top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

Em nome de Brahma, Vishnu e Shiva! Amém.

Atualizado: 1 de nov. de 2023


à trindade, Brahma, Vixnu e Shiva.

INTRODUÇÃO:

  • Como religião, é a terceira maior do mundo , com mais de 1,2 a 1,35 bilhão de seguidores, ou 15 a 16% da população global, conhecida como hindus .

  • A palavra hindu é um exônimo, e embora o hinduísmo seja considerado a religião mais antiga do mundo, muitos praticantes se referem à sua religião como Sanātana Dharma (sânscrito : सनातन धर्म , lit. ''o Dharma Eterno''), um uso moderno, que se refere a ideia de que suas origens estão além da história humana, conforme revelado nos textos hindus.

  • Outro endônimo é Vaidika dharma , o dharma relacionado aos Vedas.


A suástica , um dos muitos símbolos sagrados do Sanatana Dharma


O hinduísmo é a terceira religião do mundo com o maior número de praticantes, a maioria na Índia e os seus ensinamentos influenciam bastante a organização da sociedade indiana.
Os seguidores do hinduísmo acreditam em vários deuses e na reencarnação, pois segundo o hinduísmo , os seres humanos morrem e renascem várias vezes.



Swami Vivekananda foi uma figura-chave na introdução do Vedanta e do Yoga na Europa e nos Estados Unidos, aumentando a consciência inter-religiosa e tornando o hinduísmo uma religião mundial.

O hinduísmo é um sistema diverso de pensamento com uma ampla variedade de crenças e seu conceito de Deus é complexo e depende de cada indivíduo e da tradição e filosofia seguidas.

Os hindus acreditam que todas as criaturas vivas têm um Self; o verdadeiro "Eu" de cada pessoa que é chamado de ātman . Acredita-se que o Eu seja eterno. As escrituras hindus nomeiam entidades celestiais chamadas Devas (ou Devi na forma feminina), que podem ser traduzidas para o inglês como deuses ou seres celestiais .

Os devas são parte integrante da cultura hindu e são representados na arte, arquitetura e através de ícones , e histórias sobre eles são relatadas nas escrituras, particularmente na poesia épica indiana e nos Puranas

E este Atman, é indistinto de Brahman , que é o espírito supremo ou a Realidade Última , ou o Eu Superior.

O objetivo da vida , é perceber que o próprio Eu - Atman, é idêntico ao Eu supremo - Brahman e que o Eu supremo, está presente em tudo e em todos, toda a vida está interconectada e há unidade em toda a vida.

Símbolos hindus básicos: Shatkona, Padma e Swastika
O hinduísmo é uma religião importante na Índia e é seguido por cerca de 79,8% da população do país de 1,21 bilhão ( censo de 2011 ) (966 milhões de adeptos).
Outras populações significativas são encontradas no Nepal (23 milhões), Bangladesh (15 milhões) e na ilha indonésia de Bali (3,9 milhões). Há também uma população significativa de hindus também presentes no Paquistão (4 milhões). A maioria do povo vietnamita Cham também segue o hinduísmo, com a maior proporção na província de Ninh Thuận
O hinduísmo é o terceira religião que mais cresce no mundo depois do Islã e do Cristianismo , com uma taxa de crescimento prevista de 34% entre 2010 e 2050.



- Conhecendo os principais deuses.


S H I V A



Shiva é um dos deuses supremos do hinduísmo, conhecido também como "o destruidor e regenerador" (entropia (separação) e sintropia (união)) da energia vital (fluxo que interliga o material e o imaterial).


Shiva também é considerado o criador do Yoga (Ioga), devido ao seu poder de gerar transformações, físicas e emocionais, em quem pratica a atividade.

(expansão de consciência -transcendência)


Deus Shiva tem diversas representações sendo uma delas o seus cabelos, ora com 3, 5,7,10 cabelos de cada lado, pois os cabelos compridos representam a sua força (física e mental, energia e poder) tal qual visto na figura de Sansão.



De acordo com a doutrina hindu (em persa, Hindu significa Rio Indo) , o deus Shiva pertence a uma Trindade chamada de Trimûrti (pai, filho e espírito santo - Trindade do Catolicismo)



Shiva meditando e seu olho de Horus.

Shiva, como o deus da "destruição e regeneração". - O Espírito Santo - fluxo da Entropia e Sintropia



O maior laboratório de física de partículas do mundo, CERN, localizado na SUIÇA, tem uma estátua do Senhor Shiva.

Foi projetada e escolhida por causa de uma metáfora que foi traçada entre a dança cósmica do Nataraj e o estudo moderno da “dança cósmica” das partículas subatômicas.

B r a h m a


O deus Brahma faz parte da principal trindade de divindades do hinduísmo e foi responsável por criar todo o Universo com seu poder


Brahma ( sânscrito : ब्रह्मा , romanizado : Brahmā ) é um deus hindu , referido como "o Criador" dentro do Trimurti , a trindade da divindade suprema que inclui Vishnu e Shiva.


Ele está associado à criação, ao conhecimento e aos Vedas e é mencionado com destaque nas lendas da criação.


Brahma é comumente descrito como um homem barbudo de pele vermelha ou dourada, com quatro cabeças e mãos. Suas quatro cabeças representam os quatro Vedas e apontam para as quatro direções cardeais. Ele está sentado em um lótus e seu vahana (monte) é um hamsa (cisne, ganso ou guindaste).


De acordo com as escrituras, Brahma criou seus filhos de sua mente e, portanto, eles são chamados de Manasaputra

Ainda que seja o deus da criação, essa figura também leva crédito como deus da música e das canções.

Por outro lado, é ainda a representação da força criadora ativa no Universo. Ou seja, é importante para os artistas e artesãos. Curiosamente, o hinduísmo entende o mundo a partir de uma visão cíclica (Yugas ou Eras)


A idade da Terra é medida em quatro Yugas ou "Eras", que são:


Satya Yuga: 1.728.000 anos

Treta Yuga: 1.296.000 anos

Dvapara Yuga: 860.000 anos

Kali Yuga: 432.000 anos


Total: 4.320.000.000 anos


A cada Yuga que se passa, a virtude no mundo vai caindo progressivamente.

Na Satya-Yuga, a virtude prevalece e o mal é desconhecido.

Na Treta-Yuga, a virtude cai para três quartos.

Na Dvapara-Yuga, a virtude já caiu pela metade.

Na Kali-Yuga, só resta um quarto de virtude.

As quatro Yugas juntas formam a Mahayuga.



Em resumo, Brahma representa a Criação enquanto Vishnu e Shiva são as forças de Conservação e Destruição respectivamente.



Trimurti -- Em nome de Brahma, Vishnu e Shiva. Amém

Mitologia


Segundo os primeiros mitos hindus, Brahma criou o universo. Depois disso, ele corta uma parte do próprio corpo para conseguir criar uma mulher. Sawaswati, também chamada de Saturpa, acabou se tornando a sua esposa.

Para poder vigiar a esposa, o deus Brahma acabou criando mais três cabeças para si. Juntos, Brahma e Saraswati tiveram o filho Suayambhuva Manu. O deus é conhecido como o pai dos humanos e responsável por unir o divino e o terreno.

O calendário da criação do mundo de Brahma não corresponde ao mesmo dos humanos. A criação do mundo, por exemplo, tomou apenas um dia no calendário normal, mas durou cerca de 4 bilhões de anos para os deuses.

Depois da criação, Brahma dorme, para descansar. No entanto, quando acorda, vê o mundo destruído por Shiva. Sendo assim, ele senta sobre uma flor de lótus e recria o universo mais uma vez.


Símbolos

O deus Brahma costuma ser retratado com suas quatro cabeças e na companhia de um cisne branco. O animal é símbolo de calma, beleza e da honra, na mitologia hindu. Além das quatro cabeças simbolizando os quatro vedas, também existem quatro mãos segurando objetos importantes.


Tem ainda uma flor, como símbolo superior de pureza e vida. Existe ainda um japamala, um objeto parecido com o rosário cristão, símbolo do foco e do controle sobre a mete.

Existem, sobretudo, os vedas, os livros sagrados com todo o conhecimento da mitologia hindu. Por fim, um vaso com essências, que podem oferecer imortalidade e coragem, e água; são os símbolos comuns em suas representações.


- CURIOSIDADE


Deus Brahma e a cerveja Brahma


O nome do deus Brahma não inspirou diretamente o nome de uma popular cerveja do Brasil.

Fonte: Blue Bus

Mas, não dá pra dizer que ela não tem nada a ver com a Índia, pois a exploração do Reino Unido por meio da Companhia Britânica das Índias permitiu o financiamento da Revolução Industrial. Foi graças ao investimento na tecnologia, então, que o inventor Joseph Bramah pôde desenvolver sua principal invenção: a prensa hidráulica.

No entanto, para a nossa história, uma outra invenção é ainda mais importante. Bramah também foi responsável por desenvolver a primeira máquina de chope.

Dessa maneira, quando o suíço Joseph Villiger montou sua cervejaria no Rio de Janeiro, em 1888, decidiu usar o nome do inventor em sua marca.


V I S H N U



Figura em pé de Vishnu, escultura em bronze dourado do Nepal, século X; no Museu do Brooklyn, em Nova York. Fotografia de Katie Chao. Brooklyn Museum, Nova York, presente de Frederic B. Pratt, 29.18 Creative Commons Legal Code

Vishnu o mostra com pele azul escura, cinza azulada ou preta, e como um homem de joias bem vestido. Ele é normalmente mostrado com quatro braços, mas suas representações armadas também são encontradas em textos hindus sobre obras de arte.

Os identificadores históricos de seu ícone incluem sua imagem segurando uma concha (shankha chamada Panchajanya ) entre os dois primeiros dedos de uma mão (costas esquerda), um chakra – disco de guerra chamado Sudarshana – em outra (costas direita).

A concha é espiral e simboliza toda a existência cíclica em espiral interconectada, enquanto o disco o simboliza como aquele que restaura o dharma com a guerra, se necessário, quando o equilíbrio cósmico é dominado pelo mal.

Um de seus braços às vezes carrega uma gada (porrete, maça chamada Kaumodaki ) que simboliza autoridade e poder de conhecimento.

No quarto braço, ele segura uma flor de lótus (padma ) que simboliza pureza e transcendência.

Os itens que ele segura em várias mãos variam, dando origem a vinte e quatro combinações de iconografia, cada combinação representando uma forma especial de Vishnu. Cada uma dessas formas especiais recebe um nome especial em textos como o Agni Purana e o Padma Purana . Esses textos, no entanto, são inconsistentes.


Raramente, Vishnu é retratado portando o arco Sharanga ou a espada Nandaka .
Ele é retratado com a gema Kaustubha em um colar e usando Vaijayanti , uma guirlanda de flores da floresta. o shrivatsamarca é retratada em seu peito na forma de uma mecha de cabelo. Ele geralmente usa roupas amarelas.
A iconografia de Vishnu o mostra em pé, sentado em uma pose de ioga ou reclinado.
Uma representação tradicional de Vishnu é a dele reclinado nas espirais da serpente Shesha , acompanhado por sua consorte Lakshmi , enquanto ele "transforma o universo em realidade".
Vishnu, o deus da preservação; Filho - O Eu Inferior

 

Assim como a maioria das religiões, o Hinduísmo também tem suas divisões - as principais divisões referem-se a adoração de cada um dos principais deuses - conforme exposto acima


Bramamismo - Brahma


Vishnismo - Vishnu


Shivaismo - Shiva


Shakitismo - Parvarti



NARRATIVA

Shiva tem a sua esposa Parvarti (juntos formam o Shaktismo) e juntos representam o masculino e feminino - dualidade do Universo - a fertilidade - preservação.


Seu filho é Ganesh. (Avatar com cabeça de Elefante) que representa o Logus.



Cabeça de elefante: representa a grande sabedoria e intelecto


Grande barriga: simboliza a paciência e a capacidade de digerir o bem e o mau ao longo da vida


Única presa: Ganesha tem apenas uma das presas, pois a outra foi quebrada.

Este símbolo representa a ideia dos sacrifícios que devem ser feitos para se atingir a felicidade.


Rato: (abaixo da imagem inferior esquerdo) este é o meio de transporte do Ganesha (vahana), que também representa a sabedoria, talento e inteligência, no sentido de investigar minuciosamente um assunto considerado difícil.


Todas as características acima mencionadas do Lord Ganesh representam o Logus - a consciência do raciocínio lógica que promove a sabedoria e destrói os obstáculos

Em nome de Brahma, Vixnu e Shiva

Amém

😜🙏🏼



E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like.

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora


FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO














Bibliografia, Fontes e Referencias:


  1. "Brahma, Brahmā, Brāhma: 66 definitions". Wisdomlib.org. 6 June 2022. Retrieved 5 August 2022.

  2. ^ White, David (2006). Kiss of the Yogini. University of Chicago Press. pp. 4, 29. ISBN 978-0226894843.

  3. ^ Jan Gonda (1969), The Hindu Trinity, Anthropos, Bd 63/64, H 1/2, pp. 212–226.

  4. ^ Jan Gonda (1969), The Hindu Trinity, Anthropos, Bd 63/64, H 1/2, pp. 218–219.

  5. ^ N.A (1960). THE VAYU PURANA PART. 1. MOTILAL BANARSIDASS PUBLISHERS PVT. LTD, DELHI. pp. 174 (26.31).

  6. ^ Coulter, Charles Russell; Turner, Patricia (2013). Encyclopedia of Ancient Deities. Routledge. p. 240. ISBN 978-1-135-96397-2., Quote: "Brahma, a creator god, received the basics of his mythological history from Purusha. During the Brahmanic period, the Hindu Trimurti was represented by Brahma with his attribute of creation, Shiva with his attribute of destruction and Vishnu with his attribute of preservation."

  7. ^ Jump up to:a b Sullivan, Bruce (1999). Seer of the Fifth Veda: Kr̥ṣṇa Dvaipāyana Vyāsa in the Mahābhārata. Motilal Banarsidass. pp. 85–86. ISBN 978-8120816763.

  8. ^ Holdrege, Barbara (2012). Veda and Torah: Transcending the Textuality of Scripture. State University of New York Press. pp. 88–89. ISBN 978-1438406954.

  9. ^ Leeming, David (2009). Creation Myths of the World (2nd ed.). p. 146. ISBN 978-1598841749.; David Leeming (2005), The Oxford Companion to World Mythology, Oxford University Press, ISBN 978-0195156690, page 54, Quote: "Especially in the Vedanta Hindu Philosophy, Brahman is the Absolute. In the Upanishads, Brahman becomes the eternal first cause, present everywhere and nowhere, always and never. Brahman can be incarnated in Brahma, in Vishnu, in Shiva. To put it another way, everything that is, owes its existence to Brahman. In this sense, Hinduism is ultimately monotheistic or monistic, all gods being aspects of Brahman"; Also see pages 183-184, Quote: "Prajapati, himself the source of creator god Brahma – in a sense, a personification of Brahman (...) Moksha, the connection between the transcendental absolute Brahman and the inner absolute Atman."

  10. ^ Jump up to:a b c Dalal, Roshen (2010). Hinduism: An Alphabetical Guide. Penguin Books India. pp. 78–79. ISBN 978-0-14-341421-6.

  11. ^ Achuthananda, Swami (27 August 2018). The Ascent of Vishnu and the Fall of Brahma. Relianz Communications Pty Ltd. ISBN 978-0-9757883-3-2.

  12. ^ Jump up to:a b c Kramrisch, Stella (1994). The Presence of Siva. Princeton University Press. pp. 205–206. ISBN 978-0691019307.

  13. ^ Pattanaik, Devdutt (September 2000). The Goddess in India:The Five Faces of the Eternal Feminine. Inner Traditions / Bear & Co. ISBN 978-0-89281-807-5.

  14. ^ Charles Coulter and Patricia Turner (2000), Encyclopedia of Ancient Deities, Routledge, ISBN 978-0786403172, page 258, Quote: "When Brahma is acknowledged as the supreme god, it was said that Kama sprang from his heart."

  15. ^ Jump up to:a b Morris, Brian (2005). Religion and Anthropology: A Critical Introduction. Cambridge University Press. p. 123. ISBN 978-0521852418.

  16. ^ Jump up to:a b Charkravarti, SS (2001). Hinduism, a Way of Life. Motilal Banarsidass. p. 15. ISBN 978-8120808997.

  17. ^ Jump up to:a b London, Ellen (2008). Thailand Condensed: 2,000 Years of History & Culture. Marshall Cavendish. p. 74. ISBN 978-9812615206.

  18. ^ James Lochtefeld, Brahman, The Illustrated Encyclopedia of Hinduism, Vol. 1: A–M, Rosen Publishing. ISBN 978-0823931798, page 122

  19. ^ James Lochtefeld, Brahma, The Illustrated Encyclopedia of Hinduism, Vol. 1: A–M, Rosen Publishing. ISBN 978-0823931798, page 119

  20. ^ Jump up to:a b Bruce Sullivan (1999), Seer of the Fifth Veda, Motilal Banarsidass, ISBN 978-8120816763, pages 82-83

  21. ^ Gopal, Madan (1990). K.S. Gautam (ed.). India through the ages. Publication Division, Ministry of Information and Broadcasting, Government of India. p. 79.

  22. ^ "The Bimaran Reliquary, a Gandharan work, which is now housed in the British Museum, London, is of great historical and iconographic significance. It shows Buddha in the centre, attended by Brahma to his right and Indra to the left." in Banerjee, Priyatosh (2001). Central Asian art: new revelations from Xinjiang. Abha Prakashan. p. 48. ISBN 9788185704241.

  23. ^ "Standing Buddha in the arched compartment, flanked by figures of Brahma and Indra standing in similar compartments, detail of the side of Bimaran gold casket" in Agrawala, Prithvi Kumar (1977). Early Indian Bronzes. Prithvi Prakashan. p. 152.

  24. ^ Jump up to:a b c d e Hume, Robert Ernest (1921), The Thirteen Principal Upanishads, Oxford University Press, pp. 422–424

  25. ^ Jump up to:a b c Max Muller, The Upanishads, Part 2, Maitrayana-Brahmana Upanishad, Oxford University Press, pages 303-304

  26. ^ Jan Gonda (1968), The Hindu Trinity, Anthropos, Vol. 63, pages 215-219

  27. ^ Paul Deussen, Sixty Upanishads of the Veda, Volume 1, Motilal Banarsidass, ISBN 978-8120814684, pages 344-346

  28. ^ GM Bailey (1979), Trifunctional Elements in the theology of the Hindu Trimūrti, Numen, Vol. 26, Fasc. 2, pages 152-163

  29. ^ Jump up to:a b Bryant, Edwin F., ed. (2007). Krishna : a sourcebook. New York: Oxford University Press. p. 18. ISBN 978-0-19-514891-6.

  30. ^ Srinivasan, Shalini (April 1971). Stories of Creation. Amar Chitra Katha private limited. ISBN 8184826478.

  31. ^ Jump up to:a b Achuthananda, Swami (27 August 2018). The Ascent of Vishnu and the Fall of Brahma. Relianz Communications Pty Ltd. ISBN 978-0-9757883-3-2.

  32. ^ Jump up to:a b c Tracy Pintchman (1994), The Rise of the Goddess in the Hindu Tradition, State University of New York Press, ISBN 978-0791421123, pages 122-138

  33. ^ Jan Gonda (1969), The Hindu Trinity, Anthropos, Bd 63/64, H 1/2, pages 213-214

  34. ^ Bryant, Edwin F., ed. (2007). Krishna : a sourcebook. New York: Oxford University Press. p. 7. ISBN 978-0-19-514891-6.

  35. ^ Sutton, Nicholas (2000). Religious doctrines in the Mahābhārata (1st ed.). Delhi: Motilal Banarsidass Publishers. p. 182. ISBN 81-208-1700-1.

  36. ^ Asian Mythologies by Yves Bonnefoy & Wendy Doniger. Page 46

  37. ^ S. M. Srinivasa Chari (1994). Vaiṣṇavism: Its Philosophy, Theology, and Religious Discipline. Motilal Banarsidass. p. 147. ISBN 978-81-208-1098-3.

  38. ^ Brahma: Hindu god Encyclopædia Britannica.

  39. ^ Wendy Doniger O'Flaherty (1981). Siva: The Erotic Ascetic. Oxford University Press. p. 125. ISBN 978-0-19-972793-3.

  40. ^ Stella Kramrisch (1992). The Presence of Siva. Princeton University Press. pp. 205–206. ISBN 0-691-01930-4.

  41. ^ Jump up to:a b Frazier, Jessica (2011). The Continuum companion to Hindu studies. London: Continuum. p. 72. ISBN 978-0-8264-9966-0.

  42. ^ Arvind Sharma (2000). Classical Hindu Thought: An Introduction. Oxford University Press. p. 4. ISBN 978-0-19-564441-8.

  43. ^ Mark Juergensmeyer; Wade Clark Roof (2011). Encyclopedia of Global Religion. SAGE Publications. p. 1335. ISBN 978-1-4522-6656-5.

  44. ^ Stella Kramrisch (1992). The Presence of Siva. Princeton University Press. p. 171. ISBN 0-691-01930-4.

  45. ^ Jeaneane D. Fowler (2002). Perspectives of Reality: An Introduction to the Philosophy of Hinduism. Sussex Academic Press. p. 330. ISBN 978-1-898723-93-6.

  46. ^ Jump up to:a b c Richard Anderson (1967), Hindu Myths in Mallarmé: Un Coup de Dés, Comparative Literature, Vol. 19, No. 1, pages 28-35

  47. ^ Richard Anderson (1967), Hindu Myths in Mallarmé: Un Coup de Dés, Comparative Literature, Vol. 19, No. 1, page 31-33

  48. ^ Nicholas Gier (1998), The Yogi and the Goddess, International Journal of Hindu Studies, Vol. 1, No. 2, pages 279-280

  49. ^ H Woodward (1989), The Lakṣmaṇa Temple, Khajuraho and Its Meanings, Ars Orientalis, Vol. 19, pages 30-34

  50. ^ Alban Widgery (1930), The principles of Hindu Ethics, International Journal of Ethics, Vol. 40, No. 2, pages 234-237

  51. ^ Joseph Alter (2004), Yoga in modern India, Princeton University Press, page 55

  52. ^ Jump up to:a b Kenneth Morgan (1996), The Religion of the Hindus, Motilal Banarsidass, ISBN 978-8120803879, page 74

  53. ^ Thomas E. Donaldson (2001). Iconography of the Buddhist Sculpture of Orissa. Abhinav. p. 99. ISBN 978-81-7017-406-6.

  54. ^ Philip Wilkinson and Neil Philip (2009), Mythology, Penguin, ISBN 978-0756642211, page 156

  55. ^ Jump up to:a b c PK Acharya, A summary of the Mānsāra, a treatise on architecture and cognate subjects, PhD Thesis awarded by Rijksuniversiteit te Leiden, published by BRILL, OCLC 898773783, page 50

  56. ^ Elizabeth Dowling and W George Scarlett (2005), Encyclopedia of Religious and Spiritual Development, SAGE Publications, ISBN 978-0761928836 page 204

  57. ^ David Kinsley (1988), Hindu Goddesses: Vision of the Divine Feminine in the Hindu Religious Traditions, University of California Press, ISBN 0-520063392, pages 55-64

  58. ^ Sekhar, Sasi (14 November 2019). "Mithrananadapuram in Thiruvananthapuram, a temple complex full of surprises". Retrieved 29 May 2022.

  59. ^ Trudy Ring et al (1996), International Dictionary of Historic Places: Asia and Oceania, Routledge, ISBN 978-1884964046, page 692

  60. ^ Chami Jotisalikorn et al (2002), Classic Thai: Design, Interiors, Architecture., Tuttle, ISBN 978-9625938493, pages 164-165

  61. ^ Arthur P. Phayre (2013), History of Burma, Routledge, ISBN 978-0415865920, pages 2-5

  62. ^ Gustaaf Houtman (1999), Mental Culture in Burmese Crisis Politics, Tokyo University of Foreign Studies, ISBN 978-4872977486, page 352

  63. ^ Robert E. Buswell Jr.; Donald S. Lopez Jr. (2013). The Princeton Dictionary of Buddhism. Princeton University Press. pp. 141–142. ISBN 978-1-4008-4805-8.

  64. ^ "Dewa Brahma", GamaBali


Comentários


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page