cidade de Jerusalém e isso é porque o deus Shalim pode ter sido associado ao crepúsculo e à estrela da tarde nos sentidos etimológicos de "conclusão ou "fim do dia, "pôr do sol" e "paz".


Para os cananeus e a antiga região levantina como um todo, ʼĒl ou ʼIl era o deus supremo, o pai da humanidade e de todas as criaturas.


Ele também gerou muitos deuses, principalmente Baal (deus da tempestade, trovões e raios), Yam (deus do mar e das aguas) e Mot (deus da seca e esterilidade), cada um compartilhando atributos semelhantes aos deuses greco-romanos, tais como : Zeus , Poseidon e Hades , respectivamente.


Dessa forma, conforme registrado nas tábuas de argila de Ugarit , El é o marido da deusa Asherah .

El com dois leões aludindo ao planeta Vênus na alça da faca de Gebel Alaraque

Com isso, agora que vocês já conhecem o Panteão dos principais deuses Cananeus, foi aqui exatamente aqui nesse ponto de puro politeismo que surgiu então aquilo que se chama de Yahwismo, a partir de El.


Yahwismo então, é o nome dado pelos estudiosos modernos à religião da antigo Israel, ou seja, como vimos anteriormente, dos Cananeus, pois ainda não havia o surgimento dos Hebreus nessa época.


Então, o Yahwismo era essencialmente politeísta, com uma infinidade de deuses e deusas encabeçando o panteão estava El, (que depois virou Yahweh, o deus nacional dos reinos israelitas de Israel e Judá), com sua consorte, a deusa Asherah, e abaixo deles estavam deuses e deusas de segundo nível, como Baal , Shamash , Yarikh , Mot eAstarte, todos os quais tinham seus próprios sacerdotes e profetas e contavam com a realeza entre seus devotos, e um terceiro e quarto nível de seres divinos menores, incluindo os mal'ak , os mensageiros dos deuses superiores, que em tempos posteriores se tornaram os anjos do judaísmo , cristianismo e islamismo.


As práticas do Yahwism incluíam festivais, sacrifícios, votos, rituais privados e a adjudicação de disputas legais.

Ao contrário da imagem apresentada na Bíblia hebraica , o Templo em Jerusalém não era o único, ou mesmo o templo central ou o templo de Yahweh, mas o rei era o chefe da religião nacional e, portanto, o vice-rei na Terra do deus nacional, um papel refletido a cada ano quando ele presidia uma cerimônia na qual Yahweh foi entronizado no Templo Sagrado em Jerusalém.


CONCLUSÃO: O centro da religião da antiga Israel, durante a maior parte do período monárquico era a adoração de um deus chamado Yahweh , e por esta razão a religião de Israel é muitas vezes referida como Yahwismo.


Assim sendo, Yahweh, no entanto, não era o deus 'original' de Israel; mas sim, é El , o chefe do panteão cananeu, cujo nome forma a base do nome "Israel", e nenhum dos patriarcas do Antigo Testamento, as tribos de Israel, os juízes, ou os primeiros monarcas, têm um Yahwistic - nome teofóric, (ou seja, um que incorpora o nome de Yahweh).


Não está claro como, onde ou por que Yahweh apareceu no Levante; até mesmo seu nome é um ponto de confusão. A data exata desta ocorrência também é ambígua: o termo Israel entra pela primeira vez nos registros históricos no século 13 aec com a Estela de Merneptah, e enquanto a adoração de Yahweh é atestado circunstancialmente já no século 12 aec.

Há nenhuma atestação ou registro do nome de Yahweh, muito menos a sua origem ou caráter, até cerca de quatrocentos anos depois.


No entanto, muitos estudiosos acreditam que a adoração compartilhada de Yahweh desempenhou um papel no surgimento de Israel no final da Idade do Bronze (por volta de 1200 aec.


PONTOS IMPORTANTES:


Este Israel primitivo era uma sociedade de aldeias rurais, mas com o tempo os centros urbanos cresceram e a sociedade tornou-se mais estruturada e mais complexa, e no século IX aec, Israel foi fundado como um reino com capital em Samaria.


Após o século 10 aec, as tribos e chefias da Idade do Ferro, foram substituídas por estados-nação étnicos.


Em cada reino, o rei também era o chefe da religião nacional e, portanto, o vice -rei na Terra do deus nacional.


Em Jerusalém , isso se refletia todos os anos quando o rei presidia uma cerimônia na qual Yahweh era entronizado no Templo Sagrado.


A Bíblia Hebraica dá a impressão de que o Templo de Jerusalém sempre foi destinado a ser o templo central, ou mesmo único, de Yahweh, só que nao! O mais antigo local de culto israelita conhecido é um altar ao ar livre do século XII nas colinas de Samaria com um touro de bronze que lembra o cananeu "Bull-El" (El na forma de um touro), e os restos arqueológicos de outros templos foram encontrados em Dan, na fronteira norte de Israel, em Arad e Berseba , no deserto de Negev , que já foi parte de Judá.


OU SEJA, o Yahweh, o Deus bíblico do antigo Reino de Israel, cujo nome é composto por quatro consoantes hebraicas (YHWH, conhecido como Tetragrammaton), que o profeta Moisés teria revelado ao seu povo, está representado abaixo.




Após o exílio na Babilônia no século VI aec., e especialmente a partir do século III aec., ao retornar para a "terra prometida" (durante o império persa), os judeus desenvolveram um forte temor ao pecado de idolatria.

O Santo dos Santos em um templo em ruínas em Tel Arad , com duas colunas de incenso e duas estelas, uma para Yahweh e outra provavelmente para Asherah. O templo provavelmente foi destruído como parte das reformas de Josias

A partir desse período, as sinagogas emergiram com a tradição farisaica e a transmissão dos ensinos da Lei.


Nessa época surgiu a popular interpretação do mandamento "Não tomarás em vão o nome de YHWH".

Assim, o termo "Elohim", que significa Deuses, começou a substituir Yahweh, a fim de demonstrar a soberania universal do Deus de Israel sobre todos os outros e ao mesmo tempo, o nome divino era considerado sagrado demais para ser pronunciado.


Por esse motivo, foi substituído vocalmente no ritual da sinagoga pela palavra hebraica Adonai ("Meu Senhor"), traduzida como Kyrios ("Senhor") na Septuaginta - a versão grega das Escrituras Hebraicas.


Os massoretas, escribas judeus, que do século VI ao século X trabalharam para reproduzir o texto original da Bíblia Hebraica, substituíram as vogais do nome YHWH pelos sinais vogais das palavras hebraicas Adonai ou Elohim.


Os estudiosos cristãos de língua latina substituíram o Y (que não existe em latim) por um I ou um J.


Assim, o tetragrammaton se tornou o nome latino Jeová ou JeHoWaH.


O nome do Deus bíblico

Em Êxodo 3:13-15, Moisés pergunta a Deus qual é Seu nome e sua resposta é: "Eu Sou o que Sou".


Deus também lhe diz que deve apresentá-lo aos israelitas como YHWH (que se parece com a expressão "Eu Sou" em hebraico).


Após o livro de Êxodo, no livro de Samuel, Deus é conhecido pelo nome de "Yahweh Teva-ot" ou "Ele traz as hostes à existência". As hostes possivelmente se referem à corte celestial ou a Israel.


O nome pessoal de Deus era provavelmente conhecido antes da época de Moisés. O nome da mãe de Moisés, por exemplo, era Joquebede (Yokheved), uma palavra baseada no nome de Javé. Assim, a tribo de Levi, à qual Moisés pertencia, provavelmente conhecia o nome Yahweh, que originalmente poderia ter sido uma forma abreviada, como Yo, Yah ou Yahu.



 

SENSACIONAL CURSO - A ORIGEM DE YAHWEH - COM ANGELA NATEL

CLIQUE NO LINK ABAIXO E SAIBA MAIS NO VIDEO.






 

O DIA DE JERUSALÉM - INFLUÊNCIA EGIPCIA.


Imagem em um fragmento de pithos encontrado em Kuntillet Ajrud , na Península do Sinai, no Egito , com a inscrição " Yahweh e sua Asherah "

No mês de maio, mais precisamente na noite de quinta-feira, 18 de maio de 2023 para a noite de sexta-feira, 19 de maio de 2023, é comemorado, o dia de JERUSALEM !


Dia de Jerusalém no Calendário Gregoriano

  • 2022: 29 de maio

  • 2023: 19 de maio

  • 2024: 5 de junho

  • 2025: 26 de maio

  • 2026: 15 de maio

  • 2027: 4 de junho

  • 2028: 24 de maio

Então esse artigo nos traz um momento adequado para se conhecer de onde esta cidade, engolfada em luta sangrenta, desde a era pagã até hoje, recebeu o seu nome atual, e como o inglês "Jerusalem" e o hebraico "Yerushalaim" evoluíram do mesma palavra antiga, e de onde veio o nome árabe "Al-Quds


(Al-Quds (em árabe: القدس, lit. ' O Sagrado ') é um nome árabe para Jerusalém.)".


Seguindo as evidências arqueológicas encontradas até agora, Jerusalém foi fundada há cerca de 6.000 anos através de um rebatizamento de seu nome vindo do nome "Rushalimum" que é uma cidade na mesma localidade geográfica e era conhecida como inimiga do faraó em uma antiga lista egípcia datada do século 19 aec, cerca de 4.700 anos atrás.


E ainda, de acordo com estudos do século XX a.e.c., a região de Canaã era povoada por egípcios, que espalharam pelas cidades a cultura egípcia daquela época. Aliás, em 1800 a.e.c, foram encontrados artefatos que relacionam as atividades egípcias na região.


Os registros egípcios ainda mostram que, por volta do século XVIII a.ec., Jerusalém era uma cidade liderada pela figura de um rei e ainda, após os registros dos egípcios, os historiadores não possuem evidências que relatam o que aconteceu em Rushalimum/Jerusalém entre os séculos XVIII a.e.c. e XIV a.e.c., a cidade de Rushalimum/Jerusalém tenha ficado totalmente vazia.


NOTA: Esse fato de ter ficada vazia nesse período vai de encontro ao artigo de minha autoria IMPERIUM AKKAD - O PRIMEIRO IMPÉRIO MULTIÉTNICO DA HUMANIDADE, e que está na EDIÇÃO 04 DO ALMANAQUE ARQUEOHISTÓRIA de 18/05/2023.

Nesse sentido, historiadores encontraram as primeiras menções à cidade de Rushalimum/Jerusalém através de vasos antigos. Os vasos foram construções egípcias que faziam parte de um ritual com o intuito de ameaçar aquela cidade, entretanto, não se sabe o real motivo do ritual de ameaça, já que a cidade, na época, não representava expressividade dentre as cidades de Canaã.


Com isso, os registros que realmente evidenciam a história da cidade só começaram a ser conhecidos a partir do século XIV a.e.c. e no século XV a.e.c., os povos hurritas invadiram a região de Canaã e dominaram também, a cidade de Rushalimum/Jerusalém, sendo que durante esse período, Abdi-Hepa foi quem governou a cidade.


PARA RELAXAR, UM TOUR 360 graus POR JERUSALÉM.


Localização da cidade de Jerusalém

Após isso, os hurritas – povo da Macedônia – estabelecerem influência sobre a região de Canaã, e os egípcios foram perdendo o interesse nas cidades daquela região e com isso, as cidades-estados que estavam formadas naquela região, começaram a disputar o poder entre si.


Então, no período de disputas internas e conflitos políticos, entre os séculos XIII e XII a.e.c., os Jebuseus viram a oportunidade perfeita para se estabelecer em Jerusalém.


E é por isso que em diversas pesquisas forem feitas sobre JERUSALÉM, aparecerá que a cidade era dominada anteriormente pelos Jebuseus.


E foi dessa forma que Jerusalém passou a ser chamada, pelos jebuseus, de Jebus.

A cidade ficou sobre o comando dos jebuseus (uma tribo cananeia que vivia naquela região) e até o ano 1000 a.e.c, a cidade passou a se chamar, JEBU, quando então o personagem bíblico, Davi, líder do hebreus e do Reino de Israel, conquistou a região e estabeleceu domínio sobre a cidade, já que em seguida, a cidade foi transformada na capital do Reino de Israel, já com o nome de JERUSALÉM, só que antes disso, novo nome ....................



O DOMINIO DOS HEBREUS E NOVA MUDANÇA DE NOME.


Com a conquista de Jerusalém pelos hebreus, a cidade se tornou capital do Reino de Israel. Davi, o rei do império israelita, mudou novamente o seu nome de Jerusalém para Ir Davi, que significa, “cidade de Davi”.


Além disso, o rei de Israel mandou construir um templo na cidade para que a Arca da Aliança pudesse ser guardada, artefato esse que foi herdado dos egípcios pelos hebreus como sendo um artefato sagrado.


A NARRATIVA DA CONSTRUÇÃO DO TEMPLO


A construção do templo foi iniciada à mando de Davi, mas só foi concluída em 950 a.e.c. só que nessa época, quem comandava o reino, era o filho de Davi, Salomão, e é por isso que quando a obra foi concluída, ficou conhecida como o Templo de Salomão.

O período em que Salomão reinou, Israel passou por momentos de prosperidade.

JERUSALÉM SOB DOMINIO DOS CALDEUS e PERSAS.

Domínio caldeus em Rushalimum/Jerusalém
Contudo, após a morte de Salomão, e o reinado dos hebreus ter permanecido ainda por alguns séculos adiante, a partir do século VIII a.e.c, a cidade de Jerusalém foi alvo de disputas por vários povos.

DISPUTAS, GUERRAS E MUITAS MORTES APÓS O DOMINIO DOS HEBREUS


Em 733 a.e.c, por exemplo, os assírios dominaram a cidade e a transformaram em uma região tributária, porém em seguida, Jerusalém passou para o domínio dos caldeus (terra de Abraão, que veio da MESOPOTÂMIA com a sua família, na cidade de UR (UR dos CALDEUS), e dos persas, pois foi daí então que os caldeus conquistaram Jerusalém, e o Templo de Salomão foi completamente destruído, e além disso, a cidade sofreu com um novo esvaziamento, em 586 a.e.c.


Posteriormente, com a invasão persa e a queda dos caldeus, os hebreus que estavam sobre o domínio dos caldeus na Babilônia, recebem autorização para voltar à terra de origem, até que em 515 a.e.c, os hebreus começam a reconstrução do Templo de Salomão.


MAIS PERÍODO DE GUERRAS E A DINASTIA DOS HASMONEUS - MACABEUS.


E então, após séculos de domínio persa, surge os macedônios que invadem a região e Jerusalém, passa para liderança dos macedônicos, através de Alexandre, o Grande, e após a sua morte, segue sob o domínio dos seus fiéis generais, ou seja,SELEUCO (selêucidas) e PTOLOMEU (ptolomaicos).


Em seguida, entre 167 a.e.c e 40 a.e.c, a cidade foi dominada pela dinastia asmoneia, uma dinastia independente de judeus que desencadeou a fomosa dinastia dos MACABEUS.


Alexandre, o Grande.

Posteriormente, os partos controlaram a Palestina entre 40 a.ec. e 37 a.e.c, mas perdem o domínio da região para os romanos.


E foi dai que então, os romanos, liderados pela fiel família dos Herodes, conquistaram de fato a Palestina e Jerusalém que, naquela época, era uma região com grande influência dentre as cidades de Canaã, conforme visto anteriormente e domínio romano na região, os judeus iniciaram diversas revoltas armadas.





 

Dentre as várias revoltas judaicas, a primeira delas contra os Romanos, foi em 70 ec; os romanos formaram uma espécie de escudo e cercaram a cidade de Jerusalém por seis meses e como resultado da disputa, grande parte da população de Jerusalém morreu.


Além disso, em 134 e.c, outra grande disputa entre judeus e romanos, fez com o que os romanos decretassem a expulsão de todos os judeus da cidade.


E assim, Jerusalém permaneceu sobre domínio do Império Romano até 476 e.c. quando da queda do Império Romano do Ocidente, e a cidade passa a ser governada pelo Império Romano do Oriente, também chamado de Império Bizantino.


Os bizantinos, entre 614 e 628, sofreram ameaças dos povos sassânidas (uma dinastia Persa), que tinham interesse na região de Jerusalém até que, em 637 e.c, Jerusalém passa então ao domínio do califa Omar, sob as mãos dos povos turcomanos, com o Islão, já criado por Maomé.


Ao mesmo tempo, por influência do patriarca da cidade, Sofrônio, Omar decide render as terras de Jerusalém para as tropas do Califado Ortodoxo, mas apesar da conquista das tropas ortodoxas, cristãos e judeus puderam continuar na cidade exercendo suas religiões separadamente, entretanto, FOLLOW THE MONEY !!!


Para receber esse direito, deveriam pagar impostos.


CONTINUA NA PARTE II .............


BONUS:





SENSACIONAL CURSO - INTRODUÇÃO A BIBLIA HEBRAICA / ANTIGO TESTAMENTO / TORÁ

CLIQUE NO LINK ABAIXO E SAIBA MAIS....







 

 







E ai, pessoal? Gostaram desse artigo?


Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora


Adquira de forma avulsa ou assinatura 6 edições bimestrais do ALMANAQUE ARQUEOHISTÓRIA em https://www.arqueohistoria.com.br/shop


Deixa seus comentários lá no Aletheia Ágora !!





FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

















Obrigado pela leitura e até o próximo POST


Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO


Bibliografia, Fontes e Referencias:

  • Este artigo incorpora texto da Enciclopédia Judaica (Jewish Encyclopedia) (em inglês) de 1901–1906, uma publicação agora em domínio público.

  • Kantor, Matis, The Jewish time line encyclopedia: A year-by-year history from Creation to present, Jason Aronson, Nova Jérsei, 1992

  • Thompson, Thomas L., & Jayyusi, Salma Khadra, Jerusalem in Ancient History and Tradition, Continuum International Publishing Group, 2003

  1. Israel. Col: The World Factbook (em inglês). Washington (Estados Unidos): Central Intelligence Agency (CIA). 2014. Consultado em 10 de novembro de 2014

  2. «Czech Republic announces it recognizes West Jerusalem as Israel's capital». Jerusalem Post. 6 de Dezembro de 2017. "A República Tcheca atualmente, antes da assinatura da paz entre Israel e Palestina, reconhece que Jerusalém é, de fato, a capital de Israel nas fronteiras da linha de demarcação de 1967. "O Ministério também disse que só consideraria realocar sua embaixada com base em "resultados de negociações".

  3. «República Checa vai transferir para Jerusalém a sua embaixada em Israel». RTP Notícias. 26 de Abril de 2018. "Milos Zeman diz que a mudança vai ocorrer em três fases. A primeira está prevista para o próximo mês, com a abertura de um Consulado honorário".

  4. «Guatemala se suma a EEUU y también trasladará su embajada en Israel a Jerusalén» [Guatemala joins US, will also move embassy to Jerusalem]. Infobae (em espanhol). 24 de Dezembro de 2017 Guatemala's embassy was located in Jerusalem until the 1980s, when it was moved to Tel Aviv.

  5. «Localities, Population and Density per Sq. Km., by Metropolitan Area and Selected Localities». Israel Central Bureau of Statistics. 6 de setembro de 2017. Consultado em 19 de setembro de 2017

  6. «Do We Divide the Holiest Holy City?». Moment Magazine. Consultado em 5 de março de 2008. Cópia arquivada em 3 de junho de 2008

  7. Ir para:a b «Timeline for the History of Jerusalem». Jewish Virtual Library. American-Israeli Cooperative Enterprise. Consultado em 16 de abril de 2007

  8. Ben-Arieh, Yehoshua (1984). Jerusalem in the 19th Century, The Old City. [S.l.]: Yad Izhak Ben Zvi & St. Martin's Press. p. 14. ISBN 0-312-44187-8

  9. «Old City of Jerusalem and its Walls». UNESCO World Heritage Convention. Consultado em 11 de setembro de 2010

  10. Ir para:a b Desde o século X a.C.

  11. Reinoud Oosting, The Role of Zion/Jerusalem in Isaiah 40–55: A Corpus-Linguistic Approach, p. 117, no Google Livros BRILL 2012 p. 117-118. Isaías 48:2;51:1; Neemias 11:1,18; cf. Joel 4:17: Daniel 5:24.

  12. Shalom M. Paul, Isaiah 40–66, p. 306, no Google Livros Wm. B. Eerdmans Publishing, 2012 p.306.

  13. Golb, Norman (1997). «Karen Armstrong's Jerusalem—One City, Three Faiths». The Bible and Interpretation. Consultado em 10 de julho de 2013

  14. Isaías 52:1 πόλις ἡ ἁγία.

  15. Joseph T. Lienhard,The Bible, the Church, and Authority: The Canon of the Christian Bible in History and Theology, Liturgical Press, 1995 pp.65–66

  16. Ir para:a b Third-holiest city in Islam:

    • Esposito, John L. (2 de novembro de 2002). What Everyone Needs to Know about Islam. [S.l.]: Oxford University Press. p. 157. ISBN 0-19-515713-3

    • Brown, Leon Carl (15 de setembro de 2000). «Setting the Stage: Islam and Muslims». Religion and State: The Muslim Approach to Politics. [S.l.]: Columbia University Press. p. 11. ISBN 0-231-12038-9. The third holiest city of Islam—Jerusalem—is also very much in the center...

    • Hoppe, Leslie J. (Agosto de 2000). The Holy City: Jerusalem in the Theology of the Old Testament. [S.l.]: Michael Glazier Books. p. 14. ISBN 0-8146-5081-3


  1. Middle East peace plans by Willard A. Beling: "The Aqsa Mosque on the Temple Mount is the third holiest site in Sunni Islam after Mecca and Medina".

  2. Lewis, Bernard; Holt, P. M.; Lambton, Ann, eds. (1986). Cambridge History of Islam. [S.l.]: Cambridge University Press

  3. Buchanan, Allen (2004). States, Nations, and Borders: The Ethics of Making Boundaries. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 192. ISBN 0-521-52575-6. Consultado em 9 de junho de 2008

  4. Kollek, Teddy (1977). «Afterword». In: John Phillips. A Will to Survive – Israel: the Faces of the Terror 1948-the Faces of Hope Today. [S.l.]: Dial Press/James Wade

  5. «The status of Jerusalem» (PDF). The Question of Palestine & the United Nations. [S.l.]: United Nations Department of Public Information

  6. «Israeli authorities back 600 new East Jerusalem homes». BBC News. 26 de fevereiro de 2010. Consultado em 18 de setembro de 2013

  7. «Resolution 298 September 25, 1971:». domino.un.org. Consultado em 5 de Fevereiro de 2016. Arquivado do original em 19 de Agosto de 2013

  8. George Washington Bethune (1845). The Fruit of the Spirit. [S.l.]: Mentz & Rovoudt. p. 93. é a nova Jerusalém, ou "herança da paz."

  9. Joseph Henry Allen (1879). Hebrew Men and Times: From the Patriarchs to the Messiah. [S.l.]: Roberts Brothers. p. 125. a nomearam de Jerusalem, a "herança da paz."

  10. Amos Elon (1996). Jerusalem. [S.l.]: HarperCollins Publishers Ltd. ISBN 0006375316. Consultado em 26 de abril de 2007. O epíteto pode ter se originado no antigo nome de Jerusalém-Salem (após a divindade pagã da cidade), que está ligado etimologicamente às línguas semíticas com as palavras para paz (Shalom, em hebraico, Salam, em árabe). Porém essa possibilidade é menos provável visto que essa cidade assumiu esse nome quando passou a pertencer a um povo monoteísta, cujo Deus era Jeová

  11. Na versão King James: "e Melquisedeque rei de Salem trouxe 4 pães e vinho: e foi um e ele era o sacerdote do mais alto Deus." (Gênesis 14:18)

  12. «Jerusalem, the Old City». al-Quds University. pp. jerusalem_history. Consultado em 12 de fevereiro de 2007

  13. Ir para:a b Landau, Yehezkel (1996). «Divisão de Jerusalém: Desafios políticos e espirituais». Service International De Documéntation Judéo-Chrétienne. 29 (2–3). Consultado em 14 de janeiro de 2007. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007. Compartilharei de outro meta-midrash…crentes no único Deus supremo.

  14. Sitchin, Zecharia, The Cosmic Code, Avon 1998

  15. Edwin Sherman Wallace (Agosto 1977). Jerusalém a cidade santa. [S.l.: s.n.] p. 16. ISBN 0405102984. Uma visão similar foi assegurada por aqueles que deram ao hebraico a dualidade da palavra

  16. George Adam Smith (1907). Jerusalem: A Topografia, Economia e História dos tempos antigos até 70. [S.l.]: Hodder and Stoughton. p. 251. A terminação -aim ou -ayim usada a ser utilizada como a terminação ordinária da dualidade de substantivos, e foi explicada como significando a cidade alta e a baixa (ver «aqui». books.google.com)

  17. G.Johannes Botterweck, Helmer Ringgren (eds.) Theological Dictionary of the Old Testament, (tr.David E.Green) William B.Eerdmann, Grand Rapids Michigan, Cambridge, UK 1990 p.348

  18. «Título ainda não informado (favor adicionar)». Arquivado do original em 22 de novembro de 2007

  19. Ir para:a b c Freedman, David Noel (1 de janeiro de 2000). Eerdmans Dicionário da Bíblia. [S.l.]: Wm B. Eerdmans Publishing. pp. 694–695. ISBN 0802824005

  20. Killebrew Ann E. "Bíblia de Jerusalém: Uma Avaliação Arqueológica", em Andrew G. Vaughn e Ann E. Killebrew, eds., "Jerusalém na Bíblia e Arqueologia: o primeiro Período Templário" (SBL Symposium Series 18; Atlanta: Sociedade Bíblica de Literatura, 2003)

  21. Vaughn, Andrew G.; Ann E. Killebrew] (1 de agosto de 2003). «Jerusalém, na altura da Monarquia Unida». Jerusalém na Bíblia e Arqueologia: o Primeiro Período Templário. [S.l.: s.n.] pp. 32–33. ISBN 1589830660

  22. Shalem, Yisrael (3 de março de 1997). «História de Jerusalém a partir de seu surgimento até David». Jerusalém: Vida ao passar dos séculos em uma Cidade Santa. Universidade Bar-Ilan Ingeborg Rennert - Centro de Estudos Jerusalém. Consultado em 18 de janeiro de 2007

  23. Greenfeld, Howard (2005). A promessa cumprida: Theodor Herzl, Chaim Weizmann, David Ben-Gurion, e a criação do Estado de Israel. [S.l.]: Greenwillow. 32 páginas. ISBN 006051504X

  24. «Linha do Tempo». Cidade de David. Ir David Fundation. Consultado em 18 de janeiro de 2007. Arquivado do original em 15 de Janeiro de 2007

  25. Erlanger, Steven (5 de agosto de 2005). «O Palácio do Rei Davi foi encontrado, diz arqueólogo». The Nova Iorque Times. Consultado em 24 de maio de 2007

  26. Ir para:a b Michael, E.; Rusten, Sharon O.; Comfort, Philip; Elwell, Walter A. (2005). Um Livro Completo de Quando e Onde: na Bíblia e em toda a História. [S.l.]: Tyndale House Publishers, Inc. pp. 20–1,67. ISBN 0842355081

  27. Merling, David (26 de agosto de 1993). «Onde está a Arca da Aliança?». Andrew's University. Consultado em 22 de janeiro de 2007

  28. Jerusalém: Atlas Histórico IlustradoMartin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 11

  29. Zank, Michael. «Capital de Judá I (930-722)». Boston University. Consultado em 22 de janeiro de 2007

  30. Ir para:a b Zank, Michael. «Capital de Judá (930-586)». Boston University. Consultado em 22 de janeiro de 2007

  31. Sick, Martin (30 de janeiro de 2001). Entre Roma e Jerusalém: 300 Anos de Relações Romano Judeias. [S.l.]: Praeger Publishers. p. 2. ISBN 0275971406

  32. Zank, Michael. «Centro do sátrapa persa de Judá (539-323)». Boston University. Consultado em 22 de janeiro de 2007

  33. Schiffman, Lawrence H. (1991). From Text to Tradition: A History of Second Temple and Rabbinic Judaism. [S.l.]: Ktav Publishing House. pp. 60–79. ISBN 0-88125-371-5

  34. Har-el, Menashe (1977). Isto é Jerusalém. [S.l.]: Canaã Publishing House. pp. 68–95

  35. Zank, Michael. «O Templo do Monte». Boston University. Consultado em 22 de janeiro de 2007

  36. Crossan, John Dominic (26 de fevereiro de 1993). A história de Jesus: a vida de um camponês judeu Mediterrâneo. São Francisco: HarperCollins. p. 92. ISBN 0060616296. De 4 até 6, quando Roma, depois do exílio de Herodes Archelaus na Gália, assumiu o controle direto do seu território provincial

  37. Lehmann, Milhas Clayton. «Palestina: pessoas e lugares». A Enciclopédia on-line das províncias romanas. Universidade de Dakota do Sul. Consultado em 18 de abril de 2007. Arquivado do original em 10 de Março de 2008

  38. Ir para:a b Lehmann, Milhas Clayton (22 de fevereiro de 2007). «Palestina: Histórico». A Enciclopédia on-line das províncias romanas. Universidade de Dakota do Sul. Consultado em 18 de abril de 2007. Arquivado do original em 21 de junho de 2000

  39. Cohen, Shaye JD (1996). «Judaísmo e a Mishná: 135-220». In: Maria Shanks. Cristianismo e o Judaísmo rabínico: um paralelo histórico das suas origens e desenvolvimento precoce. Washington DC: Sociedade de Arqueologia Bíblica. p. 196

  40. Antonio Luiz M. C. Costa (11 de setembro de 2014). Carta Capital, ed. «A invenção de povos: uma reflexão necessária». Consultado em 18 de agosto de 2015

  41. Har-el, Menashe (1977). Isto é Jerusalém. [S.l.]: Canaã Publishing House. pp. 68–95

  42. Zank, Michael. «Jerusalém Bizantina». Boston University. Consultado em 1 de fevereiro de 2007

  43. Ir para:a b Conybeare, Frederick C. (1910). The Capture of Jerusalem by the Persians in 614 AD. [S.l.: s.n.] pp. 502–517

  44. Jerusalem: Illustrated History Atlas Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 7

  45. Gil, Moshe (fevereiro de 1997). A History of Palestine, 634-1099. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 70–71. ISBN 0521599849

  46. Runciman, Steven (1951). A History of the Crusades: The First Crusade and the Foundation of the Kingdom of Jerusalem. 1. [S.l.]: Penguin Books. pp. 3–4

  47. Ir para:a b Shalem, Yisrael. «O Primeiro Período árabe - 638-1099». Ingeborg Rennert Centro de Estudos sobre Jerusalém, Bar-Ilan Universidade. Consultado em 20 de julho de 2008

  48. Hoppe, Leslie J. (agosto de 2000). The Holy City: Jerusalem in the Theology of the Old Testament. [S.l.]: Michael Glazier Books. p. 15. ISBN 0814650813

  49. Zank, Michael. «Período do Governo Abássida e Fatímida (750-1099)». Boston University. Consultado em 1 de fevereiro de 2007

  50. Hull, Michael D. (junho 1999). «Primeira Cruzada: A destruição de Jerusalém». História Militar. Consultado em 18 de maio de 2007

  51. Jerusalém: Atlas Histórico IlustradoMartin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978 , P. 21

  52. Jerusalém: Atlas Histórico Ilustrado Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 11

  53. Ir para:a b «Principais eventos na história de Jerusalém». Jerusalém: A Cruzada Infinita. CenturyOne Fundatio. 2003. Consultado em 2 de fevereiro de 2007

  54. Jerusalém: Atlas Histórico Ilustrado, Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 25

  55. Jerusalém : Atlas Histórico Ilustrado Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 25

  56. Amnon Cohen. "Vida econômica Otomana, em Jerusalém"; Cambridge University Press, 1989

  57. Ir para:a b «O Mosaico Jerusalém». Universidade Hebraica. 2002. Arquivado do original em 31 de Dezembro de 2009

  58. Jerusalém: Atlas Histórico Ilustrado Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978 , P. 37

  59. Jerusalém: Atlas Histórico IlustradoMartin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 37

  60. Jerusalém: Atlas Histórico Ilustrado Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 25

  61. Enciclopédia Judaica, Jerusalém, Keter, 1978, volume 9, "Estado de Israel (Enauete Histórica)", pp.304-306

  62. MONTEFIORE, Simon Sebag (2013). Jerusalém a biografia. São Paulo: Compainha das Letras. pp. 425–432

  63. Jerusalém: Atlas Histórico Ilustrado Martin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 37

  64. Jerusalém: Atlas Histórico IlustradoMartin Gilbert, Macmillan Publishing, Nova Iorque, 1978, p. 35

  65. Eylon, Lili (abril de 1999). «Jerusalém: Arquitetura no Final do Período Otomano». Foco em Israel. Ministério dos Negócios Estrangeiros de Israel. Consultado em 20 de abril de 2007

  66. Fromkin, David (2001). Paz: A queda do Império Otomano e da criação do Médio Oriente Moderno 2ª reimpressão ed. [S.l.]: Owl Books E. pp. 312–3. ISBN 0805068848

  67. «Pre-State Israel: The San Remo Conference» em inglês, acesso em 26 de dezembro de 2013.

  68. Tamari, Salim (1999). «Jerusalém, 1948: A Cidade Fantasma» (Reimpresso). Jerusalem Quaterly File. Consultado em 2 de fevereiro de 2007

  69. Ir para:a b Eisenstadt, David (26 de agosto de 2002). «O domínio Britânico». Jerusalém: Vida em uma Cidade Santa. Universidade Bar-Ilan Ingeborg Rennert - Centro de Estudos Jerusalém. Consultado em 10 de fevereiro de 2007

  70. «Histórico». Universidade Hebraica de Jerusalém. Consultado em 18 de março de 2007

  71. «Considerações afetam algumas das disposições da Resolução da Assembleia Geral sobre o "futuro governo da Palestina": A cidade de Jerusalém». As Nações Unidas. 22 de janeiro de 1948. Consultado em 3 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 26 de janeiro de 2008

  72. Ir para:a b Lapidoth, Ruth (30 de junho de 1998). «Jerusalém: Contexto jurídico e político». Israel Ministério das Relações Exteriores. Consultado em 22 de julho de 2008

  73. Benny Morris,1948( 2008), pp.218-219.

  74. Benny Morris, O Nascimento de Refugiados da Palestina Problema, 1947-1949, Revisited, Cambridge , 2004

  75. Al-Khalidi, Walid (ed.), Tudo o que resta: as aldeias palestinas e despovoadas ocupadas por Israel em 1948, (Washington DC: 1992), "Lifta", pp. 300-303

  76. «Estatuto Jurídico da Palestina». Instituto Universitário de Direito Birzeit. Consultado em 22 de julho de 2008. Arquivado do original em 3 de novembro de 2007

  77. Martin Gilbert, "Jerusalém: A Tale of One City" Arquivado em 12 de maio de 2006, no Wayback Machine.,A Nova República, 14 de novembro de 1994

  78. Mitchell Bard. Biblioteca Virtual Judia, ed. «Mitos e Fatos Online: Jerusalém»

  79. Greg Noakes (setembro–outubro de 1994). «Disputa sobre os Lugares Santos de Jerusalém perturba os Campos Árabes». Relatório de Washington sobre os assuntos do Oriente Médio. Consultado em 20 de julho de 2008

  80. «Conselho de Segurança das Nações Unidas S/RES/252 - Resolução 252 de 21 de maio de 1968». Consultado em 30 de Maio de 2012. Arquivado do original em 27 de Janeiro de 2012 (em inglês).

  81. «Conselho de Segurança das Nações Unidas S/RES/446 - Resolução 446 de 22 de março de 1979». Consultado em 14 de novembro de 2011. Arquivado do original em 6 de agosto de 2012 (em inglês).

  82. «Conselho de Segurança das Nações Unidas S/RES/452 - Resolução 452 de 20 de julho de 1979». Consultado em 14 de novembro de 2011. Arquivado do original em 10 de maio de 2010 (em inglês)

  83. «S/RES/465 - Resolução 465 de 1° de março de 1980». Consultado em 14 de novembro de 2011. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2012 (em inglês).

  84. Rashid Khalidi, "O Futuro da Árabes Jerusalém"Jornal Britânico de Estudos do Oriente Médio, vol. 19, No. 2 (1992), pp. 133-143

  85. Washington Institute for Near East Policy, ed. (1988). «Jerusalém's Lugares Santos e ao Processo de Paz». Consultado em 20 de julho de 2008

  86. G1, ed. (24 de julho de 2009). «EUA advertem Israel por projeto de construção na Cisjordânia, diz jornal». Consultado em 18 de agosto de 2015

  87. «Lei de Jerusalém-Capital de Israel». Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita. 30 de julho de 1980. Consultado em 20 de julho de 2008

  88. Nações Unidas, ed. (1980). «Resolução 478 (1980 )» (PDF). Consultado em 30 de julho de 2008. Arquivado do original (PDF) em 5 de fevereiro de 2009

  89. James Hider. "Settlers cavar túneis em torno de Jerusalém"; The Times Online, 1 de março de 2008

  90. Cabrera, Enrique; García-Serra, Jorge (31 de dezembro de 1998). Drought Management Planning in Water Supply Systems. [S.l.]: Springer. p. 304. ISBN 0-7923-5294-7. The Old City of Jerusalem (760 m) in the central hills

  91. Ir para:a b Bergsohn, Sam (15 de maio de 2006). «Geography». Cornell University. Consultado em 9 de fevereiro de 2007. Cópia arquivada em 14 de Julho de 2007

  92. John Walvoord, Zachary J. Hayes, Clark H. Pinnock, William Crockett, e Stanley N. Gundry (7 de janeiro de 1996). «The Metaphorical View». Four Views on Hell. [S.l.]: Zondervan. p. 58. ISBN 0-310-21268-5

  93. Rosen-Zvi, Issachar (Junho de 2004). Taking Space Seriously: Law, Space and Society in Contemporary Israel. [S.l.]: Ashgate Publishing. p. 37. ISBN 0-7546-2351-3. Thus, for instance, the distance between the four large metropolitan regions are—39 miles

  94. Federman, Josef (18 de agosto de 2004). «Debate flares anew over Dead Sea Scrolls». AP via MSNBC. Consultado em 9 de fevereiro de 2007

  95. «Introduction». The Tell es-Safi/Gath Archaeological Expedition. Bar Ilan University. Consultado em 24 de abril de 2007. Arquivado do original em 5 de Fevereiro de 2008 (Image located here [1])

  96. «Map of Israel». Eye On Israel. Consultado em 25 de abril de 2007 (See map 9 for Jerusalem)

  97. «"One more Obstacle to Peace" – A new Israeli Neighborhood on the lands of Jerusalem city». The Applied Research Institute – Jerusalem. 10 de março de 2007. Consultado em 24 de abril de 2007. Cópia arquivada em 31 de janeiro de 2008 (Imagem localizada aqui Arquivado em 7 de junho de 2012, no Wayback Machine.)

  98. Etgar Levkotvits (29 de janeiro de 2008). «Neve forte sob Jerusalém». The Jerusalem Post. Consultado em 28 de agosto de 2008

  99. Ir para:a b «Climatological Information for Jerusalem, Israel» (em inglês). Observatório de Hong Kong. Consultado em 14 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 3 de março de 2016

  100. Ir para:a b Moshe Ma'oz; Sari Nusseibeh. Jerusalém: Pontos de atrito e além. [S.l.]: Brill Academic Publishers. pp. 44–46. ISBN 9041188436

  101. Rory Kess (16 de setembro de 2007). «Pior poluição para o ozônio em Beit Shemesh, Gush Etzion». The Jerusalem Post. Consultado em 23 de outubro de 2007. Arquivado do original em 24 de junho de 2011

  102. Ir para:a b c d e f g h i «Press Release: Jerusalem Day» (PDF) (em inglês). Central Bureau of Statistics. 2 de maio de 2006. Consultado em 10 de março de 2007. Arquivado do original (PDF) em 14 de junho de 2007

  103. Sel, Neta (23 de maio de 2006). «Jerusalém: Mais turistas, menos judeus». YNet. Consultado em 10 de março de 2007

  104. Hockstader, Lee (16 de agosto de 1998). «Queda da população judaica em Jerusalém preocupa Israel». The Washington Post via Cornell University. Consultado em 10 de março de 2007

  105. Laub, Karin (2 de dezembro de 2006). «Jerusalém Barreira causa grandes perturbações». The Washington Post via Associated Press. Consultado em 10 de março de 2007

  106. Allison Hodgkin, "A Judaização de Jerusalém - Políticas israelenses desde 1967"; PASSIA No. 96 de dezembro de 1996, (em inglês, pág. 88)

  107. Meron Rapoport. Senhores de terra Arquivado em 20 de dezembro de 2008, no Wayback Machine.; Haaretz, 20 de janeiro de 2005

  108. Hodgkin, Allison. "A Judaização de Jerusalém - Políticas israelenses desde 1967" Arquivado em 26 de outubro de 2007, no Wayback Machine.; PASSIA publicação No. 96 de dezembro de 1996, (em inglês, pp. 88)

  109. Meron Rapaport. "Grupo que 'judaiza' Jerusalém Oriental acusado de reter doações"; Haaretz, 22 de novembro de 2007

  110. Rothchild, Alice. "A judaização de Jerusalém Oriental"; CommonDreams, 26 de novembro de 2007

  111. Ir para:a b Cidor, Peggy (15 de março de 2007). «Corridors of Power: A tale of two councils». The Jerusalem Post. Consultado em 28 de março de 2007

  112. Jewish Virtual Library (ed.). «Ministry of Religious Services». Consultado em 18 de agosto de 2015

  113. Coker, Margaret (11 de novembro de 2006). «Jerusalem Becomes A Battleground Over Gay Rights Vs. Religious Beliefs». Cox Newspapers. Consultado em 28 de março de 2007. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2007

  114. «Safra Square - City Hall». The Municipality of Jerusalem. Consultado em 24 de abril de 2007. Arquivado do original em 31 de outubro de 2002

  115. «The Status of Jerusalem». Israel Ministry of Foreign Affairs. 14 de março de 1999. Consultado em 12 de fevereiro de 2007

  116. Aharon Kellerman (janeiro 1993). Society and Settlement: Jewish Land of Israel in the Twentieth Century. [S.l.]: State University of Nova Iorque Press. p. 140. ISBN 0791412954. [Telavive] também contém a maioria das embaixadas, não recebendo reconhecimento por muitos países de Jerusalém como a capital de Israel.

  117. «Jerusalem Embassy Act of 1995» (PDF). U.S. Government Printing Office. 8 de novembro de 1995. Consultado em 15 de fevereiro de 2007

  118. «Statement on FY 2003 Foreign Relations Authorization Act». Consultado em 23 de maio de 2007. Arquivado do original em 21 de junho de 2005

  119. «Ligação inglesa com o website de Knesset». Consultado em 18 de maio de 2007

  120. «O Estado de Israel: A autoridade judicial». Consultado em 18 de maio de 2007

  121. Jerusalém como capital administrativa do mandato britânico:

    • Jacob G. Orfali (março de 1995). Everywhere You Go, People Are the Same. [S.l.]: Ronin Publishing. p. 25. ISBN 0914171755. No ano de 1923, Jerusalém se tornou a capital do mandato britânico na Palestina

    • Michael Oren-Nordheim; Ruth Kark (setembro de 2001). Jerusalem and Its Environs: Quarters, Neighborhoods, Villages, 1800–1948. [S.l.]: Wayne State University Press. p. 36. ISBN 0814329098. As três décadas do Mandato Britânico na Palestina (1917/18–1948) tiveram efeitos indeléveis, em termos urbanísticos, sobre Jerusalém. Ruth Kark Arquivado em 16 de dezembro de 2007, no Wayback Machine. é professor do Departamento de Geografia da Universidade Hebraica de Jerusalém.

    • Michael Dumper (15 de abril de 1996). The Politics of Jerusalem Since 1967. [S.l.]: Columbia University Press. p. 59. ISBN 0231106408. …the city that was to become the administrative capital of Mandate Palestine…


  1. Dore Gold. «Jerusalém na diplomacia internacional». Consultado em 20 de julho de 2008

  2. «A nova Casa Oriental: Uma história da hospitalidade palestina». jerusalemites.org. Consultado em 20 de julho de 2008. Arquivado do original em 17 de dezembro de 2010

  3. Menachem Klein (Março de 2001). «A OLP e a identidade palestina com a Jerusalém Oriental». Jerusalém: The Future of a Contested City. [S.l.]: Nova Iorque University Press. p. 189. ISBN 081474754X

  4. O Globo, ed. (6 de dezembro de 2017). «Trump ignora alertas e reconhece Jerusalém como capital de Israel». Consultado em 6 de dezembro de 2017

  5. «Partnerská města HMP» [Prague – Twin Cities HMP]. Portál "Zahraniční vztahy" [Portal "Foreign Affairs"] (em checo). 18 de julho de 2013. Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 25 de junho de 2013

  6. «Diretório Online: Israel, Oriente Médio». Sister Cities International. Consultado em 5 de abril de 2007. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2008

  7. «Parceiros globais de Nova Iorque». NYC.gov. Consultado em 17 de fevereiro de 2008

  8. «Ficha Técnica da Proposição - PL 515/2015». legislacao.cl.df.gov.br. Consultado em 24 de dezembro de 2015

  9. Ir para:a b c d Dumper, Michael (15 de abril de 1996). A política de Jerusalém desde 1967. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 207–10. ISBN 0231106408

  10. «Meleke». Wikipedia (em inglês). 18 de dezembro de 2019

  11. Gil Zohar (28 de junho de 2007). «Aposta seu dólar?». The Jerusalem Post. Consultado em 10 de julho de 2007. Cópia arquivada em 24 de junho de 2011

  12. «ECI Telecom». Wikipedia (em inglês). 2 de junho de 2020

  13. «Parque Industrial Har Hotzvim». Har Hotzvim Industrial Park. Consultado em 13 de março de 2007. Arquivado do original em 27 de abril de 2007

  14. Michal Pomerantz, Nisreen Alyan, Ronit Sela. «Policies of Neglect in East Jerusalem: The Policies that created 78% Poverty Rates and a Frail Job Market» (PDF). governo de Israel. Association for Civil Right in Israel. Consultado em 16 de maio de 2021

  15. Larry Derfner (23 de janeiro de 2001). «An Intifada Casualty Named Atarot». The Jewish Journal of Greater Los Angeles. Consultado em 7 de novembro de 2007

  16. Smith, Patrick (9 de junho de 2006). «Ask the Pilot». Salon. Consultado em 14 de março de 2007

  17. Solomon, Shoshanna (1 de novembro de 2001). «Facets of the Israeli Economy — Transportation». Ministério das Relações Exteriores de Israel. Consultado em 14 de março de 2007

  18. «Solution». Jerusalem Mass Transit System Project. Consultado em 17 de março de 2007

  19. Ir para:a b Afra, Orit (8 de fevereiro de 2007). «Panacea or pain?». The Jerusalem Post. Consultado em 17 de março de 2007. Arquivado do original em 7 de junho de 2009

  20. «Life in Jerusalem - Transportation». Rothberg International Station - Hebrew University of Jerusalem. Consultado em 14 de março de 2007. Arquivado do original em 12 de setembro de 2007

  21. «Jerusalem - Malha». Ferrovias de Israel. Consultado em 14 de março de 2007. Arquivado do original em 6 de outubro de 2007

  22. «Passenger Lines Map». Ferrovias de Israel. Consultado em 14 de março de 2007. Arquivado do original em 6 de outubro de 2007

  23. Ir para:a b Burstein, Nathan (19 de janeiro de 2006). «Running rings around us». The Jerusalem Post. Consultado em 17 de março de 2007. Arquivado do original em 24 de junho de 2011

  24. Gil Zohar (31 de maio de 2007). «Their way or the highway?». The Jerusalem Post. Consultado em 11 de junho de 2007. Arquivado do original em 24 de junho de 2011

  25. «História» (em inglês). Universidade Hebraica de Jerusalém. Consultado em 19 de agosto de 2008

  26. Hershko, Avram. «Avram Hershko» (em inglês). The Nobel Foundation. Consultado em 18 de março de 2007

  27. Gross, David. «David J. Gross» (em inglês). The Nobel Foundation. Consultado em 18 de março de 2007

  28. Kahneman, Daniel. «Daniel Kahneman» (em inglês). The Nobel Foundation. Consultado em 18 de março de 2007

  29. «About the Library: Main Collections» (em inglês). Jewish National and University Library. Consultado em 27 de março de 2007. Arquivado do original em 29 de abril de 2007

  30. «About the Library: History and Aims» (em inglês). Jewish National and University Library. Consultado em 27 de março de 2007. Arquivado do original em 21 de abril de 2007

  31. Universidade Hebraica de Jerusalém (ed.). «Welcome». Consultado em 18 de agosto de 2015

  32. Ir para:a b «Science & Technology» (em inglês). Universidade de Al-Quds. Consultado em 19 de março de 2007. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007

  33. «Urgent Appeal» (em inglês). Universidade de Al-Quds. Consultado em 27 de março de 2007. Arquivado do original em 17 de março de 2007

  34. «About JCT» (em inglês). Faculdade de Tecnologia de Jerusalém. Consultado em 25 de março de 2007. Arquivado do original em 17 de maio de 2008

  35. Wohlgelernter, Elli (28 de dezembro de 2000). «The village of Mir, where Torah once flowed» (em inglês). Jewish Agency for Israel. Consultado em 26 de março de 2007

  36. Jonathan Lis (4 de maio de 2005). «The best medicine for Jerusalem». Haaretz (em inglês)

  37. «Summary». Second Class Discrimination Against Palestinian Arab Children in Israel's Schools (em inglês). Human Rights Watch. Consultado em 27 de março de 2007

  38. Lis, Jonathan (21 de abril de 2008). «Mayor to raise funds for E. J'lem Arabs to block Hamas». Haaretz (em inglês). Consultado em 20 de julho de 2008

  39. Ir para:a b City Data (ed.). «Health Care in Jerusalem». Consultado em 18 de agosto de 2015

  40. American Committee for Shaare Zedek Medical Center (ed.). «History». Consultado em 18 de agosto de 2015

  41. Ir para:a b «Sobre o Museu». The Israel Museum, Jerusalem. Consultado em 27 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 30 de julho de 2002

  42. «Santuário do Livro». Museu de Israel, Jerusalém. Consultado em 27 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 11 de julho de 2002

  43. «O Museu arqueológico de Rockefeller». O museu de Israel, Jerusalém. Consultado em 28 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 4 de março de 2007

  44. «O Museu Arqueológico de Rockefeller: Sobre o Museu: A exibição permanente». O Museu de Israel, Jerusalém. Consultado em 28 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 11 de dezembro de 2007

  45. «List of Palestinian Cultural & Archeological Sites». Jerusalem Media & Communication Centre. Consultado em 20 de julho de 2008. Arquivado do original em 25 de janeiro de 2008

  46. «Yad Vashem». A autoridade memorial de mártires do holocausto e heróis. Consultado em 28 de fevereiro de 2007

  47. «Sobre Yad Vashem». The Holocaust Martyrs' and Heroes' Remembrance Authority. Consultado em 28 de fevereiro de 2007

  48. «The Museum». Museum On The Seam. Consultado em 20 de julho de 2008. Arquivado do original em 29 de abril de 2009

  49. Ir para:a b «History». Orquestra de Jerusalem. Consultado em 4 de março de 2007. Arquivado do original em 28 de setembro de 2007

  50. «Centro Musical de Jerusalém». Consultado em 18 de maio de 2007. Arquivado do original em 17 de março de 2007

  51. «O centro de Jerusalém para artes performáticas». Teatro de Jerusalem. Consultado em 4 de março de 2007. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2007

  52. «About Us». The Khan Theatre. 2004. Consultado em 4 de março de 2007. Arquivado do original em 11 de agosto de 2010

  53. «Festival Noturno de Verão 2008». Jerusalem Foundation. Consultado em 20 de julho de 2008. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2008

  54. «Sobre o festival». Festival de Cinema de Jerusalém. Consultado em 20 de julho de 2008

  55. «História» (em inglês). Teatro Nacional Palestino. Consultado em 4 de março de 2007. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007

  56. «Casa Ticho». O Museu de Israel, Jerusalém. Consultado em 28 de fevereiro de 2007. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2007

  57. «Sobre Alhoash». Corte de Arte Palesta. Consultado em 20 de julho de 2008. Arquivado do original em 3 de julho de 2008

  58. Guinn, David E. (2 de outubro de 2006). Protegendo os locais sagrados de Jerusalém: Uma estratégia para negociar uma paz sagrada 1st ed. [S.l.]: Cambridge University Press. 142 páginas. ISBN 0521866626

  59. O Globo, ed. (30 de outubro de 2014). «Tumultos em Jerusalém após fechamento de Monte do Templo». Consultado em 18 de agosto de 2015

  60. «O que é o Muro das Lamentações?». The Kotel. Consultado em 6 de março de 2007. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2007

  61. Goldberg, Monique Susskind. «Sinagogas». Pergunte ao Rabbi. Schechter Institute of Jewish Studies. Consultado em 10 de março de 2007. Arquivado do original em 31 de janeiro de 2008

  62. Ir para:a b Segal, Benjamin J. (1987). Retornando: A terra de Israel como foco da história judaica. Jerusalem, Israel: Department of Education and Culture of the World Zionist Organization. 124 páginas. Consultado em 10 de março de 2007. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2005

  63. A injunção judaica para orar em direção a Jerusalém aparece na seção do Orach Chayim no Shulchan Aruch (94:1) — "Quando alguém se levanta para orar em qualquer lugar durante a Diáspora, ele deve voltar a sua face para a terra de Israel, se direcionando também para Jerusalém, o Templo e o Santo dos santos."

  64. Da King James Version: "E quando os dias de sua purificação de acordo com a lei de Moisés foi cumprida, eles levaram Jesus para Jerusalém para apresentá-lo a Deus;" (Evangelho de Lucas 2:22)

  65. Da King James Version: "E eles vieram para Jerusalém: e Jesus foi ao templo e começou a expulsar os vendedores e compradores no templo, e virou mesas de cambistas, e as cadeiras dos que vendiam aves;" (Marcos 11:15)

  66. Boas, Adrian J. (12 de outubro de 2001). «Physical Remains of Crusader Jerusalem». Jerusalem in the Time of the Crusades. [S.l.]: Routledge. 112 páginas. ISBN 0415230004. O interessante, se ilustrações não confiáveis da igreja nos mapas entorno de Jerusalém mostram dois prédios distintos no Monte Zion: a igreja de St Mary e o Cenáculo (Capela da última ceia) aparecem como prédios separados.

  67. Endo, Shusaku (1999). Richard A. Schuchert, ed. A Life of Jesus. [S.l.]: Paulist Press. 116 páginas. ISBN 0809123193

  68. Da King James Version: "Este título então lido por muitos dos judeus: pelo lugar aonde Jesus foi crucificado foi perto da cidade: e foi escrito em hebraico, grego e latim." (João 19:20)

  69. Ir para:a b Stump, Keith W. (1993). «Where Was Golgotha?». Worldwide Church of God. Consultado em 11 de março de 2007. Arquivado do original em 2 de abril de 2007

  70. Ray, Stephen K. (outubro de 2002). St. John's Gospel: A Bible Study Guide and Commentary for Individuals and Groups. [S.l.: s.n.] 340 páginas. ISBN 0898708214

  71. O'Reilly, Sean; O'Reilly, James (30 de novembro de 2000). Pilgrimage: Adventures of the Spirit 1st ed. [S.l.]: Travelers' Tales. 14 páginas. ISBN 1885211562. O consenso geral é que a Igreja do Santo Sepulcro marca a colina chamada de Gólgota, e que o lugar da crucificação e das últimas estadias da cruz são localizadas embaixo de suas largas cúpulas negras.

  72. Cordesman, Anthony H. (30 de outubro de 2005). «The Final Settlement Issues: Asymmetric Values & Asymmetric Warfare». The Israeli-Palestinian War: Escalating to Nowhere. [S.l.]: Praeger Security International. 62 páginas. ISBN 0275987582

  73. Peters, Francis E. (20 de outubro de 2003). «Muhammad the Prophet of God». The Monotheists: The Peoples of God. [S.l.]: Princeton University Press. pp. 95–6. ISBN 0691114609

  74. «Sahih Bukhari». Compendium of Muslim Texts. University of Southern California. Consultado em 11 de março de 2007. Arquivado do original em 27 de novembro de 2008 (de uma tradução inglesa do Sahih Bukhari, Volume IX, Book 93, Number 608)

  75. Da tradução inglesa de Abdullah Yusuf Ali do Alcorão: "Glória a (Alá) que tomou seu servo em uma jornada durante a noite da Mesquita sagrada até a mais distante, do qual fomos abençoados por seus mandamentos,- em ordem que devemos mostrar a ele alguns dos nossos sinais: por ele ser aquele que ouve e vê todas as coisas." (17:1)

  76. «The Early Arab Period - 638-1099». Jerusalem: Life Throughout the Ages in a Holy City. Bar-Ilan University Ingeborg Rennert Center for Jerusalem Studies. Março de 1997. Consultado em 24 de abril de 2007

  77. TORSTRICK, Rebecca L. (2004). Culture and Customs of Israel (em inglês). [S.l.]: Greenwood Press. p. 141. ISBN 0313320918 "The two most popular spectator sports in Israel are soccer (Israeli football) and basketball.".

  78. GRIVER, Simon. «Betar Jerusalem: A Local Sports Legend Exports Talent to Europe's Top Leagues» (em inglês). Israel Magazine via the Israel Ministry of Foreign Affairs. Consultado em 7 de março de 2007

  79. «Home» (em hebraico). Beitar Jerusalem F.C. Consultado em 7 de março de 2007 (A listagem dos campeonatos ganhos se encontra no canto esquerdo)

  80. «Hapoel Migdal Jerusalem Basketball Club - History» (em inglês). Hapoel Migdal Jerusalem. Consultado em 7 de março de 2007. Arquivado do original em 17 de janeiro de 2012

  81. ELDAR, Yishai (1 de dezembro de 2001). «Jerusalem: Architecture Since 1948» (em inglês). Israeli Ministry of Foreign Affairs. Consultado em 10 de agosto de 2008

Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page