top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

Damnatio memoriae: Apagados da História

Atualizado: 31 de out. de 2023

A história foi e ainda é reescrita para se adequar à agenda daqueles que estão no poder.

Os livros didáticos são revisados ​​para atender a certas ideias.

Às vezes, fatos desagradáveis ​​são deliberadamente deixados de lado.

Às vezes, passagens inteiras são excluídas.


BEM VINDOS AO PROCESSO DE DAMNATIO MEMORIAE !!!



A história é escrita por aqueles que sobrevivem ou vencem, disputas, batalhas ou guerras!

Damnatio memoriae é uma expressão latina que significa condenação da memória .

Os antigos romanos não usavam a expressão damnatio memoriae e a expressão apareceu pela primeira vez em uma dissertação alemã em 1689.

Mas porque estamos falando de Império Romano se a expressão somente ficou conhecida no século 17?


É que os antigos romanos se destacaram na revisão da história. Após a morte de uma pessoa indesejada, o Senado Romano emitia a damnatio memoriae e na maioria dos casos, o indivíduo havia morrido de morte violenta.

Dessa forma, os antigos romanos destruíram estátuas, pergaminhos e pinturas relacionadas à aquela determinada pessoa indesejada.

Acreditem! Os Romanos literalmente reescreveram a história e essa prática se perpetuou dali em diante, e é praticado até os dias de hoje !


Vajamos alguns exemplos notáveis ​​de damnatio memoriae

Na Roma antiga, por exemplo, dezesseis imperadores romanos receberam damnatio memoriae após suas mortes.

Esse digamos, infame grupo, incluía Nero , Calígula , Commodus, Elagabalus e Diocleciano, entre outros.


Vamos dar uma olhada em alguns dos exemplos de damnatio memoriae ?



Moeda cunhada para comemorar o consulado de Sejanus com seu nome sendo posteriormente apagado (Imagem: Wikimedia Commons )

Um exemplo bem conhecido de damnatio memoriae foi Sejanus (20 AEC-31 EC).


Ele era um comandante da Guarda Pretoriana .e foi um conselheiro de confiança do segundo imperador romano Tibério. e quando Tibério deixou Roma para sua villa em Capri, Sejanus queria assumir o trono para si. Tibério ordenou a execução de Sejanus e toda a sua família em 31 EC.

A execução foi seguida pelo Senado emitindo damnatio memoriae e com isso, os romanos mudaram até as moedas com a imagem de Sejanus. (Vejam imagem acima)


Vamos a outro exemplo ?

Imperatriz Valéria Messalina

Estatua de Valeria Messalina segurando seu filho Britannicus. A estátua sobreviveu a damnatio memoriae porque os partidários de Messalina a esconderam (Imagem: Wikimedia Commons )

Quem foi ela ?


A imperatriz ninfomaníaca Valéria Messalina conspirou para derrubar seu marido, o imperador Cláudio. Sim! Aquele que sucedeu Caligula na dinastia JULIO-CLAUDIANA!


Consequentemente, Cláudio a executou em 48 EC, só que posteriormente, o Senado romano realizou a damnatio memoriae, pois seu nome foi removido de todos os locais públicos e suas estátuas foram todas destruídas.


Imperador Caligula

Entre os imperadores que sofreram damnatio memoriae estão algumas das figuras mais conhecidas da história romana, incluindo Caio (também conhecido como Calígula) e Nero.

A notoriedade destes homens chega-nos não só a partir de textos escritos em vida e posteriormente, mas também de imagens que sobreviveram à violência imediata da damnatio memoriae e depois a séculos de abandono.



Retrato do imperador Calígula, 37-41 EC, mármore, 28 cm de altura (Ny Carlsberg Glyptotek, Copenhague, foto: Dra. Francesca Tronchin , CC BY-NC-ND 2.0)

Por exemplo, um retrato de mármore preserva não só a imagem de Calígula, mas também vestígios de pintura, informando-nos da existência deste imperador condenado, bem como da policromia da escultura antiga. Na antiguidade, esses tipos de imagens eram considerados muito poderosos e intimamente ligados à identidade da pessoa que representavam.


Duas cabeças de retrato do imperador Calígula, criadas em 37-41 EC, mármore, ambas destacadas dos corpos esculpidos após sua morte. Esquerda: 43 x 21,5 x 25 cm ( The J. Paul Getty Museum, Los Angeles ); direita: 33 x 21 x 23,5 cm ( Galeria de Arte da Universidade de Yale )

Calígula foi o primeiro imperador a ter suas imagens destruídas propositalmente após sua morte. É impossível saber quantos retratos em bronze ou outros metais preciosos foram derretidos, mas vários retratos em mármore mostram vestígios de terem sido recortados ou simplesmente desmontados e descartados.

Os procedimentos de oficina para retratos imperiais oficiais ditavam que muitas estátuas de corpo inteiro em pedra deveriam ser criadas em duas peças. Assim, as cabeças de Calígula, como as que estão agora na Getty Villa e na Galeria de Arte da Universidade de Yale (acima), poderiam ser facilmente destacadas dos corpos e jogadas de lado, e um retrato da cabeça do novo imperador substituiria rapidamente o ofensor.


Estátua do retrato de Calígula, reesculpida como Cláudio, da Basílica de Velleia, primeira metade do século I dC, mármore, 221 cm de altura (Museo Archeologico Nazionale, Parma, foto: Sailko , CC BY-SA 4.0 )

Uma estátua inteira de um pontifex maximus (principal sacerdote do estado, um título do imperador) de Velleia, no entanto, aparentemente passou por uma espécie de reciclagem escultórica. O rosto do sucessor de Calígula, Cláudio, parece bastante pequeno em comparação com a cabeça e o resto do corpo - sugerindo a alguns estudiosos que foi cortado de um retrato de Calígula.


Saiba mais sobre Caligula, acessando meu outro artigo a respeito dele >> Clique Aqui.


Cancelleria Reliefs: Nerva substitui Domiciano


Um recorte semelhante é evidente em um conjunto de relevos encontrados em Roma e agora alojados nos Museus do Vaticano (abaixo). Os chamados Relevos da Cancelleria mostram figuras mitológicas e alegóricas que celebram os membros da Dinastia Flaviana por seus sucessos militares.


Relevo do Palazzo della Cancelleria, 81-96 dC, mármore (Museo Gregoriano Profano, Museus do Vaticano, foto: Egisto Sani , CC BY-NC-SA 2.0). Domiciano/Nerva pode ser visto em quarto lugar à esquerda.

Em uma delas, Domiciano parte de Roma para uma campanha militar, conduzido para fora da cidade por Vitória, Marte e Minerva, bem como personificações do Senado e do povo romano. No entanto, a cabeça sobre o imponente corpo vestido de túnica do imperador não é a de Domiciano. Em vez disso, é Nerva, que sucedeu Domiciano após seu assassinato e subsequente damnatio memoriae.

Como na estátua de Claudius pontifex maximus de Velleia, o rosto de Nerva é muito pequeno para o relevo e até parece cômico quando comparado às divindades que o cercam.


Aparentemente, a escultura foi reesculpida.



Domiciano recortado em Nerva, detalhe de um felief do Palazzo della Cancelleria, 81-96 dC, mármore (Museo Gregoriano Profano, Museus do Vaticano, foto: Erin Taylor , CC BY-NC-ND 2.0)

Soluções um pouco mais elegantes para damnatio memoriae poderiam ser executadas em estatuária de metal. O rosto de um retrato equestre de bronze de Domiciano (abaixo) foi serrado e substituído pelo de seu sucessor, Nerva. O resultado é muito menos chocante do que no relevo da Cancelleria, já que a “máscara” de bronze foi feita na mesma escala que o resto da estátua e a junção é praticamente imperceptível.


Caracalla remove a imagem de Geta


Talvez os exemplos mais marcantes e difundidos de damnatio memoriae venham do reinado de Caracalla , um membro da Dinastia Severa que governou de 211 a 217 EC.


Essa morte foi rapidamente seguida por uma damnatio memoriae , na qual se tornou uma ofensa capital até mesmo falar o nome do co-imperador mais jovem.



Relevo mostrando Septimius Severus e Julia Domna com um caduceu, Arco dos Argentarii, Roma, concluído em 204 EC (foto: Panairjdde, CC BY-SA 2.0)

Em Roma, a imagem de Geta foi eliminada dos relevos do Arco dos Argentarii. Nenhuma tentativa de re-entalhe elegante foi feita como nos Relevos da Cancelleria; em um painel mostrando Septimius Severus e Julia Domna (os pais de Caracalla e Geta) sacrificando em um altar, um caduceu, flutua sobre um espaço vazio onde Geta deve ter estado.

Até imagens da esposa e do sogro de Geta foram esculpidas nos painéis do Arco dos Argentarii, pois eles também sofreram um damnatio memoriae.



Severano Tondo, c. 200 CE, têmpera sobre madeira, 30,5 cm de diâmetro (Altes Museum, Staatliche Museen zu Berlin, foto: Carole Raddato , CC BY-SA 2.0). Esta pintura circular é excepcional por seus materiais, estado de preservação e visão da pintura romana além de afrescos e outros murais

Os nomes de todos os indivíduos condenados foram apagados do arco e substituídos por novas inscrições em homenagem a Caracala.


Imperador Cômodo

Os restos da estátua do imperador Commodus (Imagem: Wikimedia Commons )

O imperador romano Cômodo (176 EC - 192 EC), ele era filho de Marco Aurélio e tido como sendo um completo paranoico e excêntrico, tanto que ele próprio lutava como gladiador no Coliseu (Teatro Flaviano), o que levou muitos romanos a acreditar inclusive que ele era pai de um gladiador, só que depois, Commodus foi estrangulado em 192 EC, e os romanos destruíram suas estátuas.

Detalhes da sua morte : Dois de seus oficiais de alto escalão, com a ajuda de sua amante favorita, Márcia, primeiro o envenenaram (com vinho ou carne, dependendo do relato). Quando isso não funcionou, o gladiador Narciso o estrangulou. Assim, Cômodo morreu aos 31 anos em 31 de dezembro sem deixar herdeiros .


Imperador Heliogábalo (Já ouviu falar dele ?)

Outra vitima de Damnatio memoriae !!



A estátua do imperador Heliogábalo foi esculpida novamente para representar seu sucessor, o imperador Alexandre Severo (Imagem: Wikimedia Commons )

Pasmem !!! O imperador Heliogábalo queria ser mulher . Sim !!! Exatamente isso que voce leu !!

Ele quebrou algumas das leis romanas mais sagradas, como casar com uma virgem vestal . Além disso, ele se vestia como uma mulher, o que era inaceitável na sociedade romana hipermasculina.

A Guarda Pretoriana massacrou Heliogábalo em 222 EC e seu sucessor, Alexandre Severo,, advinhem !! emitiu damnatio memoriae .

Os romanos até reesculpiram as estátuas de Heliogábalo para representar Severo.


Assim sendo, o significado da expressão damnatio memoriae e da sanção era cancelar todos os vestígios dessa pessoa da vida de Roma, como se nunca tivesse existido, para preservar a honra da cidade. Numa cidade que dava grande importância à aparência social, respeito e ao orgulho de ser um verdadeiro Romano como requerimentos fundamentais do cidadão, era talvez o castigo mais severo.

Outros imperadores romanos condenados

  • Nero

  • Domiciano

  • Clódio Albino

  • Geta

  • Macrino

  • Alexandre Severo

  • Maximino Trácio

  • Gordiano III

  • Filipe, o Árabe

  • Décio

  • Emiliano

  • Galiano

  • Aureliano

  • Probo

  • Caro

  • Carino

  • Numeriano

  • Diocleciano

  • Maximiano

  • Crispo

  • Galério

  • Valério Severo

  • Maximino Daia

  • Magêncio

  • Licínio

  • Constantino II

  • Constante I

  • Magnêncio

  • Magno Máximo

Outras pessoas condenadas

  • Caio Fúlvio Plauciano

  • Caio Júlio Vero Máximo

  • Cneu Calpúrnio Pisão

  • Cneu Sêncio Saturnino

  • Fausta

  • Júlia Soémia

  • Lívila

  • Lúcio Antônio Saturnino

  • Lúcio Élio Sejano


Práticas parecidas em outras civilizações

  • Os antigos egípcios davam extrema importância à preservação do nome de uma pessoa. Aquele que destruísse o nome de uma pessoa era visto como tendo destruído essa pessoa e isto era válido no mundo dos mortos.

  • As cartelas do faraó herético Aquenáton da 18ª dinastia foram mutiladas pelos seus sucessores. Ele (governou 1353-1336 AEC) e fundou uma religião monoteísta dedicada ao deus Aton, só que mudar a tradição não era um bom presságio para os antigos egípcios. Após sua morte, os egípcios reverteram suas reformas religiosas. Seus sucessores abandonaram sua nova capital, Amarna. A cidade foi redescoberta apenas no século XVIII.Antes, nessa dinastia, ao reinar sozinho, Tutemés III havia ordenado um ataque parecido contra a sua madrasta Hatexepsute. Contudo, apenas as gravuras e estátuas dela como um rei coroado do Egito foram atacadas. Tudo o que a representava como uma rainha foi deixado intacto (a campanha acabou depois do seu filho ter sido coroado co-regente), por isso isto não foi completamente damnatio memoriae. Também há debates sobre Tutemés III ser o culpado, visto que isto aconteceu 47 anos depois dele se tornar faraó.

  • No judaísmo, a maldição "Que o nome e memória dele/a sejam obliterados," (Hebraico: ימח שמו וזכרו , yimach shmo ve-zichro) é a pior maldição que um judeu pode dizer a outro.

  • Heróstrato incendiou o Templo de Artemisa em Éfeso para se tornar famoso. Os líderes de Éfeso decidiram que o nome dele nunca mais podia ser dito, sob pena de morte.

  • Adanuzam, arroçu (rei) de Daomé no início do século XIX, prendeu o seu irmão Gapê (Guezô). Depois de ascender, Guezô se vingou ao apagar a memória de Adanuzam. Até hoje, Adanuzam não é oficialmente considerado como um dos doze reis de Daomé.

  • Marino Faliero, quinquagésimo-quinto Doge de Veneza, recebeu damnatio memoriae depois de um golpe de Estado falhado.

  • Exemplos mais modernos de damnatio memoriae são os actos de remover retratos, livros, remover pessoas de fotografias, e outros vestígios dos adversários de Josef Stalin durante o Grande Expurgo. Ironicamente, o próprio Stalin foi removido de uns filmes de propaganda quando Nikita Khruschev se tornou no líder da União Soviética, e a cidade de Tsarítsin que antes se tinha chamado Stalingrado/Estalinegrado foi chamada Volgogrado em 1961.


Húngaros ao lado da estátua derrubada de Stalin em 1956 (Foto de Andor D. Heller/Hungarian News)

A ex-União Soviética é um grande exemplo de história revisionista. Uma rápida olhada nas fotos oficiais de Stalin nos mostra que, a cada poucos anos, alguém era apagado das fotos.

Após o colapso da União Soviética em 1991, a maioria das estátuas de Stalin e Lenin foram destruídas. Cidades, ruas e praças com nomes de líderes comunistas foram renomeados.


Conclusão:

Como vimos, as imagens dessas figuras condenadas foram destruídas, seus nomes apagados das inscrições e, se a pessoa condenada fosse um imperador ou outro funcionário do governo, até mesmo suas leis poderiam ser rescindidas.

Moedas com a imagem de um imperador que teve sua memória condenada seriam recolhidas ou canceladas e em alguns casos, a residência do condenado pode ser arrasada ou destruída de outra forma.

Isso foi mais do que uma forma de vandalismo casual e politicamente motivado, realizado por indivíduos descontentes, pois a condenação exigia a aprovação do Senado e os efeitos da denúncia oficial podiam ser vistos longe de Roma.

Vimos também que existiram muitos exemplos de damnatio memoriae ao longo da história da República e do Império Romano. Até 26 imperadores durante o reinado de Constantino tiveram suas memórias condenadas; inversamente, cerca de 25 imperadores foram divinizado após suas mortes.


Damnatio memoriae continuou no mundo romano até o século IV EC, como visto em retratos desfigurados do rival de Constantino, Maxêncio. Com o cristianismo oficializado no mundo romano, o vandalismo de retratos imperiais continuou, mas com uma inclinação mais religiosa do que política.


O fato de que os retratos romanos foram removidos, danificados ou destruídos por causa de mudanças dramáticas na reputação dos retratados é uma evidência inconfundível de que tais imagens são mais do que apenas “fotos”.


Um retrato pode carregar significado ao longo de décadas e séculos – seja de um imperador romano, de um líder comunista como Joseph Stalin, de um ditador como Saddam Hussein ou de generais confederados nos Estados Unidos.


A revisão da história é tão antiga quanto a própria história, então, fica a questão !


Podemos acreditar que o que eles nos ensinam sobre nosso passado realmente aconteceu?

Alguns fatos ​​foram deixados de fora de nossos livros de história?


O que acham? Deixem um comentário lá na minha pagina no Instagram @aletheia_agora


A revisão da história não se limita a nenhum período. Está acontecendo o tempo todo!!!


 

 

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora

Deixa seus comentários lá no Aletheia Ágora !!

FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA



Obrigado pela leitura e até o próximo POST






Bibliografia, Fontes e Referencias:

  1. Egyptian Religion, E.A Wallis Budge", Arkana, 1987, ISBN 0-14-019017-1

  2. ↑ Peter F. Dorman, The Proscription of Hapshepsut, de Hapshepsut: From Queen To Pharaoh, ed. Catherine H. Roehrig, Metropolitan Museum of Art (NY), pp. 267–69


Ensaio sobre a escultura de retratos romanos da Heilbrunn Timeline of Art History do Metropolitan Museum of Art

Sarah Bond, “Erasing the Face of History”, The New York Times , 14 de maio de 2011

S. Bundrick e E. Varner, From Caligula to Constantine: Tyranny & Transformation in Roman Portraiture (Michael C. Carlos Museum, 2001).

Harriet I. Flower, The Art of Forgetting: Disgrace & Oblivion in Roman Political Culture (University of North Carolina Press, 2006).

Eric Varner, Mutilação e Transformação: Damnatio Memoriae e Retratista Imperial Romano (EJ Brill, 2004).


1 commento


Divino_ José
Divino_ José
04 set 2023

Maravilhoso🤗🤗🤗

Mi piace
30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page