top of page
  • Foto do escritorFlávio Amatti Filho

DAJJAL - O Messias Impostor do Islamismo (Anticristo).

Atualizado: 1 de nov. de 2023

Masih ad-Dajjal (árabe: المسيح الدجال, literalmente "O Messias Impostor") é uma figura do mal na escatologia islâmica, onde será o impostor que irá se passar pelo Messias, antes do Dia da Ressurreição.
Na linguagem ocidental, em algumas interpretações escatológicas, Dajjal seria o anticristo da teologia cristã.
Imagem cedida por: http://theartofmisinformation.wordpress.com/2011/09/03/the-dajjal-2/ Figura do Dajjal - no centro da sua testa está escrito "Kafir" que significa - INFIEL.

- INTRODUÇÃO AO ISLAMISMO.


Antes de falarmos sobre Al-Dajjal, vamos entender como seu deu a criação da terceira e última religião Abrâmica (Abraão) a religião dos muçulmanos (significa "os que se submetem") chamada de Islã (que significa "submissão à vontade divina") e que é uma religião criada pelo Profeta Maomé (570 - 632 EC).


Vídeo de introdução ao Islamismo:



Assim sendo, agora que você assistiu o vídeo acima, já tem noção de como o ISLAMISMO foi criado e também já conhece as suas principais características, podemos dar continuidade ao tema desse artigo.


Símbolo do Islão com a Palavra "Alá"

O profeta MAOMÉ contou com uma lista de pessoas que estiveram ao seu lado e contribuíram para a criação do Islamismo; e as suas narrativas, é impressionante.


Os chamados Companheiros do Profeta -Sahabah (mais de 100 - segue lista no link abaixo) entre eles: Abacar, Omar, Otomão, Ali etc, além de Tamim Al Dari, de onde veio o relato do surgimento do Dajjal.



No islamismo o termo sahaba (ou asahaaba; em árabe: الصحابه) refere-se aos muçulmanos que estiveram na presença física do profeta Maomé.
A forma singular da palavra é sahaabi, e significa "amigo", "companheiro".

Acima, temos a lista de Companheiros do Profeta Maomé ( Muhammad ) e que tem até classificação em categorias


- os Muhajirūn os que tinham fé em Maomé e que acompanharam Muhammad de Meca a Medina, quando começou a pregar.


- os Ansar que moravam em Medina e os Badriyyūn que lutaram na Batalha de Badr , ou seja, os que apoiaram e acolheram Maomé, tornando-se seus protetores.


E por fim, um desses Companheiros do Projeta, era Tamim Al Dari, um dos primeiros companheiros de Maomé.


Tamīm ibn Aws al-Dārī ( em árabe : تميم بن أوس الداري ) (falecido em 661) foi um companheiro do profeta islâmico Maomé e um dos primeiros convertidos do cristianismo ao islamismo.


Na escatologia islâmica, ele é conhecido por encontrar o Dajjal durante uma de suas jornadas.


Como tal, a história de Tamim tornou-se a base de várias narrativas e lendas medievais, ganhando Tamim o título de: "o viajante intrépido".


Originalmente um sacerdote cristão, al-Dari viveu na Palestina governada pelos bizantinos e pertencia ao Banu al-Dar - um clã da tribo Lakhm .


Seu primeiro contato com Muhammad foi em 628 EC, quando liderou uma delegação de dez outros membros Banu al-Dar.


Anteriormente, Maomé concedeu a Banu al-Dar uma parte das terras conquistadas após a vitória muçulmana na Batalha de Khaybar .


Al-Dari se encontrou com Muhammad para receber as missões de viagem e depois de conhecê-lo, al-Dari abraçou o Islã , estabelecendo-se em Medina .


Após sua conversão, al-Dari tornou-se conselheiro de Maomé, particularmente no culto público. Seu conselho incluiu a introdução de lamparinas a óleo nas mesquitas .
Ele é tradicionalmente considerado o primeiro narrador de histórias religiosas islâmicas e muitas de suas histórias incluíam histórias sobre o fim do mundo , as feras do Dajjal e a vinda do Anticristo

Dajjal

  • Como no cristianismo, diz-se que o Dajjal surge no oeste, embora a localização específica varie entre as várias fontes.

  • O Dajjal imitará os milagres realizados por ʿĪsā (Jesus), como curar os doentes e ressuscitar os mortos, este último feito com a ajuda de demônios ( Shayāṭīn ).

  • Ele enganará muitas pessoas, como tecelões , magos, mestiços e filhos de prostitutas.


Quando Tamin Al Dari se converteu ao Islamismo, ele pediu a Maomé as terras das aldeias de Hebron e Einun - na Palestina, a qual foi prontamente concedido, embora naquela época, a Palestina ainda estava sob controle Bizantino.
Tamim quando era cristão, morava em um Mosteiro (Dayr) e esse fato explica a sua narrativa de ter encontrado o Djjall em uma das suas viagens.
Ele era um narrador de histórias oficial do Islamismo. Tamim narrava os hadiths do Profeta, sobre ética, oração e recitação do Alcorão. - o livro sagrado do ISLÃO.

Acredita-se que Tamim al-Dari foi um dos primeiros que trouxeram o que se chamam de Isra'iliyyat (histórias do cristianismo e outras religiões) para o Islã.


Nota: Segundo a tradição, ele está enterrado em um Maqam (templo funerário islâmico) na cidade de Bayt Jibrin (nas proximidades de Hebron), destruída por Israel em 1948.

Hoje seu maqam (santuário) está abandonado e localizado ao norte do Kibutz Beit Guvrin .



Maqam al-Khidr in al-Bassa


De acordo com o historiador egípcio Ibn Lahi'a (714-790), os membros da família de al-Dari ainda eram os proprietários de suas propriedades em Hebron e Beit Einun durante a vida do historiador.


A narrativa do Dajjal -- Al-Masih ad-Dajjal



Segundo fontes sunitas , Tamim ad-Dari havia embarcado em uma expedição que naufragou em uma ilha misteriosa, pois, assim como era Maomé, Tamim também fazia inúmeras peregrinações e em uma dessas viagens (de barco), Tamim teve um naufrágio caindo um uma ilha misteriosa (distância de 1 mês de viagem), que segundo pesquisei poderia ser a ilha de Creta na Grécia.


Um pouco sobre a ILHA DE CRETA - GRÈCIA


Creta, a maior ilha da Grécia, é um dos destinos de maior importância cultural do arquipélago grego.


Foi berço da civilização europeia onde os minoicos se instalaram há mais de cinco mil anos atrás.


Está repleta de sítios arqueológicos sendo o mais importante deles o Palácio de Knossos, que reflete a glória desta civilização perdida.

A ilha vivenciou posteriormente vários domínios distintos como dos Bizantinos, Romanos, Venezianos e Turcos, adquirindo assim uma cultura única. 🧐

Em Creta, pesquisei que há um sarcófago denominado Hagia Triada, datado do século XIV AEC.




Um pouco sobre o Sarcófago de Hagia Triada (ou Agia Triada)


O Sarcófago de Hagia Triada (ou Agia Triada) é um sarcófago minoico descoberto em 1903 no sítio arqueológico de Hagia Triada, em Creta.


Datado do século XIV a.C., período da presença micênica em Creta, foi descoberto em uma câmara mortuária, ou melhor, em um pequeno prédio que serviu como um túmulo. Materiais exclusivos, iconografia, elementos narrativos, técnicas e estilo utilizado presentes no sarcófago de Hagia Triada fornecem evidências valiosas sobre as cerimônias religiosas e ritos minoicos.


Considerado um dos melhores exemplos da arte egeia, é conservado no Museu Arqueológico de Heraclião.


Após detalhados estudos do sarcófago e o que seus registros pictográficos significavam, constatou-se que é uma produção mista, ou seja, apresenta elementos tradicionais minoicos (ritos religiosos), assim como influências ideológicas egípcia (barcos, baixo-relevos, representação de procissões com oferendas) e micênica (espirais, rosetas, carruagens). Além disso, o próprio túmulo onde o sarcófago foi encontrado, conhecido como Túmulo 4, apresenta uma intrínseca fusão entre os estilos minoico e micênico, tanto no âmbito arquitetônico, como no funcional.


Este, diferente dos tradicionais túmulos minoicos, é dedicado a uma pequena parcela da sociedade de Hagia Triada, o que se pode entender como outra ideologia micênica incorporada na sociedade minoica do final da Idade do Bronze.


Os pictogramas produzidos no sarcófago ainda hoje fomentam variadas interpretações. Constatou-se que há treze cenas em torno do sarcófago, algumas interligadas, outras independentes umas das outras. Outra característica importante é que cada cena tem uma cor de fundo diferente, havendo assim quatro tipos de fundo: amarelo, vermelho, azul e branco. É a partir desta informação que a pesquisadora Wendy Walgate estabeleceu um diagrama cromático que relaciona a cor do fundo das cenas com períodos do dia, ou seja, cenas com fundo branco simbolizam o dia, o vermelho o entardecer, o azul o anoitecer e o amarelo o amanhecer.




O ENCONTRO DE TAMIM COM DAJJAL.


Nesta ilha, ele é levado por uma estranha criatura cabeluda, chamada de al-Jassasah e que tinha tanto cabelo que mal dava para ver seu rosto - uma fera com longos cabelos grossos (e por causa disso) eles não podiam distinguir seu rosto de suas costas.


Encontro e conversa entre Tamim com Dajjal

Textos retirados do hadith encontrado no Sahih Muslim No. 7029.


O animal também foi capaz de falar: "Eu sou al-Jassasah", respondeu ele. O mais assustador Tamim e seu rebanho. Eles também sussurraram o que era al-Jassasah. A pergunta não foi respondida, a besta disse novamente. "Você vai ao templo lá, conhece um homem porque ele realmente espera notícias suas", disse al-Jassasah enquanto mostrava as direções.


Um dos sinais do fim do mundo é o aparecimento de Dajjal.

O grupo de Tamim não podia recusar. Mesmo com os cabelos arrepiados, eles ainda caminharam em direção ao santuário em questão. "E se aquele que estamos prestes a conhecer for um demônio?" disse um dos integrantes do grupo. No entanto, Tamim ainda se dirigia ao templo.


Para sua surpresa, descobriu-se que dentro havia um homem super grande que estava algemado. Suas mãos estavam amarradas em volta do pescoço, seus joelhos e tornozelos também estavam amarrados.


Não é um vínculo comum, o vínculo é feito de ferro muito forte, é impossível quebrá-lo, exceto com a permissão de Allah. O homem gigante tinha cabelos cacheados e um olho esquerdo cego. Em sua testa está escrito o alfabeto árabe "kaf", "fa" e "ra", ou se conectado a "kafir".


"Como você é miserável, que tipo de criatura você é?" perguntou Tamim. O homem com um corpo muito grande respondeu: "Você realmente já sabe sobre mim, então me diga quem você é?" ele disse.


"Somos árabes, embarcamos em um navio, mas encontramos uma onda tremenda e ficamos presos em sua ilha. Também conhecemos Al-Jassasah, então o animal nos pediu para virmos aqui", disse Tamim brevemente.


O homem perguntou novamente: "Conte-me sobre as tamareiras em Baisan!" Tamim e o grupo perguntaram sem entender: "O que você está perguntando sobre a árvore ali?"


O homem algemado respondeu: "Sobre a tamareira, ainda está frutificando?"

Eles responderam: "Sim".


O homem respondeu: "Em breve as árvores não darão mais frutos. Então, conte-me sobre o Lago Tabariyyah (Tiberia)!"


Eles novamente perguntaram: "O que você perguntou sobre o lago?"


O cego unilateral respondeu: "O lago ainda tem água?"


Tamim e seus amigos responderam: "Sim, o lago tem muita água.


Novamente o homem respondeu sobre o futuro. "Em pouco tempo o lago vai secar. Então, me conte sobre a primavera de Zugharl!"


Eles perguntaram novamente por detalhes: "O que você está perguntando sobre a primavera Zugharl?"


O homem grande, mas baixo, respondeu: "A fonte ainda flui água? E as pessoas ainda cultivam usando a água?"

O grupo de Tamim respondeu: "Sim, a primavera é muito forte e as pessoas cultivam com ela".

As três perguntas não satisfizeram o homem. Aparentemente, ele foi algemado por centenas de anos para que ele não saiba mais das notícias dos tempos. Ele também continuou a fazer perguntas a Tamim e seus seguidores. "Conte-me sobre o profeta ummi, o que ele fez?" perguntou o grande homem feio.


Eles também entenderam que o que ele estava perguntando era sobre o Profeta Muhammad que estava sendo enviado. Tamim é cristão. Naquela época, ele não havia recebido orientação para o Islã. Ele respondeu: "Ele emergiu de Meca e vive em Yathrib (Medina)", disse ele.


"Os árabes estão lutando contra ele?" perguntou o gigante indefeso com as mãos e os pés bem amarrados.


"Sim", responderam Tamim e seus amigos.


"O que ele (Muhammad) fez aos árabes? Ele triunfou sobre eles e os fez obedecer? Isso aconteceu?" perguntou o homem "infiel" novamente.

"Sim", eles disseram.

O grandalhão encerrou a pergunta. Ele então deu uma notícia chocante: "É bom para aqueles que o obedecem (Rasulullah). Eu vou te dizer quem eu sou. Eu sou al-Masih (ad-Dajjal).

Em breve terei permissão para sair e andar na Terra, eu não deixarei nenhum país, a menos que eu passe por quarenta noites, exceto Makkah e Tha'ibah (Medina), essas duas cidades estão proibidas de eu entrar.


Toda vez que eu quero entrar nas duas cidades, anjos me bloqueiam com espadas desembainhadas. Eles me impedem de entrar nas duas cidades. Realmente em cada brecha entre as duas cidades há anjos que os guardam ", disse o grande homem que acabou por ser o Dajjal.


Após a conversa com o grupo Tamim e o Dajjal; eles não podiam acreditar que tinham conhecido aquele homem horrível que comprovou muitos relatos do Profeta que um dos sinais do Dia do Julgamento, seria, o aparecimento do Dajjal, o homem acorrentado que anuncia que ele é o Dajjal; e fornece detalhes escatológicos relacionados ao futuro, avisando-os de seu advento.


Depois de retornar à Arábia, Tamim imediatamente encontrou o Profeta e contou sobre sua jornada. Ele imediatamente declarou-se abraçado ao Islã.


O Profeta ficou muito feliz ao ouvir a extraordinária experiência de Tamim. Ele reuniu seu povo na mesquita e então contou a jornada de Tamim aos seus seguidores.


Fonte: Islam Digest Republika


Assim sendo, concluo pelas pesquisas que realmente, a Ilha de Creta e o sarcófago de Hagia Triade foi o local onde Tamim foi conduzido pelo al-Jassasah para encontrar o homem acorrentado - Dajjal.


(vejam os dois vídeos abaixo e vocês entenderão os detalhes escatológicos relacionados ao futuro, avisando-os de seu adventos.







Fica claro agora (e de forma bastante surpreendente para mim) o fato do Tamim ter sido cristão devoto, e após a sua conversão ao ISLAMISMO, ter feito a associação escatológica das religiões cristã e islâmica na figura de Jesus e Dajjall ?? !!


Vejam abaixo:



Cena do Filme "A paixão de Cristo" de 2004 (Brasil) dirigido por Mel Gibson que supostamente remete a figura de Jesus a Dajjal.

FILME: The Passion Of The Christ (A Paixão de Cristo) por Mel Gibson.

Jesus Cristo, o salvador da humanidade, é traído por um de seus discípulos e capturado pelos romanos. Mesmo durante uma morte torturante, Jesus redime almas e derrota o verdadeiro propósito de Satanás.


Data de lançamento : 19 de março de 2004 ( Brasil )

Diretor : Mel Gibson

Idiomas : Latim, Aramaico , Hebraico

Bilheteria : 612,1 milhões de dólares



PARA NOSSA REFLEXÃO:


Assim, como fez TAMIM, teria o MEL GIBSON aproveitado/usado essa associação JESUS - DAJJAL de forma proposital no seu filme sobre a vida de JESUS ?



BONUS: O próximo filme de MEL GIBSON.


FILME: The Passion of the Christ: Resurrection --- (A paixão de Cristo: Ressureição)


O filme está planejado para ser lançado nos Estados Unidos em fevereiro de 2024.







Qual próxima surpresa reservada para nós?


Vamos aguardar !!!!



E ai, pessoal? Gostaram desse artigo? Deixe seu like.

Instagram e Facebook ArqueoHistória >>> Instagram Facebook.

Minha pagina no Instagram -- Aletheia Ágora em http://instagram/aletheia_agora



FLAVIO AMATTI FILHO - PESQUISADOR - EQUIPE ARQUEOHISTÓRIA

Obrigado pela leitura e até o próximo POST

Um abraço

FLAVIO AMATTI FILHO















Bibliografia, Fontes e Referencias:


  1. ^ "Sahih Muslim 2942c". Sunnah.com.

  2. ^ Jump up to:a b c d e f g h i j k l m Farhang, Mehrvash (2017). "Dajjāl". In Madelung, Wilferd; Daftary, Farhad (eds.). Encyclopaedia Islamica. Translated by Negahban, Farzin. Leiden and Boston: Brill Publishers. doi:10.1163/1875-9831_isla_COM_035982. ISSN 1875-9823.

  3. ^ SIDDIQI, DR SHAZIA. "The Antichrist of Islamic tradition". Olean Times Herald. Retrieved 6 August 2021.

  4. ^ Jump up to:a b c d e f g h i j k l m Cook, David (2021) [2002]. Studies calyptic. Berlin and London: Gerlach Press. pp. 93–104. ISBN 9783959941211. OCLC 238821310.

  5. ^ Wahiduddin Khan (2011). The Alarm of Doomsday. Goodword Books. p. 18.

  6. ^ "Description of Dajjal's eyes". Hadith Answers. 22 May 2018. Retrieved 14 June 2021.

  7. ^ "Sahih Muslim 169e". sunnah.com. Retrieved 17 June 2021.; In-book reference: Book 54 (Tribulations and Portents of the Last Hour), Hadith 123; Reference: Sahih Muslim 169e

  8. ^ "Sahih Muslim 2934a". sunnah.com. Retrieved 17 June 2021.; In-book reference: Book 54 (Tribulations and Portents of the Last Hour), Hadith 128; Reference: Sahih Muslim 2934a

  9. ^ Hamid, F.A. (2008). 'The Futuristic Thought of Ustaz Ashaari Muhammad of Malaysia', p. 209, in I. Abu-Rabi' (ed.) The Blackwell Companion to Contemporary Islamic Thought. Malden: Blackwell Publishing, pp.195-212

  10. ^ Jump up to:a b c "Sunan Abi Dawud 4321". sunnah.com. Retrieved 17 July 2020. In-book reference: Book 39 (Battles), Hadith 31; English translation: Book 38, Hadith 4307

  11. ^ "Sahih Muslim 2937a". sunnah.com. Retrieved 17 June 2021. In-book reference: Book 54 (Tribulations and Portents of the Last Hour), Hadith 134; Reference: Sahih Muslim 2937a

  12. ^ "Sunan Ibn Majah 4077". sunnah.com. Retrieved 16 August 2020. In-book reference: Book 36 (Tribulations), Hadith 152; English translation: Vol. 5, Book 36, Hadith 4077

  13. ^ "Sunan Abi Dawud 4294". sunnah.com. Retrieved 17 July 2020.; In-book reference: Book 39 (Battles), Hadith 4; English translation: Book 38, Hadith 4281, Hasan

  14. ^ Jump up to:a b c Gallagher, Eugene (28 February 2020). "Millennialism". Oxford Research Encyclopedia of Religion. Oxford: Oxford University Press. doi:10.1093/acrefore/9780199340378.013.125. ISBN 9780199340378. Retrieved 17 January 2022.

  15. ^ Persian shawls

  16. ^ "The Signs Before the Day of Judgment by Ibn Kathîr". Qa.sunnipath.com. 3 July 2005. Archived from the original on 15 March 2012. Retrieved 24 May 2012.

  17. ^ Martin 2004: 421

  18. ^ Glasse 2001: 280

  19. ^ Momen 1985: 166-8

  20. ^ Akyol, Mustafa (3 October 2016). "The Problem With the Islamic Apocalypse". New York Times. Retrieved 29 January 2022.

  21. ^ Jump up to:a b c "Al-Dajjal (Impostor)". Al-Islam.org. 28 February 2020.

  22. ^ Abu Ja'far Muhammad ibn 'Ali ibn Babawayh al-Qummi. "Chapter 47: Narration regarding Dajjal (anti-Christ)". Kamal al-din wa tamam al-ni'mah. Vol. 2. Tehran: Dar al-Kutub al-Islamiyya.

  23. ^ Sahih Muslim (Dhikr ad-Dajjal)

  24. ^ "His Second Coming". Al-Islam.org. 18 November 2013.

  25. ^ Glassé, Cyril; Smith, Huston (2003). The New Encyclopedia of Islam. Altamira Press. p. 33. ISBN 0-7591-0190-6.

  26. ^ Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice. Columbia University Press. p. 148. ISBN 978-0-231-70094-8.

  27. ^ Malik Ghulam Farid, et al. Al-Kahf, The Holy Quran with English Translation and Commentary Vol. III, p.1479

  28. ^ Muhammad Ali. (1992) The Antichrist and Gog and Magog Archived 1 July 2018 at the Wayback Machine, Ohio: Ahmadiyya Anjuman-i Ishāʿat-i Islām

  29. ^ Mirza Ghulam Ahmad, (2005), The Essence of Islam, Vol. III Archived 11 November 2017 at the Wayback Machine, Tilford: Islam International, p.290

  30. ^ Muhammad Ali. (1992) The Antichrist and Gog and Magog Archived 1 July 2018 at the Wayback Machine, Ohio: Ahmadiyya Anjuman-i Ishāʿat-i Islām, pp.12-14

  31. ^ Muhammad Ali. (1992) The Antichrist and Gog and Magog Archived 1 July 2018 at the Wayback Machine, Ohio: Ahmadiyya Anjuman-i Ishāʿat-i Islām, pp.19-20

  32. ^ Mirza Ghulam Ahmad, (2005), The Essence of Islam, Vol. III Archived 11 November 2017 at the Wayback Machine, Tilford: Islam International, p.290

  33. ^ Muhammad Ali. (1992) The Antichrist and Gog and Magog Archived 1 July 2018 at the Wayback Machine, Ohio: Ahmadiyya Anjuman-i Ishāʿat-i Islām, pp.57-60

  34. ^ Mirza Masroor Ahmad, (2006). Conditions of Bai'at and Responsibilities of an Ahmadi Archived 28 December 2010 at the Wayback Machine, Surrey: Islam International, p.184

  35. ^ Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice. Columbia University Press. pp. 148–9. ISBN 978-0-231-70094-8.

  36. ^ Francis Robinson.‘The British Empire and the Muslim World' in Judith Brown, Wm Roger Louis (ed) The Oxford History of the British Empire: Volume IV: The Twentieth Century. Oxford University Press, 1999, p. 411. "At their most extreme religious strategies for dealing with the Christian presence might involve attacking Christian revelation at its heart, as did the Punjabi Muslim, Ghulam Ahmad (d. 1908), who founded the Ahmadiyya missionary sect. He claimed that he was the messiah of the Jewish and Muslim tradition; the figure known as Jesus of Nazareth had not died on the cross but survived to die in Kashmir."

  37. ^ Yohanan Friedmann. Prophecy Continuous: Aspects of Ahmadi Religious Thought and its Medieval Background Oxford University Press, 2003, p. 114. "He [Ghulam Ahmad] realized the centrality of the crucifixion and of the doctrine of vicarious atonement in the Christian dogma, and understood that his attack on these two was an attack on the innermost core of Christianity "

  38. ^ Kambiz GhaneaBassiri. A History of Islam in America: From the New World to the New World Order Cambridge University Press, 2010, p. 208. "Ghulam Ahmad denied the historicity of Jesus' crucifixion and claimed that Jesus had fled to India where he died a natural death in Kashmir. In this way, he sought to neutralize Christian soteriologies of Christ and to demonstrate the superior rationality of Islam."

  39. ^ Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice. Columbia University Press. p. 21. ISBN 978-0-231-70094-8. "Proclaiming himself as reformer of Islam, and wanting to undermine the validity of Christianity, Ahmad went for the theological jugular, the foundational teachings of the Christian faith. 'The death of Jesus Christ' explained one of Ahmad's biographers ‘was to be the death-knell of the Christian onslaught against Islam'. As Ahmad argued, the idea of Jesus dying in old age, rather than death on a cross, as taught by the gospel writers, 'invalidates the divinity of Jesus and the doctrine of Atonement'."

  40. ^ 'Gate of Lud' Abul Husayn Muslim ibn al-Hajjaj Qushayri al-Nishapuri. Sahih Muslim. Of the Turmoil & Portents of the Last Hour. No 7015

  41. ^ Geaves, Ron (2017). Islam and Britain: Muslim Mission in an Age of Empire. Bloomsbury Publishing. p. 138. ISBN 978-1-4742-7173-8.

  42. ^ Shahid, Dost Mohammad, Tarikh e Ahmadiyyat vol IV. Archived 7 August 2011 at the Wayback Machine p446.







Comments


30b5d6ac-5e47-4534-a782-1fcb5b20ef80.jpg
  • YouTube
bottom of page